UBS pede que mercado imobiliário faça revolução com retrofit verde

Para Michael Baldinger, diretor de sustentabilidade do banco, reforma de edifícios antigos pode economizar até 75% em emissões que seriam emitidas em construções novas

Mercado imobiliário de Nova York
Por Alastair Marsh
15 de Outubro, 2023 | 11:40 AM

Bloomberg — Investidores imobiliários terão que alocar consideravelmente mais recursos para adaptar edifícios antigos às recomendações “verdes” em vez de construir novas estruturas, para acompanhar as regulamentações de emissões zero de carbono e evitar ficarem presos a ativos. Essas são as conclusões divulgadas em relatório recente do UBS Group, com o Instituto de Sustentabilidade e Impacto do banco suíço pedindo nada menos que uma “revolução no retrofit”.

“Retrofit” é um termo que vem do inglês e refere-se ao processo de modernização ou atualização de sistemas, equipamentos ou infraestruturas antigas. No contexto do setor imobiliário, retrofit envolve a renovação e modernização de edifícios antigos, mantendo sua estrutura externa, mas atualizando suas instalações internas, sistemas e equipamentos para padrões modernos.

“Investidores sempre têm que ponderar riscos versus retornos financeiros caso a caso”, disse Michael Baldinger, diretor de sustentabilidade da UBS, à Bloomberg News. E haverá “casos em que novas construções podem se beneficiar de materiais e tecnologias emergentes para reduzir emissões e otimizar o uso de energia”, disse ele.

LEIA +
Trade de opções em alta está silenciando o famoso indicador de medo de Wall Street

No entanto, o UBS está defendendo “a opção de retrofit como preferencial porque, em muitos casos, pode melhorar os rendimentos de aluguel, agregar valor aos edifícios ao longo do tempo e protegê-los contra a transformação em ativos paralisados”, afirmou Baldinger.

PUBLICIDADE

O retrofit de edifícios antigos pode economizar até 75% do carbono que seria emitido se uma nova estrutura equivalente fosse erguida, estima o UBS.

Os edifícios do mundo foram responsáveis por cerca de 37% das emissões de CO2 relacionadas à energia e ao processo em 2021, segundo o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Por enquanto, apenas 1% desse mercado imobiliário é reformado anualmente, enquanto 99% dos edifícios existentes não estão alinhados com o objetivo de eliminar emissões até 2050, disse o UBS.

Investidores imobiliários enfrentam um mundo em que é cada vez mais provável que regulamentações forcem soluções climáticas. E com mais de 90% da economia global agora coberta por compromissos de emissão líquida zero, “os governos implicitamente inscreveram o setor de construção para a total descarbonização até 2050″, segundo o UBS baseado em Zurique.

PUBLICIDADE

A maioria dos edifícios de hoje ainda estará de pé em 2050, portanto, demolição e reconstrução devem ser consideradas apenas em raríssimos casos em que os benefícios econômicos e sociais superam os custos ambientais, escreveu o UBS em seu relatório.

Ativos paralisados

O termo foi popularizado pelo Programa de Ativos Paralisados da Smith School cerca de uma década atrás e refere-se a ativos que sofreram baixas antecipadas ou prematuras, desvalorizações ou conversões em passivos. O UBS acrescenta que, no contexto imobiliário, isso pode incluir edifícios que não são eficientes em termos de energia, tornando-os impossíveis de alugar ou vender, ou antieconômicos para possuir. Tais propriedades também podem se tornar inseguráveis devido ao aumento dos riscos climáticos físicos, observa o UBS.

Os retrofits podem incluir desde a melhoria da eficiência energética de um edifício, instalação de isolamento, otimização de ventilação, minimização do uso de energia, mudança de fontes de calor para elétrico ou geotérmico, e maximização da geração de energia no local.

Os proprietários de imóveis têm preferido demolição e nova construção porque tem sido vista como um caminho para aluguéis mais altos, de acordo com o UBS. Parte dessa decisão baseou-se na falta de dados confiáveis que refletissem a pegada total de carbono desse modelo.

Um “retrofit profundo” geralmente requer que um investidor comprometa quantias significativas de capital antecipadamente, disse o UBS. Para grandes estruturas, isso também pode resultar em perda de receita durante o período de melhorias.

Mas não adaptar os edifícios existentes ao clima “está se tornando cada vez mais insustentável”, segundo o UBS.

O risco é que novas regulamentações aumentem a probabilidade de ativos ficarem paralisados, “potencialmente sobrecarregando seus proprietários com grandes perdas de capital em relação aos valores contábeis de hoje”, disse o UBS.

PUBLICIDADE

“Edifícios ineficientes provavelmente também afetarão os balanços climáticos dos investidores e podem se mostrar menos atrativos para os inquilinos devido a contas de energia altas e baixas classificações de sustentabilidade”, disse o banco.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Como a China dominou o mercado global de baterias e deixou o mundo para trás