Temperatura do oceano atinge recorde e alimenta eventos climáticos extremos

Energia acumulada de ciclones globais - uma medida do poder coletivo das tempestades - foi quase o dobro do valor normal para junho

Enchente que atingiu áreas do estado de Vermont, perto da Costa Leste dos EUA, em julho, quando choveu em horas o esperado para meses (Foto: Scott Eisen/Getty Images North America)
Por Brian K. Sullivan
05 de Agosto, 2023 | 02:59 PM

Bloomberg — Calor intenso capaz de desligar celulares. Fumaça de incêndios florestais que torna o céu alaranjado apocalíptico. Inundações repentinas que submergem cidades no norte de Nova York e Vermont. Essa sequência de desastres recentes é impulsionada em parte pelos novos padrões do clima. Mas há um aspecto particular do aquecimento global que fornece um combustível potente para tornar os eventos climáticos extremos ainda mais intensos: os oceanos com temperaturas recordes.

As temperaturas globais da superfície do oceano em junho foram as mais altas em 174 anos de dados, com o surgimento do padrão climático El Niño se somando à tendência de longo prazo. Perto de Miami, as águas costeiras do Atlântico estão atingindo 32 graus Celsius (90 graus Fahrenheit), acima dos 29 a 30 graus habituais para está época do ano (verão).

LEIA +
Calor extremo se torna risco crescente à agricultura e pressiona preços

Oceanos quentes estão amplificando catástrofes causadas pelo clima, que causam perdas de vidas e danos econômicos massivos - um custo que poderia chegar a US$1 trilhão por ano nas próximas décadas, de acordo com a cientista marinha Deborah Brosnan. Eles também aceleram as mudanças climáticas.

À medida que as temperaturas da água aumentam, os oceanos perdem sua capacidade de desempenhar uma função vital: absorver o excesso de calor do mundo.

PUBLICIDADE

“As temperaturas oceânicas em aquecimento terão - e já estão tendo - um enorme impacto em terra”, disse Brosnan, fundadora da consultoria de risco ambiental Deborah Brosnan & Associates. “Padrões climáticos estranhos e perigosos serão a norma em lugares onde nunca aconteceram antes e com maior frequência.”

Nas últimas décadas, os oceanos globais absorveram 90% do aquecimento causado pelos gases de efeito estufa. À medida que os oceanos se aquecem, eles desencadeiam um círculo vicioso de temperaturas mais altas em terra, o que, por sua vez, contribui para oceanos mais quentes.

Isso tem desencadeado uma cascata de impactos climáticos, incluindo tempestades mais fortes, aumento do nível do mar e perda de recifes de coral e outras formas de vida marinha. Conforme as temperaturas da água aumentam, os impactos se estendem aos lugares mais remotos da Terra: o gelo marinho da Antártida atingiu sua menor extensão em junho, apesar de o inverno estar em andamento lá, de acordo com os Centros Nacionais de Informações Ambientais dos EUA.

PUBLICIDADE

Mas o impacto dos mares ferventes atingiu mais de perto milhões de pessoas em todo o mundo, muitas vezes com resultados catastróficos.

Furacões e tufões estão entre os exemplos mais evidentes de eventos climáticos extremos impulsionados por mares quentes. As altas temperaturas da água potencializam as tempestades, adicionando umidade à atmosfera - e há sinais de que isso já está acontecendo.

A energia acumulada de ciclones globais - uma medida do poder coletivo das tempestades - foi quase o dobro do valor normal para junho. No início deste ano, o ciclone tropical Freddy estabeleceu um recorde preliminar como o ciclone tropical mais duradouro já registrado. A tempestade se formou perto da Austrália e cruzou o Oceano Índico antes de atingir a África Oriental e matar centenas de pessoas.

Freddy produziu tanta energia quanto todas as tempestades em uma temporada média de furacões do Atlântico Norte. Em abril, ele foi seguido pelo ciclone tropical Ilsa, que chegou à Austrália Ocidental com os ventos mais fortes já registrados na área antes de chegar à terra.

LEIA +
O que vem causando a onda de calor intenso na Europa?

Atualmente, o mundo está sob a influência de um El Niño, um padrão climático natural caracterizado por águas mais quentes que o normal no leste do Pacífico tropical. Isso altera os padrões climáticos ao redor do globo, embora também crie condições de vento que reduzem as tempestades no Atlântico. Mas as altas temperaturas do oceano Atlântico podem mudar isso.

Embora a temporada de furacões no Atlântico Norte normalmente não atinja seu pico até setembro, ela já teve um início ativo com duas tempestades se formando ao mesmo tempo em junho, a primeira vez que isso acontece em mais de cinco décadas. Este ano pode ter mais atividade de tempestades do que o normal.

As altas temperaturas oceânicas são uma das principais razões pelas quais Phil Klotzbach, autor da previsão de furacões da Universidade Estadual do Colorado, aumentou sua previsão para a temporada de furacões no Atlântico deste ano para 18 tempestades nomeadas, ante 14 em junho.

PUBLICIDADE

“Embora seja provável que tenhamos um evento de El Niño moderado a potencialmente forte para o pico da temporada de furacões no Atlântico, o Atlântico extremamente quente é provável que atenue” as condições de vento que podem desmantelar as tempestades, disse ele.

As chuvas das tempestades de verão também foram intensificadas pelos mares quentes, causando destruição longe da costa. Inundações no nordeste dos EUA em julho mataram uma mulher em Nova York, fecharam linhas de trem e devastaram Vermont, causando perdas de até US$ 5 bilhões. A tempestade atípica acessou uma veia profunda de umidade que se estende até o Atlântico.

Oceanos quentes também contribuem para o outro extremo do espectro de eventos climáticos: secas e incêndios florestais. Ventos na atmosfera superior conhecidos como jato são influenciados pelo oceano abaixo, e mares quentes podem fazê-los se curvar de maneiras extremas. Isso resulta em áreas de alta pressão que podem prender o ar quente por semanas - um fenômeno conhecido como domos de calor.

Condições abrasadoras no Texas levaram a demanda de energia a recordes. O calor escaldante também se estendeu à Europa, onde as temperaturas na ilha italiana da Sardenha atingiram 115 graus Fahrenheit (46 graus Celsius) na semana passada, quase alcançando o recorde de temperatura mais alta da Europa.

PUBLICIDADE

O clima escaldante também atinge a Ásia, com temperaturas em Tóquio subindo quase 16 graus Fahrenheit (9 graus Celsius) acima da média sazonal.

Essa mudança no jato manteve as tempestades afastadas do Canadá, levando a uma seca e à pior temporada de incêndios florestais já registrada no país. Uma névoa causada pelas queimadas no Canadá desceu sobre a cidade de Nova York em junho, criando uma qualidade do ar perigosa, e mais tarde se espalhou pelo Atlântico até a Europa.

“Esse padrão esteve presente na maior parte do inverno e da primavera e é responsável pelas tempestades no oeste, condições secas persistentes onde os incêndios estão ocorrendo e os ventos trazendo a fumaça para a costa leste”, disse Jennifer Francis, cientista do clima no Woodwell Climate Research Center em Massachusetts.

As condições extremamente secas estão reduzindo os níveis de água dos rios Mississippi e Ohio nos EUA e dos rios Reno e Danúbio na Europa, aumentando a perspectiva de problemas de transporte em rotas de frete importantes. A seca também está ameaçando o suprimento global de culturas como cana-de-açúcar e arroz.

PUBLICIDADE

À medida que os oceanos se aquecem, eles também perdem a capacidade de absorver CO2 da atmosfera, disse Brosnan. Isso poderia criar um ciclo de oceanos em aquecimento, mais dióxido de carbono na atmosfera e, como resultado, eventos climáticos cada vez mais extremos.

O problema dos oceanos em aquecimento tem apenas uma solução, de acordo com Michael Mann, cientista do clima na Universidade da Pensilvânia: reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

PUBLICIDADE

“O grande fator aqui, em escala global, é o aquecimento contínuo da poluição por carbono”, disse Mann. “É o aquecimento geral e constante dos oceanos que deve ser nossa maior preocupação. Isso continuará até que as emissões de carbono cheguem a zero.”

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Noruega atrai visitação recorde com moeda mais fraca e calor europeu