Verde: mercado exigirá resultados concretos do governo, e não apenas promessas

Em carta a cotistas, gestora de Luis Stuhlberger diz que o governo precisa reconhecer que o aumento dos gastos foi descontrolado; fundo bateu o CDI em junho, com ganhos de 1,66%

Luis Stuhlberger, da Verde Asset
09 de Julho, 2024 | 01:53 PM

Bloomberg Línea — Após o ruído político que resultou na forte deterioração dos ativos domésticos em junho, o mercado financeiro terá que ver resultados concretos e não apenas promessas do governo brasileiro em relação ao cumprimento do arcabouço fiscal. A afirmação é da Verde Asset, gestora de Luis Stuhlberger.

Em carta aos cotistas, a asset destaca que os gastos do governo estão crescendo a uma taxa real de 12,9% ao ano (ante um crescimento real de até 2,5% previsto no arcabouço), e que o déficit primário “abaixo da linha” está em R$ 295 bilhões nos últimos doze meses, para uma meta de déficit de R$ 28,8 bilhões no ano.

“Enquanto o governo não reconhecer a realidade de que o crescimento do gasto foi descontrolado nestes primeiros dezoito meses de mandato, a situação continuará volátil e difícil”, escreve a gestora.

Leia também: Santander Brasil contrata ex-PicPay Marco Caruso para área econômica

PUBLICIDADE

As preocupações com o aumento das despesas do governo, após o presidente Luiz Inácio Lula da Silva questionar o ajuste fiscal, levaram o dólar a alcançar a máxima de R$ 5,70 em junho. As taxas de juros de médio prazo tiveram forte alta, caso do papel com vencimento em janeiro de 2027, que subiu 0,79 ponto percentual no mês, para 11,93% ao ano.

Apesar de o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ter anunciado no início de julho que o presidente Lula autorizou o corte de R$ 25,9 bilhões nas despesas obrigatórias, aliviando parte do estresse do mercado, mais medidas concretas terão que ser vistas, diz a Verde.

“O custo de dilapidar credibilidade a golpes de retórica vai ser cobrado agora: o mercado precisará ver resultados concretos nos números, e não apenas comprará promessas.”

Na cena externa, a Verde destaca a eleição nos Estados Unidos como fator dominante na precificação dos ativos e diz buscar posicionar o portfólio para se beneficiar disso. O fundo ampliou sua alocação de forma passiva em ações globais para 6%.

O multimercado também possui uma alocação de 7,5% na bolsa brasileira e comprada (aposta na alta) em juro real nos Estados Unidos e em inflação implícita no Brasil. Já em moedas, tem posição comprada em dólar contra o real.

Desempenho

O fundo Verde FIC FIM encerrou junho com ganhos de 1,66%, acima da variação de 0,79% do CDI. No acumulado de 2024, o multimercado avança 2,40%, ante variação de 5,22% do principal benchmark de renda fixa.

No mês passado, o fundo carro-chefe da casa teve ganhos na posição comprada em dólar contra o real, nos livros de trading, bem como nas posições de juro global e em ações no Brasil. As perdas, por sua vez, vieram da posição no peso mexicano – já zerada – e no franco suíço.

PUBLICIDADE

Leia também

Multimercados têm resgate de R$ 81 bi até junho e veem consolidação acelerar

Só um choque pode derrubar ações de tech, diz estrategista da JPMorgan Asset

Mariana d'Ávila

Editora assistente na Bloomberg Línea. Jornalista brasileira formada pela Faculdade Cásper Líbero, especializada em investimentos e finanças pessoais e com passagem pela redação do InfoMoney.