Mercados asiáticos apontam para abertura em queda após alta de juros futuros

Rendimentos de títulos na região sobem na esteira de alta dos yields dos Treasuries nos EUA, diante da reavaliação sobre os cortes de juros que serão feitos pelo Fed

Região portuária em Bangkok, na Tailândia: economia da Ásia segue em compasso de espera de medidas de estímulo na China (Foto: Andre Malerba/Bloomberg)
Por Jason Scott
05 de Fevereiro, 2024 | 08:31 PM

Bloomberg — Os títulos asiáticos estavam prestes a seguir uma queda nos Treasuries dos EUA, depois que dados econômicos considerados fortes reduziram a probabilidade de uma rápida mudança do Federal Reserve para o afrouxamento monetário. As ações asiáticas estavam prontas para uma abertura mista nesta manhã de terça-feira (6).

O rendimento de referência do título de 10 anos da Austrália subiu seis pontos-base na terça-feira depois que os Treasuries dos EUA voltaram a ser pressionados por especulações de que o otimismo do mercado em relação à queda da inflação pode ter ido longe demais - e isso significa que o alívio monetário pode demorar mais do que boa parte dos investidores imaginava.

LEIA +
Unigel prepara pedido de recuperação judicial após impasse com credores, dizem fontes

As ações em Sydney e Tóquio estavam prontas para abrir em baixa, enquanto as ações relacionadas à China, que foram duramente atingidas por um prolongado selloff, poderiam desfrutar de um raro alívio.

Em Wall Street, tanto os títulos quanto as ações caíram na segunda-feira depois que os dados mostraram que o índice de serviços do Institute for Supply Management (ISM) atingiu o maior patamar em quatro meses, enquanto os preços subiram.

PUBLICIDADE

A notícia teve impacto sobre as negociações em momento em que os investidores já estavam digerindo declarações cautelosas de alguns membros do Fed, incluindo Jerome Powell no domingo (4).

O “golpe duplo” impediu os participantes do mercado de alcançar mais ganhos, segundo Jose Torres, da Interactive Brokers. O estrategista do JPMorgan Chase, Marko Kolanovic, disse que, “na ausência de um choque material, achamos que o afrouxamento deste ano será mais moderado do que os mercados precificaram”.

Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos subiram 14 pontos-base para 4,16%, e os dos títulos de dois anos se aproximaram de 4,5%. Os swaps do Fed quase eliminaram as chances de uma mudança na taxa em março, e as chances de um corte em maio também foram reduzidas.

PUBLICIDADE

O dólar atingiu sua maior alta desde novembro. O S&P 500 caiu de um nível recorde, mas se recuperou das mínimas da sessão, enquanto a Nvidia liderou os ganhos nos fabricantes de chips.

Na Ásia, o foco se voltará para a China, onde a preocupação com a economia enfraquecida tem se refletido em uma queda acentuada nas ações. Isso levou as autoridades a apertar as regras de negociação para investidores institucionais domésticos, bem como algumas unidades offshore.

Enquanto isso, as ações de menor capitalização estão emitindo uma espécie de alerta sobre o potencial de queda para o segundo maior mercado de ações do mundo se Pequim não cumprir uma campanha de resgate altamente esperada.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Itaú Unibanco lucra R$ 9,4 bi no 4º tri e supera projeção; inadimplência recua