Clima adverso e guerra pressionam oferta de trigo, que pode pesar sobre inflação

Situação revive o temor do aumento dos custos dos alimentos em um momento de expectativa de cortes de juros pelos bancos centrais no mundo

Futuros de trigo se recuperaram, atingindo o maior nível desde agosto; fundos estão reduzindo posições baixistas na commodity
Por Celia Bergin - Keira Wright - Nayla Razzouk
09 de Maio, 2024 | 12:28 PM

Bloomberg — O clima adverso e a guerra ameaçam manter a oferta mundial de trigo sob pressão e reviver o temor do aumento dos preços dos alimentos.

De campos encharcados na Europa Ocidental a solos secos na Austrália e a invasão da Ucrânia pela Rússia – que está prejudicando o fornecimento ucraniano –, os agricultores enfrentam contratempos.

Isso significa que os estoques globais ficarão no menor nível em quase uma década, de acordo com analistas consultados pela Bloomberg News.

Leia mais: Milho e farelo de soja atingem picos do ano com enchentes no Rio Grande do Sul

PUBLICIDADE

Colheitas recordes no Mar Negro mantiveram os preços sob controle por muito tempo e o trigo está sendo negociado pela metade do recorde estabelecido em 2022, mas as preocupações com o fornecimento estão voltando a crescer.

Os futuros se recuperaram atingindo o maior nível desde agosto e os fundos estão reduzindo posições baixistas que eles mantêm há quase dois anos.

Isso é um sinal preocupante para os consumidores que finalmente encontraram alívio nos preços dos alimentos.

Qualquer rali prolongado poderia aumentar os custos do pão e da massa e reacender a pressão inflacionária sobre os bancos centrais – com os preços de outras safras importantes como a do cacau e do café também aumentando este ano.

"A demanda aumentou, os estoques permanecem apertados mundialmente e os problemas da nova safra estão se intensificando", disse James Bolesworth, diretor-gerente da CRM AgriCommodities.

Com a aproximação das colheitas no hemisfério norte, as próximas semanas continuam sendo críticas para o desenvolvimento das safras, então ainda há tempo para as coisas melhorarem – ou piorarem.

Seca no Mar Negro

A Rússia, um dos principais exportadores, corre o risco de perder umidade, com semanas de calor e pouca chuva no sul do país levando os analistas a cortarem as estimativas de colheita.

PUBLICIDADE

Metade do trigo de inverno da Rússia ficará muito seco nas próximas duas semanas, disse o Commodity Weather Group na quarta-feira (8).

A Rússia ainda deverá ter uma grande colheita, mas sua predominância significa que qualquer abalo nos preços locais se reflete em outros mercados – e o trigo do país tem estado mais caro ultimamente.

Guerra na Ucrânia

A seca também prejudicou parte da produção de trigo da Ucrânia nas últimas semanas, mas a guerra está alimentando outros problemas. Ataques à infraestrutura agrícola ameaçam as exportações e a força de trabalho foi reduzida, pois os homens estão servindo no exército.

A produção agrícola na próxima temporada pode cair 6% em relação ao ano anterior, com os agricultores esperados para redirecionar as áreas de cultivo de grãos para culturas mais lucrativas.

Chuvas na Europa

Uma primavera encharcada prejudicou o desenvolvimento das culturas no noroeste da Europa. A qualidade das culturas de inverno – que determina se os suprimentos serão destinados à alimentação humana ou animal – também pode sofrer.

Na França, a parcela de trigo e cevada em ótimas condições está muito abaixo do nível do ano passado. A chuva também tem atrasado o plantio de primavera no Reino Unido, na Alemanha e na França.

Leia também: Prejuízos com enchentes no Rio Grande do Sul afetam do campo ao setor financeiro

"Obviamente estamos preocupados com a questão das áreas não plantadas devido às condições climáticas", disse Benoit Pietrement, presidente do conselho de grãos do escritório de cultivos FranceAgriMer, no mês passado.

Seca na Austrália

Um verão seco e quente em partes da Austrália deixou o solo seco justo no momento de plantio. Embora chuvas recentes tenham oferecido um pouco de alívio em algumas áreas da Austrália Ocidental, os produtores permanecem cautelosos.

As culturas correm o risco de “secar” se a chuva parar após a germinação, disse Dennis Voznesenski, diretor associado de economia sustentável e agrícola do Commonwealth Bank of Australia, nesta semana. A alta do trigo tanto localmente quanto globalmente tem sido mais rápida do que o esperado, afirmou.

Seca nos Estados Unidos

A seca tem afetado uma parcela maior dos campos de trigo de inverno dos EUA desde o início de abril e ainda é uma preocupação para o plantio de primavera, mesmo com as previsões recentes indicando chuvas.

Ainda assim, mais trigo de inverno dos EUA tem apresentado condições melhores do que o normal para esta época do ano e o plantio de primavera permanece à frente do ritmo médio de cinco anos.

Preços alcançam maior patamar desde agosto, com fundos reduzindo apostas na quedadfd

As preocupações com as culturas estão se refletindo nos preços, com os gestores de fundos agora sendo os menos pessimistas desde julho. Mas as coisas podem mudar antes do início das primeiras colheitas do hemisfério norte em cerca de quatro semanas.

“Há ainda muito clima a considerar, a colheita continua longe de ser concluída e, se as chuvas aparecerem, terão um peso”, disse Matt Ammermann, gerente de risco de commodities na StoneX. “Agora, a estratégia é esperar para ver o que acontece.”

-- Com a colaboração de Tarso Veloso