Não é só no Brasil: Por que os furtos viraram dor de cabeça para o varejo dos EUA

Número de menções às perdas com furtos bateu recorde nas teleconferências com analistas das empresas do setor; só a Target estima prejuízo de meio bilhão de dólares em 2023

A varejista Target disse que o estoque perdido ou furtado prejudicará a lucratividade em US$ 500 milhões este ano
Por Redd Brown
10 de Junho, 2023 | 04:44 PM

Bloomberg — Executivos do setor de varejo dos Estados Unidos têm soado o alarme sobre furtos em lojas, à medida que os roubos de mercadorias ameaça abrir um buraco multibilionário em seus balanços. Enquanto a maioria das empresas promete revidar, elas também expressam medo de que possam ser impotentes para parar o problema.

Como se uma possível recessão e a queda na confiança do consumidor nos Estados Unidos não fossem motivos fortes suficientes para se preocupar, os executivos do varejo viram um aumento na quantidade de estoque desaparecido - ou “reduzido” (shrink), como no jargão do varejo.

O problema foi mais discutido nas teleconferências de resultado do varejo americano no primeiro trimestre de 2023 do que em qualquer outro trimestre registrado, de acordo com dados de transcrição compilados pela Bloomberg. Foram quase 200 menções, o dobro do que no trimestre anterior.

LEIA +
Crise do varejo? Resultado da Zara revela receita para acelerar as vendas

“Um número maior de grandes varejistas chamou a atenção para a redução de estoques e a classificou como um problema real que afeta as vendas e as margens”, disse Greg Melich, analista da Evercore ISI, em entrevista. Estoque “reduzido” (ou shrink stock) também pode se referir a coisas como danos e estoque vencido, mas o roubo é o principal componente.

PUBLICIDADE

As perdas estão começando a atingir níveis assombrosos. A varejista Target (TGT) disse que o estoque perdido ou furtado prejudicará a lucratividade em US$ 500 milhões este ano. Já a Ulta Beauty (ULTA) culpou especificamente o furto quando cortou recentemente sua perspectiva de margem para o ano inteiro.

E não são apenas os custos de estoque que estão em jogo. Se o furto no varejo piorar, isso pode começar a dissuadir os consumidores a frequentar lojas físicas e preferir o consumo online, onde as margens costumam ser mais baixas, disse Melich.

Menções sobre perdas de estoque bateram recorde no primeiro trimestre de 2023dfd

No início deste ano, a National Retail Federation, uma entidade do setor, calculou que o estoque perdido custou aos varejistas quase US$ 94,5 bilhões em 2021, acima dos US$ 90,8 bilhões do ano anterior.

PUBLICIDADE

Ladrões roubam mercadorias para vender online

O crescimento das vendas online e a facilidade com que lojas online permitem que ladrões vendam bens roubados são parcialmente responsáveis pelo aumento do roubo no varejo, disse Melich, pois ajudaram a proliferar uma indústria de ladrões de lojas.

Os varejistas têm adotado várias táticas para dificultar os furtos, desde expor mercadorias atrás de prateleiras com janelas de plástico trancadas até mesmo explorar limitadores de velocidade em carrinhos de compras, mas muitos dizem que são bastante impotentes. O Walmart (WMT), o maior varejista do mundo, disse que, embora esteja “gerenciando ativamente” o problema, acredita que apenas a aplicação da lei pode fornecer uma solução duradoura.

Essa afirmação é difícil de provar, no entanto, como dados conclusivos são difíceis de obter. O crime em geral aumentou nos EUA antes da pandemia, mas os crimes contra a propriedade vinham diminuindo durante esse período, de acordo com dados do Federal Bureau of Investigation (FBI). Alguns estudos sugerem que a pandemia provocou um aumento no crime de rua.

E enquanto a cidade de Nova York, “o epicentro do mercado de varejo” nos EUA, de acordo com o prefeito Eric Adams, registrou um aumento de 45% nas reclamações de roubo no varejo em 2022, os relatos de furtos em lojas caíram na Califórnia – embora isso possa ter sido parcialmente impulsionado por uma nova lei que descriminaliza roubos abaixo de US$ 950 em valor.

O crescimento na cobertura do crime pela mídia também pode estar contribuindo para o aumento de executivos falando sobre os estoques reduzidos. As notícias que mencionam furtos aumentaram constantemente desde o início da pandemia, atingindo um pico em maio, de acordo com uma pesquisa da Bloomberg em cerca de 150.000 fontes online.

Seja qual for a causa, resta saber quanto controle os varejistas têm. O diretor financeiro da TJX, John Klinger, disse que está “focado” no combate ao roubo, mas não espera nenhuma melhora nas perdas deste ano.

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Mudar de Nova York para Miami pode levar à economia de até US$ 200 mil por ano

Foco na Ásia, lojas que vendem US$ 100 mi e retrofit: os planos da Apple no varejo