Nos EUA, a revolução dos elétricos chega aos cortadores de grama

A Califórnia quer proibir a venda de cortadores de grama e equipamentos de jardinagem a gasolina, buscando reduzir emissões e promover tecnologias mais limpas

California To Ban Gas-Powered Lawn Tools
Por Simone Foxman
25 de Novembro, 2023 | 12:27 PM

Bloomberg — É uma irritação persistente que arruina os fins de semana tranquilos nos subúrbios dos EUA: o rugido do cortador de grama do vizinho, o zumbido do aparador, o uivo do soprador de folhas.

Se a Califórnia tiver sucesso, o barulho em breve estará a caminho do fim. O estado, que há muito é líder em políticas ambientais, pode ser o primeiro a proibir a venda de novos cortadores de grama a gasolina e outras ferramentas de paisagismo a partir do ano que vem.

A regra não é apenas uma medida de controle de ruído - ela visa principalmente reduzir as emissões de pequenos motores que são mais poluentes do que todos os carros do estado juntos.

LEIA +
Whirlpool aposta em produtos para apartamentos menores e vê retomada da demanda

A proibição também estabelece um novo teste para a disposição dos americanos em adotar tecnologias mais limpas em suas vidas diárias, à medida que enfrentam restrições crescentes desde eletrodomésticos a carros convencionais, enquanto as empresas apostam tudo na eletrificação.

PUBLICIDADE

A questão gerou um debate que ecoa a controvérsia sobre limites para fogões a gás, que enfrentaram oposição de alguns republicanos, empresas de gás e outros que afirmam que as restrições reduzem a escolha do consumidor.

“Para fogões a gás e equipamentos de jardinagem a gasolina, estamos cada vez mais cientes de seu impacto na saúde pública”, disse Tony Dutzik, analista sênior de políticas no grupo de reflexão ambiental Frontier Group. “Se você é um formulador de políticas em outro lugar do país, com certeza estará analisando quão eficaz é a Califórnia.”

Mudança de hábitos

De fato, a proibição na Califórnia pode começar a transformar a paisagem suburbana dos EUA, onde os gramados há muito tempo são um símbolo de status e orgulho.

PUBLICIDADE

Retrocedendo o suficiente no tempo, é justo dizer que os equipamentos de jardinagem a gasolina ajudaram a moldar o sonho americano pós-guerra, à medida que os veteranos retornados compravam casas com gramados que precisavam ser aparados.

“As pessoas não escolheram ter um gramado nos anos 50, escolheram ter uma casa. E quando você comprava uma casa naquela época, tinha que ter um gramado”, disse Paul Robbins, reitor do Nelson Institute for Environmental Studies da Universidade de Wisconsin-Madison e autor de “Lawn People”.

Mas o sonho teve um custo. De acordo com a California Air Resources Board, uma agência estadual que regula a qualidade do ar, um cortador de grama típico a gasolina emite tanta poluição em uma hora quanto dirigir um carro por 300 milhas, mais do que a distância de Los Angeles a Las Vegas.

Os sopradores de folhas a gasolina são ainda piores, produzindo não apenas poluição, mas também níveis de ruído que podem danificar a audição e perturbar a vida selvagem.

As ferramentas exigem manutenção e abastecimento regulares, o que pode ser caro e inconveniente. A tecnologia elétrica muitas vezes é mais silenciosa e mais limpa.

LEIA +
Desaceleração econômica pode ser obstáculo para redução de carbono

Outras iniciativas

De fato, muitos proprietários e empresas já fizeram a transição, seja voluntariamente ou em resposta a regulamentações locais. Dezenas de cidades por todo o país, de Naples, na Flórida, à capital Washington D.C., proibiram ou restringiram o uso de sopradores de folhas a gasolina e outras ferramentas, citando preocupações com o ruído e a qualidade do ar.

Hyattsville, Maryland, está entre os governos locais que oferecem incentivos para a troca de ferramentas antigas a gasolina, enquanto grandes varejistas como Home Depot e Lowe’s relatam vendas mais altas de equipamentos elétricos em alguns mercados.

PUBLICIDADE

Os fabricantes de equipamentos de jardinagem dizem que as proibições refletem uma realidade que eles reconhecem há muito tempo: a energia da bateria é o futuro.

A Stanley Black & Decker não eliminou os equipamentos de jardinagem a gasolina de sua linha, mas sua prioridade são dispositivos eletrificados.

“Tudo o que estamos direcionando para P&D, tudo o que estamos direcionando para publicidade, é tudo para eletrificação”, disse Christine Potter, presidente da unidade externa da empresa.

Cortadores-robôs

A Husqvarna, um fabricante sueco, espera que a eletrificação aumente a conscientização sobre seus cortadores de grama robóticos, que funcionam como robôs-aspiradores para gramados - embora não sejam baratos, variando de US$ 700 a US$ 32.000.

PUBLICIDADE

Ela enfrenta a concorrência da Honda, que apresentou um novo protótipo de um cortador autônomo alimentado por bateria para jardineiros, que aprende rotas com um operador humano para repetir posteriormente.

Não todos aderiram à revolução, especialmente devido ao custo. Potter diz que um cortador elétrico portátil pode custar até 25% a mais do que um a gasolina, e um cortador de empurrar até 50% a mais. E alguns usuários preferem o desempenho e a durabilidade das ferramentas a gasolina, especialmente para trabalhos grandes ou difíceis.

LEIA +
Como esta gigante europeia decidiu encarar as chinesas na briga dos carros elétricos

Outros se preocupam com a vida útil da bateria e as limitações de carregamento dos modelos elétricos, juntamente com o custo inicial.

“Concordamos totalmente com uma transição responsável, mas nos opomos a prazos arbitrários para proibir os equipamentos”, disse Andrew Bray, da National Association of Landscape Professionals.

PUBLICIDADE

A regra da Califórnia se aplica apenas às vendas a partir de 2024 - ela não proíbe o uso de ferramentas de jardinagem a gasolina existentes, e as lojas podem vender seus estoques.

Também fornece US$ 30 milhões em financiamento para descontos e outros programas para ajudar os paisagistas a substituir seus equipamentos por versões de zero emissões.

PUBLICIDADE

Marc Berman, um legislador democrata que representa partes do Vale do Silício e que escreveu a lei, espera que a medida leve a políticas mais agressivas para eliminar aparelhos a gás, como aquecedores de água e bombas.

“Os resultados serão uma redução dramática nos poluentes formadores de smog e nas emissões de gases de efeito estufa”, disse Berman. “Algumas das eletrificações em casa que estamos tentando incentivar as pessoas a aproveitarem, acredito que muitas dessas mesmas lições poderiam ser aplicadas.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também:

Além dos dados: como o Fed tem buscado histórias da vida real para avaliar a economia