Zuckerberg vende ações da Meta pela 1ª vez desde 2021 após alta de 172% neste ano

CEO e cofundador da empresa dona do Facebook colocou à venda 682.000 ações, o equivalente a US$ 185 milhões

Mark Zuckerberg, CEO e cofundador da Meta
Por Ben Stupples
04 de Dezembro, 2023 | 11:55 AM

Bloomberg — Mark Zuckerberg vendeu ações da Meta Platforms (META) pela primeira vez em dois anos, depois que as ações da gigante das redes sociais se recuperaram rapidamente este ano depois de uma turbulência em 2022.

O fundo fiduciário do cofundador da Meta, bem como entidades relacionadas à suas doações de caridade e políticas, colocaram à venda cerca de 682.000 ações, no valor de quase US$ 185 milhões, em novembro, por meio de planos de negociação. A oferta mais recente foi divulgada na quarta-feira, de acordo com dados compilados pela Bloomberg a partir de registros regulatórios.

Essa é a primeira vez que as entidades que administram a fortuna de Zuckerberg vendem ações desde novembro de 2021. A Meta é a empresa dona do Facebook, do Instagram e do WhatsApp.

As ações da Meta tiveram alta de 172% este ano até o final de novembro, superando todas as principais empresas de tecnologia dos EUA, exceto a Nvidia (NVDA). O avanço ajudou a maximizar os ganhos para as atividades de Zuckerberg fora da Meta, que incluem capital de risco, pesquisa científica e investimentos de impacto.

PUBLICIDADE

Zuckerberg vendeu blocos de ações da Meta ao longo da última década, mas não vendeu uma única ação em 2022, quando resultados trimestrais catastróficos levaram a uma das maiores quedas de ações em um único dia e ao pior desempenho anual da Meta desde sua oferta pública inicial (IPO, em inglês) em 2012.

As ações da Meta se aproximam agora das máximas históricas estabelecidas em 2021, quando Zuckerberg e sua fundação de caridade, a Chan Zuckerberg Initiative, venderam mais de US$ 1 bilhão em ações da empresa sediada em Menlo Park, Califórnia.

O bilionário de 39 anos ainda detém cerca de 13% da Meta, representando quase toda a sua fortuna de US$ 117,7 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

PUBLICIDADE

Recuperação das ações da Meta

Zuckerberg e sua esposa, Priscilla Chan, de 38 anos, fizeram um compromisso de destinar 99% de sua riqueza para causas filantrópicas durante suas vidas, como a promoção da igualdade e a cura de doenças. Mais da metade das recentes vendas de ações da Meta vieram de ações controladas pela fundação com o mesmo nome deles.

A menor parte da venda - cerca de US$ 19 milhões - foi destinada ao braço de relações públicas da Chan Zuckerberg Initiative. A organização financiou esforços para mobilizar eleitores, bem como para avançar na reforma da imigração.

No início deste ano, a Chan Zuckerberg Initiative destinou US$ 250 milhões para estabelecer um centro de pesquisa biomédica em Chicago. Anteriormente, apoiou esforços para enfrentar a escassez de moradias na área da Baía de São Francisco e fez investimentos em estágio inicial para treinar desenvolvedores de software na África.

Fundada em 2015, a fundação sediada em Palo Alto, Califórnia, possui ativos líquidos de cerca de US$ 6,3 bilhões e é liderada por Zuckerberg e Chan, de acordo com os últimos registros. As ações da Meta subiram mais de 200% desde que eles se comprometeram oito anos atrás a doar a maior parte de sua fortuna.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Com imóveis de US$ 150 mi, novo condomínio de luxo pode se tornar o mais caro de Miami

PUBLICIDADE

Heineken vê maior consumo de cerveja no Brasil e expande a produção, diz CEO

Como a descoberta de um estudante abalou o mercado de títulos nos EUA