Na Itália, produtores de azeite recorrem ao turismo para compensar as perdas

Produção global de azeite de oliva deve cair nesta safra, o que faz agricultores do país buscarem receitas alternativas; para turistas, é oportunidade de conhecer mais sobre o cultivo

Azeite de oliva
Por Andrew Davis
25 de Novembro, 2023 | 04:03 PM

Bloomberg — Maria Angela Macchia coloca uma vara de três metros de altura com uma ponta elétrica nas partes superiores de uma oliveira de 200 anos e acelera o motor. A ferramenta com dentes longos, criada para tirar as frutas dos galhos mais altos, sacode a copa da árvore, fazendo com que uma pequena quantidade de azeitonas caia nas redes abaixo. Para um observador, o fluxo é impressionante.

Mas Macchia franze a testa: o rendimento é apenas uma fração do que ela obteve ao sacudir a mesma árvore no ano passado em I Moricci, sua casa de fazenda do século 19 nas colinas da Toscana, fora de Peccioli, a sudeste de Pisa.

Chuvas intensas em toda a Itália na primavera derrubaram muitas das flores de oliveira das 900 árvores da produtora antes que os frutos pudessem se formar, e ela espera que a produção de azeite deste ano caia cerca de três quartos.

Para compensar parte da queda de ganhos, Macchia tem recebido grupos de turistas, organizados pela agência de turismo Triptoscana, com sede em Roterdã, na Holanda. Os visitantes se hospedam em sua fazenda, ajudam a colher as azeitonas e exploram a região durante o tempo livre. No final, recebem uma garrafa de meio litro de azeite para levar para casa.

PUBLICIDADE
LEIA +
Vibra: expansão do milho abre caminho para a aposta em etanol, diz CEO

O grupo de nove membros, representando quatro nacionalidades, reflete um movimento crescente no turismo de azeite em toda a região do Mediterrâneo.

Os viajantes têm uma amostra do trabalho que envolve a produção de alguns dos melhores azeites de oliva extra virgens do mundo, ao mesmo tempo que fornecem uma fonte alternativa de receita para os agricultores, cujos ganhos têm diminuído cada vez mais com o aumento dos custos de produção e os efeitos das mudanças climáticas.

“As pessoas realmente participam da colheita — elas entram no ritmo”, diz Macchia. Mas, ela acrescenta: “é muito trabalho. Cada ano é diferente do próximo, e muita coisa entra na produção do azeite que chega às mesas”.

PUBLICIDADE

O tour de cinco dias da Triptoscana custa 745 euros (US$ 810), incluindo dois dias de colheita e uma visita ao “frantoio” — o local onde a fruta de sabor amargo é prensada para extrair o azeite extra virgem.

Macchia se beneficia ao reservar apartamentos em I Moricci que normalmente estariam vazios durante a entressafra; ela também tem mão de obra gratuita ajudando na colheita das azeitonas.

O grupo passou cerca de seis horas no campo todos os dias; os aproximadamente 500 quilogramas (1.100 libras) colhidos ao longo de dois dias renderiam cerca de 70 litros de azeite.

Equipamento usado para colher azeitonasdfd

O agitador de azeitona de Macchia — duas cabeças em formato de pente em um poste telescópico alimentado por uma bateria de carro — é tão avançado quanto a colheita pode ser em uma fazenda independente como a dela. Depois que as copas das árvores são penteadas, os hóspedes usam rastelos de plástico para raspar as azeitonas restantes, galho por galho.

Após a colheita, as azeitonas são levadas diretamente para a prensa para evitar que a oxidação natural estrague o sabor fresco.

Fora do “frantoio”, onde o cheiro penetrante do azeite de oliva paira como uma nuvem, os agricultores locais esperam do lado de fora como se fossem pais à espera para ver um filho recém-nascido: a colheita passa por uma linha de montagem de máquinas que limpam as azeitonas antes de transformá-las em polpa e depois separar o óleo da lama restante. Todo subproduto é usado.

A polpa serve como adubo ou é vendida a produtores comerciais para extrair mais néctar para óleos de qualidade inferior. Os pedaços de caroço de azeitona esmagados são secos e vendidos como combustível para fogões a lenha.

PUBLICIDADE

O que é um azeite extra virgem

Para ser considerado azeite extra virgem, as azeitonas devem ser prensadas mecanicamente a frio e ter uma acidez inferior a 0,8%. O azeite, que pode custar mais de 30 euros por litro, tem sabores ricos e terrosos e frequentemente um sabor picante. É principalmente um condimento usado para regar sopas, peixes e vegetais, misturar em saladas e às vezes para refogar.

Na verdade, cozinhar com azeite de oliva está mais caro do que nunca. O impacto nas colheitas relacionado a condições climáticas extremas coincidiu com um aumento na demanda de consumidores preocupados com a saúde.

A produção global de azeite de oliva deve cair nesta safra para 1,97 milhão de toneladas, uma queda de 23% em relação à média dos quatro anos anteriores, segundo a Olive Oil Times, uma publicação comercial que acompanha o setor.

A Espanha, que tradicionalmente produz cerca de metade do azeite de oliva do mundo, enfrenta um segundo ano de seca que reduziu a colheita do ano passado em mais da metade; apenas uma melhoria marginal é esperada este ano. Os produtores gregos foram prejudicados por chuvas cataclísmicas e granizo em setembro que danificaram as árvores.

PUBLICIDADE

A produção de azeite grego deve cair 40% em relação à safra recorde do ano passado, informou a Olive Oil Times. Enquanto isso, na Itália, o custo do azeite de oliva estava 49% mais alto em outubro do que no ano anterior; na Espanha, onde os supermercados agora trancam o azeite de oliva para combater o furto, o aumento é de quase 74%.

Produtores como Macchia podem cobrar um preço alto por óleos premium, mas não é o suficiente para compensar a queda na produção e o aumento do custo de fertilizantes, mão de obra, garrafas de vidro e eletricidade.

É aí que o movimento de turismo do azeite espera fazer a diferença. Experiências de colheita de azeitonas e degustações de azeite estão disponíveis há alguns anos nos países do Mediterrâneo, mas a Itália usa uma nova lei que entrou em vigor no ano passado para atrair turistas para olivais fora da temporada de colheita.

A lei orçamentária 169/19 facilita que os produtores cobrem ingressos para eventos relacionados à produção de azeite e é inspirada em legislação semelhante para vinho que ajudou os produtores de vinho italianos a se tornarem favoritos internacionais.

PUBLICIDADE

Os eventos vão desde concertos em campos de oliveiras centenárias até sessões de meditação e ioga entre as árvores, até rotas de ciclismo e caminhadas em regiões produtoras.

Mais de 25.000 pessoas participaram do evento “Caminhada pelos Campos de Oliveiras” em 163 cidades e vilarejos produtores de azeite em outubro, organizado pela Citta dell’Olio, uma aliança nacional que apoia o esforço turístico.

PUBLICIDADE

Fabiola Pulieri, sommelière de azeite de oliva, que literalmente escreveu o livro sobre o assunto — “Olive Tourism, Opportunities for Producers and Regions” (Agra Editrice) — diz que o turismo do azeite pode ajudar a elevar o perfil dos produtores independentes, assim como a lei do vinho da Itália criou conscientização de marca sobre vinhos italianos.

“Agora existem oportunidades 365 dias por ano, não apenas durante a temporada de colheita e prensagem em outubro e novembro, para aproveitar o turismo e dar um impulso econômico aos produtores”, diz ela.

Experiência replicada

Outros países oferecem oportunidades semelhantes para turistas interessados em azeite de oliva. A Good Life Greece organiza férias de colheita na ilha de Syros, e os olivais ficam a cinco minutos a pé da praia.

PUBLICIDADE

É possível colher azeitonas da Dalmácia de árvores de 1.000 anos em Solta, Croácia, organizado pela Olynthia, uma marca premium de azeite. Os fãs de Dom Quixote podem visitar os olivais de Garcia de la Cruz em La Mancha, Espanha, com passeios de colheita de azeitonas no mesmo dia que incluem uma visita à prensa de azeite do século 17 (e sim, há moinhos de vento “para inclinar-se”).

Produtores que enfrentam dificuldades veem um benefício adicional no aumento do turismo - ou seja, o reconhecimento da quantidade de trabalho necessário para fazer uma pequena garrafa de azeite de oliva. “A coisa mais importante é que [as pessoas] vejam que você não apenas abre a torneira e o óleo sai”, diz Macchia.

“Após passar por isso, você pensa consigo mesmo: ‘Bom azeite deve ser caro por todo o trabalho que dá para produzir’”, diz David Sheridan, juiz sênior do Tribunal Superior de Hartford, que fez a viagem para I Moricci com sua esposa e filha.

PUBLICIDADE

Macchia, que abandonou sua carreira como ourives há 25 anos para se dedicar à agricultura, diz que espera que o impulso turístico desperte o interesse de mais pessoas em azeites de alta qualidade como o dela.

“De 100 pessoas, provavelmente há quatro interessadas em azeite de oliva”, diz ela. “Mas para mim, isso é o suficiente, e são nessas pessoas que eu quero focar.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Onda de calor ameaça próximas safras de soja e milho no Brasil

Marfrig: rebanho de gado deve continuar a encolher nos EUA até 2025, diz executivo

Açúcar sobe com chuvas que impedem colheita e embarques no Brasil