Negociações para evitar um default dos EUA chegam a um impasse

O feriado do Memorial Day adiciona mais tensão: os legisladores da Câmara planejam deixar Washington na quinta-feira e voltar à ação só na próxima semana

O deputado republicano Garret Graves sugeriu, horas depois de uma reunião de duas horas no Capitólio com seus colegas da Casa Branca, que os dois lados estavam em meio a um dilema
Por Ari Natter - Billy House - Erik Wasson
24 de Maio, 2023 | 05:24 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — O presidente da Câmara, Kevin McCarthy, deixou o Capitólio dos EUA ontem dizendo que as duas partes ainda não haviam chegado a um acordo para evitar o que pode ser o primeiro calote do país. Além disso, um funcionário de alto escalão informou que nenhuma outra reunião está planejada.

O representante republicano Garret Graves, um dos principais negociadores de McCarthy, indicou poucas horas depois de uma reunião de duas horas no Capitólio com seus colegas da Casa Branca que os dois lados estavam em um impasse.

“O ponto principal é que teremos que ver algum movimento ou alguma mudança fundamental no que eles estão fazendo”, disse Graves, referindo-se à equipe de negociação da Casa Branca. “No momento, não temos nenhuma reunião adicional agendada.” A equipe republicana da Câmara e sua liderança continuarão a se reunir entre si, acrescentou.

O impasse em Washington pesou sobre as bolsas asiáticas na quarta-feira, enquanto os futuros de ações dos EUA permaneceram inclinados para baixo nesta manhã, depois que o S&P 500 e o Nasdaq 100 caíram mais de 1% cada um na terça-feira. O valor nominal dos títulos do Tesouro dos EUA de 10 anos vem caindo nas últimas sessões, com os investidores buscando ativos mais seguros para se refugiarem.

PUBLICIDADE

O dilema aumenta a probabilidade de que tanto a Câmara quanto o Senado votem em qualquer acordo na próxima semana, poucas horas antes de 1º de junho, quando a Secretária do Tesouro, Janet Yellen, disse que os EUA poderiam ficar sem dinheiro para pagar suas contas.

Os legisladores da Câmara planejam deixar Washington na quinta-feira para o fim de semana do Memorial Day e retornar somente na próxima semana para agir. No entanto, a aprovação no Senado antes de 1º de junho quase certamente exigiria o consentimento de todos os senadores para que a votação ocorresse rapidamente.

Outro negociador de McCarthy, o deputado Patrick McHenry, disse que não está claro o que acontecerá em seguida.

PUBLICIDADE

“Minhas mensagens são uma lixeira em chamas”

McHenry disse que seu telefone está cheio de mensagens angustiadas de Wall Street sobre o impasse, mas Biden tem que ceder. “Minhas mensagens são uma lixeira em chamas”, disse ele.

Graves reconheceu que houve um “progresso substancial” e que os dois lados estão “muito próximos” em algumas áreas. Mas ainda há discordâncias fundamentais sobre gastos e requisitos de trabalho, já que o cronograma se aproxima de 1º de junho.

Hakeem Jeffries, o principal democrata da Câmara, disse aos repórteres que um congelamento de gastos nos níveis de 2023 seria um compromisso “razoável”. Jeffries, que se opôs aos requisitos de trabalho, disse que qualquer acordo que precise de votos democratas terá que refletir as prioridades democratas.

Graves disse que os negociadores republicanos da Câmara estão “abertos” a reuniões adicionais com a equipe da Casa Branca. “Não vamos a lugar algum”, disse ele.

De acordo com a Bloomberg Economics, o atual impasse sobre o teto da dívida poderia pressionar ainda mais a economia dos EUA, que já está vulnerável a uma recessão após uma série de aumentos das taxas de juros pelo Federal Reserve.

Mas alguns membros conservadores da Câmara disseram na terça-feira que duvidam até mesmo que o drama seja necessário, com o deputado Chip Roy, do Texas, chegando a chamá-lo de “crise fabricada” para forçar os republicanos a recuar em algumas exigências.

Os republicanos querem cortar os gastos domésticos no maior número possível de anos, enquanto os democratas ofereceram cortes menores em um par de anos. Os democratas também querem incluir limites nos gastos com defesa em qualquer acordo.

PUBLICIDADE

Isso representa uma tensão importante para os republicanos da linha dura, que querem aumentar o orçamento do Pentágono às custas de cortes mais profundos nos gastos sociais. McCarthy disse que os cortes na defesa não deveriam estar na mesa de negociação.

O republicano da Califórnia disse que não abriria mão de uma regra que permite que os legisladores da Câmara analisem a legislação em 72 horas antes de uma votação. Os conservadores exigiram esse tempo, mas a pressão está aumentando para se chegar a um acordo.

--Com a colaboração de Matthew Boesler e Justin Sink

Mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Impostos e gastos com defesa: entenda o impasse sobre o teto da dívida nos EUA

Como uma foto falsa de uma explosão no Pentágono derrubou ações em NY