Foto de Miami do ponto de vista de uma torre em construção
Tempo de leitura: 8 minutos

Bloomberg Opinion — Na última década, os políticos e autoridades de desenvolvimento do sul da Flórida alimentaram sonhos – que por muito tempo pareceram ilusões – de que a região se reinventaria como uma espécie de “Wall Street do Sul”. Desde que a pandemia alterou os padrões de migração no início de 2020, uma série de grandes empreendimentos deu novo fôlego a essa história:

  • O bilionário Ken Griffin transferiu seus negócios de hedge fund e de formação de mercado, Citadel e Citadel Securities, de Chicago para Miami.
  • A Elliott Management, de Paul Singer, transferiu sua sede para West Palm Beach.
  • E a Blackstone (BX), Thoma Bravo, Founders Fund, Point72 e o Goldman Sachs Group (GS), entre outras, estabeleceram novas sedes no corredor entre Miami e West Palm Beach.

Esses movimentos estão criando uma base legítima para o cenário financeiro e de investimentos, e Griffin se transformou em um dos mais entusiasmados da região. “Veremos o tamanho que a Wall Street do Sul terá”, disse ele em uma entrevista com Sonali Basak, da Bloomberg, na Citadel Securities Global Macro Conference, em Miami. “Estamos em Brickell Bay, e talvez em 50 anos chamaremos o setor financeiro de Nova York de ‘Brickell Bay do Norte’”.

Como Griffin deve reconhecer, a área ainda tem um longo caminho a percorrer para se tornar um dos principais centros financeiros. Todo o estado da Flórida tem apenas cerca de 2% dos ativos regulatórios do país sob gestão (apesar de ter quase 7% da população do país). Os candidatos a migrantes temem que Wall Street do Sul seja apenas uma moda passageira e não têm certeza do que uma mudança significaria a longo prazo para suas famílias e perspectivas de carreira.

Se Miami quer mesmo manter seu impulso nas finanças globais, eis o que as autoridades devem fazer.

PUBLICIDADE

1. Resolver a crise do trânsito

A região de Miami adora seus carros, e o transporte público nunca foi uma boa alternativa. Cerca de quatro décadas depois de ter sido inaugurado, o sistema de trens dentro do condado de Miami-Dade, o Metrorail, tem cobertura limitada e é usado por apenas uma fração dos trabalhadores da cidade. Embora parte disso seja apenas um reflexo da “cultura automobilística” da Flórida, também é uma consequência natural de um sistema que não é grande ou interconectado o suficiente para funcionar para a maioria das pessoas, o que faz com que Miami tenha um problema de trânsito horrível.

De acordo com dados da Inrix, os motoristas da Grande Miami perdem, em média, 105 horas por ano no trânsito (pior do que Los Angeles, mas não tão ruim quanto em Nova York) a um custo econômico de cerca de US$ 4,5 bilhões. É irrealista, impraticável e arriscado exigir uma expansão ferroviária maciça nesse momento, então o que pode ser feito?

Gráficodfd

Os defensores do Metrorail estão aparentemente se aproximando da realização de uma extensão para o nordeste, iniciando a construção já em 2025, e um novo sistema de trânsito rápido de ônibus está programado para acelerar o acesso ao sul do condado de Miami-Dade. Para distâncias mais longas e passageiros menos sensíveis ao preço, o trem Brightline, administrado pela iniciativa privada, vem acrescentando paradas entre Miami e Orlando. Esses projetos são um começo sólido, mas as autoridades devem continuar a garantir o financiamento de novas rotas e combiná-las com incentivos para andar a pé e de bicicleta pela cidade (a nova trilha urbana Underline pode ajudar).

PUBLICIDADE

Miami também deve considerar maneiras de tirar proveito de suas hidrovias, disse-me Richard Florida, professor da Universidade de Toronto e cofundador do que hoje é o Bloomberg CityLab. Será que as balsas ou os táxis aquáticos aliviariam o tráfego? Ele também sugeriu pensar mais sobre a viabilidade de taxas de congestionamento para controlar o número de carros nas ruas. Ao mesmo tempo, os planejadores urbanos devem incentivar a construção de bairros onde as pessoas possam morar, trabalhar e fazer compras sem precisar dirigir. “Parte da solução é o trânsito, mas acho que parte da solução é desenvolver bairros de uso misto mais fortes”, disse Florida.

Nem todas essas propostas terão um impacto direto sobre os migrantes de Wall Street do Sul. Não é provável que muitos funcionários da Citadel optem por usar o novo sistema de ônibus, por exemplo. Porém, com muitos residentes da classe trabalhadora com preços fora do núcleo urbano, os líderes regionais têm a responsabilidade moral e prática de ajudá-los a ir de enclaves distantes da classe trabalhadora para seus empregos no centro da cidade de forma rápida e econômica. Se isso reduzir o tráfego na margem, todos serão beneficiados.

2. Investir em adaptação climática

Os governos locais do sul da Flórida precisam avançar agressivamente com os planos de adaptação climática. As autoridades fizeram as aberturas corretas – incluindo a utilização do mercado de títulos para projetos climáticos – mas devem certificar-se de que estão investindo a longo prazo, e não apenas fazendo correções de curto prazo relacionadas aos problemas de inundações incômodas e aos riscos de furacões que já estão aqui.

Os governos devem dar continuidade ao grande projeto de elevar a infraestrutura principal e atualizar os códigos para que todas as novas residências e empresas sejam efetivamente bunkers contra enchentes e ventos. Se isso não for feito, as instituições financeiras poderão deixar de construir seus escritórios e atrair funcionários para o sul da Flórida.

PUBLICIDADE

Esses investimentos não são apenas necessários para a sobrevivência da região a longo prazo; eles estão pagando dividendos aos proprietários de imóveis agora. Um novo estudo realizado pelos pesquisadores da Universidade de Miami, Renato Molina e David L. Kelly, constatou que as casas e condomínios situados a menos de 200 metros de novos projetos de infraestrutura climática tiveram um aumento de preço relacionado.

Soluções de curto prazo, como bombas para lidar com as inundações existentes, são importantes, mas também o é uma visão estratégica de longo prazo, de acordo com Alec Bogdanoff, cofundador da Brizaga, que presta consultoria a clientes corporativos e municipais sobre mudanças climáticas.

“Se você vai a um pronto-socorro e está sangrando muito, eles não dizem: ‘Ei, precisamos controlar a pressão alta ou o colesterol’”, disse Bogdanoff recentemente. “Precisamos resolver o problema mais imediato, que, para a maioria de nossas comunidades, é a inundação que está ocorrendo agora. Mas isso não nos impede de ter um plano de longo prazo para o futuro”.

PUBLICIDADE

3. Melhorar a educação

Para muitas elites do nordeste, as escolas do sul da Flórida simplesmente não são boas o suficiente para seus filhos que vão para as universidades de elite – e, para muitos deles, esse é o maior problema de todos. Sem dúvida, algumas das críticas não são totalmente justas, mas há claramente grãos de verdade por trás delas, e as autoridades e os líderes escolares devem demonstrar um progresso contínuo na educação para acabar com o estereótipo.

Para um distrito do tamanho das Escolas Públicas do Condado de Miami-Dade, ele realmente obtém notas decentes em muitas áreas, mas continua a ter uma proporção aluno-professor (cerca de 19 para 1, de acordo com o National Center for Education Statistics) que é pior do que as médias estaduais e nacionais.

Na realidade, os titãs de Wall Street podem estar mais preocupados com a disponibilidade de vagas em escolas particulares de elite. A área metropolitana de Miami tem algumas escolas particulares muito boas, mas não tem muitas excelentes – os tipos de lugares que você associa a um ingresso quase automático para as faculdades e universidades de elite. Das 16 escolas da lista proprietária da Webster Pacific das melhores escolas particulares da Grande Miami, apenas 13% (ou seja, apenas a Ransom Everglades e a Pine Crest) tiveram pontuações médias no SAT de 1.400 ou mais; essa última pode estar a mais de uma hora do centro de Miami ou de Miami Beach, com trânsito. Em comparação, a Webster Pacific descobriu, usando dados da Niche, que a área da cidade de Nova York tinha 20 escolas desse tipo (42% da amostra da área), muitas delas em Manhattan.

Mapadfd

Reconhecendo a demanda, muitas das melhores escolas têm procurado acrescentar algumas vagas por série, mas a expansão sem degradar a reputação e a qualidade do ensino é complicada. O aumento dos preços dos imóveis e o custo do seguro – um resultado direto dos desafios climáticos de Miami, a propósito – dificultaram a atração de novos educadores. Muitos simplesmente não podem se dar ao luxo de morar no condado de Miami-Dade e não aceitam a ideia de lidar com os problemas de transporte da região. Em outras palavras, quer se trate de escolas públicas ou privadas, a melhor maneira de atender à extrema necessidade de mais professores pode ser abordar alguns dos outros problemas subjacentes da área metropolitana, ou seja, melhorar as opções de transporte e reduzir os custos de seguro enfrentando as ameaças climáticas.

Mapadfd

É possível?

Às vezes, sou um pouco cético em relação à “Wall Street do Sul”. Durante anos, observei os mesmos comunicados à imprensa – “fundo de hedge de US$ 100 milhões transferiu três pessoas para Miami” – reciclados várias vezes. Parecia que as legiões de profissionais de marketing de Miami estavam tentando fazer com que a história se tornasse realidade, promovendo uma narrativa que não era totalmente verdadeira. Mas até eu tenho que admitir que a história se tornou mais real nos últimos três anos.

Empresas como a Citadel e a Elliott são influentes o suficiente para atrair outras empresas como elas. As autoridades governamentais estão diante de uma oportunidade única de diversificar sua economia, deixando de lado o trabalho volátil e mal remunerado no setor de hospitalidade. Mas o movimento ainda é muito jovem para ser realmente autossustentável, e as autoridades precisam ajudá-lo mostrando que Miami é um lugar sério e comprometido com melhores escolas, melhorando a experiência de transporte e, é claro, garantindo sua viabilidade a longo prazo diante das mudanças climáticas.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Jonathan Levin é um colunista e escreve sobre mercados e economia dos EUA. Anteriormente, trabalhou como jornalista da Bloomberg nos EUA, no Brasil e no México. É analista financeiro com certificação CFA.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Ele foi um dos pioneiros do Pix. Agora monta um time para fazer o mesmo nos EUA