Maior aterro de lixo do mundo é transformado em um parque em Nova York

O local recebia até 29 mil toneladas de lixo por dia; no último final de semana, o primeiro trecho que permite acesso público ao interior do terreno foi inaugurado

Antigo aterro em Nova York
Por Leslie Kaufman
21 de Outubro, 2023 | 03:40 PM

Bloomberg — Freshkills, em Staten Island, já foi o maior lixão do mundo. Em 2001, a cidade de Nova York o fechou e iniciou um processo para transformá-lo em um parque.

Um campo de futebol foi inaugurado em 2013 e uma ciclovia em 2015. O Parque Norte, primeiro trecho que permite acesso público ao interior do antigo aterro, foi inaugurado no último final de semana.

O problema

Quando o diretor de parques de Nova York, Robert Moses, selecionou Freshkills como aterro sanitário após a Segunda Guerra Mundial, o terreno era um pântano. O plano era construir moradias em cima dele depois de três anos.

Mas Nova York estava crescendo rapidamente e todo lixo novo precisava ir para algum lugar. O local aceitava até 29 mil toneladas de lixo diariamente, o que consumia mais área cultivada e criava um forte odor. Depois de muitas ações judiciais, a cidade iniciou sua transformação.

PUBLICIDADE

As apostas

Existem mais de 2.600 aterros municipais de resíduos sólidos nos Estados Unidos. A lei federal exige manutenção mesmo depois de fechados, para que não poluam. Se o metano liberado pelos lixões não for filtrado, o gás sobe para a atmosfera: trata-se de um gás com efeito estufa particularmente potente.

Por que é complicado

O lixo se compacta, criando condições de superfície mutáveis. Em North Park, o lixo foi acumulado em quatro colinas dispostas em torno de um riacho aberto para a prática de caiaque. Existem cerca de seis camadas de solo, areia e revestimento de plástico sobre o lixo para evitar fugas tóxicas, incluindo uma camada de ventilação, que transporta qualquer gás que escape do aterro – uma combinação de dióxido de carbono e metano – para os canos.

The final barge full of New York City trash arrives in Staten Island in March of 2001.  Photographer: Matt Campbell/AFP/Getty Imagesdfd

“O maior desafio colocado pelo desenvolvimento do nosso parque sobre um antigo aterro é gerir as expectativas entre o que nós, como comunidade, queremos”, diz Mark Murphy, o administrador do Freshkills Park, “e para que a terra pode ser realisticamente usada”.

PUBLICIDADE

Por que há esperança

Mais de 500 antigos lixões dos Estados Unidos foram transformados em projetos que transformam gás de aterro em combustível. Muito abaixo do terreno de Freshkills, um sistema de coleta de gás aspira o gás do aterro e o envia para uma estação de purificação, onde é submetido à remoção do metano.

A cidade vende 1,5 milhão de pés cúbicos desse biogás tratado para a concessionária local, que o distribui para residências em Staten Island para cozinhar e aquecer. (A média de uso anual das famílias americanas é de 70.000 pés cúbicos de gás natural.)

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Magnata dobra aposta em Vaca Muerta, enquanto renováveis patinam na Argentina

Caminhões com motor elétrico? Para a Scania, há outras alternativas melhores