Eduardo Saverin busca captar US$ 500 mi para novo fundo em ‘early stage’

Brasileiro que foi co-fundador do Facebook expande os negócios de sua nova empreitada, a B Capital Group, que investe em startups e já tinha US$ 6,3 bi em ativos

Eduardo Saverin, co-fundador do Facebook e, mais recentemente, da B Capital, empresa de investimento em startups (Foto: Wei Leng Tay/Bloomberg)
Por Katie Roof
05 de Junho, 2023 | 08:02 PM

Bloomberg — O B Capital Group, de Eduardo Saverin, está em negociações para levantar US$ 500 milhões para um novo fundo de risco em startups em estágio inicial (early stage).

O novo fundo seria o terceiro Ascent Fund da empresa de investimentos, segundo pessoas familiarizadas com o assunto, que pediram para não serem identificadas porque os detalhes não são públicos.

O novo fundo se concentrará em investir em startups nos estágios iniciais - Seed e rodadas Series A.

A B Capital investirá em várias categorias, incluindo software empresarial, saúde, tecnologia financeira e tecnologia climática. Ele praticamente dobraria seu fundo anterior de US$ 254 milhões a partir de 2021.

PUBLICIDADE

Essa captação de recursos é separada dos US$ 2,1 bilhões anunciados em janeiro para um fundo voltado para empresas em crescimento e para outros relacionados.

Um porta-voz da B Capital se recusou a comentar.

A empresa foi criada pelo co-fundador do Facebook, bem como Raj Ganguly. Ela investiu na startup indiana de educação online Byju’s, na empresa de aprendizado de máquina DataRobot, na exchange de criptomoedas FalconX e na empresa de software de análise de clientes Pendo.

PUBLICIDADE

Em janeiro, a B Capital, que também é liderada por Howard Morgan e Sheila Patel, tinha US$ 6,3 bilhões em ativos sob gestão após levantar seu Growth Fund III e fundos associados.

Seus Limited Partners (investidores como family offices) incluem o Fundo de Aposentadoria do Estado de Nova York e o Conselho de Aposentadoria Educacional do Novo México.

A B Capital também possui parceria com o Boston Consulting Group, que inclui a oferta de assessoria em eventos de liquidez, como uma venda. A Stellantis (STLA) concordou em novembro passado em comprar a empresa aiMotive, que faz parte do portfólio, para seu software automotivo.

Saverin disse em janeiro que a correção dos ativos de tecnologia poderia tornar este um bom momento para investir. “A história tem mostrado que os tempos voláteis oferecem um terreno fértil para novas ideias e inovações revolucionárias”, escreveu ele.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Fundos oferecem até US$ 120 milhões em disputa pelos melhores gestores

PUBLICIDADE

Como a seca de M&As prejudica o principal negócio de bancos de Wall Street

‘Agora veremos quem são os reais investidores em startups’, diz CEO da Endeavor