Depois do ChatGPT, CEO da OpenAI aposta em tecnologia para escanear a íris humana

Startup de Sam Altman, fundador da empresa do ChatGPT, busca criar identidade digital única baseada na íris de cada pessoa e chega a oferecer tokens em troca

Sam Altman está à frente da Worldcoin
Por Annie Massa - Anna Kaiser - Caelyn Pender
30 de Julho, 2023 | 03:38 PM

Bloomberg — De Manhattan ao sul da Califórnia, muitos americanos têm suas íris escaneadas por uma esfera cromada criada por Sam Altman, empreendedor e CEO da OpenAI, criadora do ChatGPT.

Diferentemente das cerca de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo que completaram escaneamentos semelhantes em troca de pagamento, esses inscritos dos Estados Unidos não conseguem muito valor da Worldcoin, o mais recente projeto de criptomoeda do empresário.

Atraídos por uma ofensiva promocional que levantou preocupações com privacidade e ética, alguns peregrinos em Nova York, Los Angeles e Miami esperavam obter alguma criptomoeda por seus esforços, enquanto outros foram atraídos pela própria figura de Altman.

Alex Chung, um usuário em Los Angeles, planejava fazer um vídeo no YouTube sobre sua experiência. “Se eu escanear meus olhos, posso obter 25 moedas”, disse ele. Quando descobriu que não era verdade, ele disse que esperava obter os tokens “algum dia no futuro”.

PUBLICIDADE

O token da Worldcoin foi lançado na segunda-feira (24) a US$ 1,70 e chegou a atingir US$ 3,58 antes de cair para cerca de US$ 2,18 na sexta-feira (28), de acordo com dados compilados pelo CoinMarketCap. A empresa por trás disso, a Tools for Humanity, foi fundada em 2019 por Altman, Alex Blania e Max Novendstern. Seus operadores de esfera escanearam olhos em países ao redor do mundo, incluindo Índia, Quênia e Uganda.

Fora dos EUA, a Worldcoin distribui alguns de seus próprios tokens de criptomoeda, em incrementos de cerca de US$ 50, para incentivar as pessoas a compartilharem seus dados biométricos. Nos EUA, onde Altman afirmou que o cenário regulatório de criptomoedas é incerto, e as razões para as pessoas se inscreverem ainda são principalmente hipotéticas.

“Sam Altman é interessante - ele não é motivado apenas pelo dinheiro”, disse Alberto Simon, que passou por uma loja no centro de Manhattan chamada Canvas para um escaneamento na terça-feira passada. “Eu gosto de coisas tecnológicas aleatórias.”

PUBLICIDADE

Os escaneamentos da Worldcoin têm como objetivo “provar a personalidade” em um futuro habilitado pela inteligência artificial, onde a distinção entre humanos e máquinas pode se tornar mais difícil. Os usuários recebem uma identidade virtual exclusiva a partir dos escaneamentos e acesso a uma carteira virtual pelo aplicativo Worldcoin.

Esfera da Tools for Humanity usada para escanear a íris em um coworking na Califórniadfd

“É uma rede realmente grande de pessoas reais”, disse Tiago Sada, chefe de produtos, engenharia e design na Tools for Humanity. O projeto poderia ajudar a construir uma “infraestrutura de identidade”, disse ele.

No entanto, para os usuários, essas aplicações podem parecer abstratas. “Eu não acho que tenho algum uso real para isso agora”, disse Ben Deeb, que parou para oferecer suas íris em Los Angeles. “Eu só gosto de experimentar coisas. Além disso, sou um roteirista em greve. Pensei que tinha tempo para fazer isso.”

Empreitada

Altman, de 38 anos, catapultou para uma fama mais ampla desde a revelação do ChatGPT da OpenAI em novembro. Nos últimos meses, o entusiasmo do Vale do Silício pela criptomoeda deu lugar a uma nova mania apoiada pelo capital de risco: a inteligência artificial. A Worldcoin une os dois.

Seus apoiadores incluem VCs que fizeram grandes apostas em criptomoeda. Investidores na rodada de financiamento de maio da Tools for Humanity, no valor de US$ 115 milhões, incluíram a equipe de criptomoeda da Andreessen Horowitz e a Bain Capital Crypto.

“Como qualquer projeto realmente ambicioso, talvez dê certo e talvez não”, tuitou Altman na segunda-feira, quando a Worldcoin foi lançada. “Experimentar coisas assim é como o progresso acontece.”

Quando perguntado se Altman possui algum dos tokens da Worldcoin, um porta-voz da Tools for Humanity disse que “a alocação de tokens está disponível publicamente, onde o token Worldcoin está disponível”. A página da web que descreve seu fornecimento circulante é restrita nos EUA.

PUBLICIDADE

Sada, o chefe de produtos da Tools for Humanity, disse que a maioria dos usuários com quem falou “não fala sobre Sam” e prefere se concentrar no World ID e na esfera.

Privacidade

A Worldcoin já recebeu críticas do co-fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, que citou “grandes problemas” com sua abordagem de segurança, embora tenha admitido que seria valioso encontrar uma melhor “prova de personalidade” do que a disponível atualmente.

Especialistas em privacidade também levantaram alertas sobre a abordagem da Tools for Humanity. Não houve supervisão suficiente da coleta de dados biométricos da Worldcoin em todo o mundo, disse Petra Molnar, pesquisadora do Berkman Klein Center for Internet and Society da Universidade de Harvard.

“Isso está acontecendo em um vácuo regulatório”, disse Molnar, que estuda tecnologia usada por migrantes. “Não houve muita reflexão sobre como esse tipo de tecnologia pode prejudicar as pessoas.”

PUBLICIDADE

Em uma loja em Miami, entre cabides de lenços leves de linho e biquínis de crochê, uma tela brilhava com logotipos da Worldcoin. O espaço era uma loja para a moeda virtual Solana antes que o preço do token desabasse no colapso das criptomoedas no ano passado.

Dois trabalhadores da Tools for Humanity sentados em um sofá com uma etiqueta de preço de US$ 5.000 aguardavam novas inscrições.

Floyd Wiltz, chefe de logística global avançada da divisão de esferas da empresa, disse que as pessoas que entraram tendem a ser seguidores de Altman e da OpenAI.

Michael Shumikhin, um desenvolvedor de software de 26 anos que se mudou para Miami de Nova York durante a pandemia, chegou com o aplicativo Worldcoin aberto.

PUBLICIDADE

“Vi toda a empolgação em torno disso, então decidi vir”, disse ele. “É um projeto interessante com muito burburinho, com Sam Altman e os grandes VCs apoiando.”

A ideia não é para todos. De volta a Manhattan, Riley Wild, um nativo de Minnesota usando uma camiseta cinza da Harley-Davidson e carregando um skate, entrou na loja Canvas, passando pelos chapéus florais, difusores de pedra de farmácia, botas de salto alto roxas e outras mercadorias sustentáveis.

PUBLICIDADE

Ele estava lá para dar uma olhada na esfera pessoalmente, mas se recusou a se inscrever para um World ID.

“Sou muito negativo em relação a isso”, disse Wild, um consultor de um projeto blockchain chamado Convex Foundation. Ele mostrou um thread no Twitter levantando questões sobre as práticas de privacidade e propriedade da Worldcoin.

Se Wild mudar de ideia, o white paper da Worldcoin sugere que poderia haver um token esperando por ele algum dia, assim como para todos os 8 bilhões de habitantes da Terra - incluindo os céticos.

PUBLICIDADE

Mas os detalhes de como seus benefícios se acumularão para os usuários dos EUA são em grande parte desconhecidos.

“Cada ser humano é elegível para uma parcela de WLD simplesmente por ser humano”, promete o white paper da Worldcoin.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

FTX processa Bankman-Fried e aponta mais de US$ 1 bi em negócios suspeitos