Dimon, do JPMorgan, diz que acabaria com as criptomoedas se tivesse cargo público

Em audiência no Senado americano, o CEO do gigante de Wall Street reforçou as suas críticas ao setor cripto

Jamie Dimon
Por Katherine Doherty
06 de Dezembro, 2023 | 06:24 PM

Bloomberg — Jamie Dimon, um dos executivos mais poderosos e influentes de Wall Street, disse a parlamentares dos Estados Unidos que acabaria com o setor de criptomoedas se tivesse o poder político deles.

“Se eu estivesse no governo, eu fecharia [este mercado]”, disse o CEO do JPMorgan Chase (JPM) durante a audiência anual de supervisão de Wall Street do Comitê Bancário do Senado nesta quarta-feira (6).

As declarações acrescentam-se à longa história de críticas de Dimon às moedas digitais, que já foram chamadas por ele anteriormente de um “esquema de Ponzi” (equivalente a pirâmide financeira) e “fraude”.

Seus comentários seguem uma série de escândalos no setor de criptomoedas, que tem sido alvo de maior escrutínio por parte dos reguladores e legisladores dos EUA desde a quebra da FTX, a plataforma de criptomoedas de Sam Bankman-Fried.

PUBLICIDADE
LEIA +
Quase um terço dos novos unicórnios perde a marca de US$ 1 bilhão

A senadora Elizabeth Warren, democrata de Massachusetts, aproveitou a audiência para se unir aos republicanos e líderes bancários para criticar a indústria de criptomoedas.

“Os terroristas de hoje têm uma nova maneira de contornar o Bank Secrecy Act: criptomoedas”, disse Warren.

Dimon e outros chefes do setor financeiro, incluindo Brian Moynihan, do Bank of America (BAC), disseram que têm medidas de segurança para evitar que terroristas e outros agentes ilegais usem suas instituições.

PUBLICIDADE

Warren contrastou isso com o mercado de criptomoedas e afirmou que as regras de combate à lavagem de dinheiro seguidas pelos bancos deveriam ser estendidas aos ativos digitais. Todos os CEOs concordaram.

“Normalmente, não estou de mãos dadas com os CEOs de bancos multibilionários, mas isso é uma questão de segurança nacional”, disse Warren, que já expressou preocupações sobre a necessidade de regulamentação e sobre as conexões que os grandes bancos têm com a indústria de criptomoedas.

A crítica repetida de Dimon ao setor de criptomoedas não se estende à tecnologia blockchain, a qual o banco utiliza em vários projetos.

O JPMorgan foi um dos pioneiros com sua JPM Coin, uma stablecoin proprietária que permite que os clientes realizem pagamentos baseados em blockchain.

O banco projeta que o token poderá estar envolvido em transações diárias de até US$ 10 bilhões nos próximos dois anos, em comparação com cerca de US$ 1 bilhão atualmente.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Com Gemini, Google tem novo concorrente do ChatGPT que vai além da geração de texto

C6 tem primeiro lucro mensal da história em novembro, diz Kalim