El visor de Meta
Tempo de leitura: 4 minutos

Bloomberg Opinion — O metaverso, um ambiente imersivo e 3D no qual as pessoas interagem por meio de avatares, parece um pouco mais nítido e vibrante do que há mais de um ano. Os visitantes do Horizon Worlds, aplicativo de realidade virtual da Meta (META), são geralmente bem comportados, e os aplicativos do tipo foram até mesmo uma fonte de apoio emocional para muitos.

LEIA +
Demissões da Meta no Brasil atingiram equipes com projetos ligados ao metaverso

Mesmo assim, ainda parece um hobby de nicho. Poucos estão falando sobre suas experiências no metaverso em plataformas de mídia social como Twitter ou TikTok.

Curiosamente, várias pessoas que compraram os headsets Quest 2 da Meta, necessários para visitar os aplicativos de metaverso da empresa, afirmaram que raramente os utilizam.

Os headsets precisam de tempo para serem ajustados e carregados e acabam nos isolando das pessoas que moram conosco. Muitos usuários também sofrem de enjoos quando os utilizam.

PUBLICIDADE

Após muita propaganda no ano passado, as empresas parecem estar agora reduzindo seus investimentos no metaverso. A Walt Disney (DIS) encerrou seus esforços no espaço e a Microsoft (MSFT) fechou seu aplicativo de metaverso, chamado AltSpaceVR, no início deste ano.

A animação dos investidores também está acabando. O financiamento para startups de metaverso caiu no ano passado enquanto os investidores de capital de risco investiam em empresas de inteligência artificial generativa.

O preço médio de venda de terrenos virtuais na Decentraland caiu 90% – de cerca de US$ 9 mil em abril de 2022 para US$ 1.240 este mês, de acordo com a WeMeta, um site de análises que monitora as vendas de terrenos no metaverso.

PUBLICIDADE

No Gartner Hype Cycle, uma representação gráfica da animação do mercado pela tecnologia emergente, o metaverso parece estar no fundo do “andar da desilusão”, que é também o nível em que a impressão 3D e a Internet das Coisas (IoT) ficaram por um tempo. A diferença é que tanto a impressão 3D quanto a IoT continuaram exibindo casos de uso em ambientes fabris.

Zuckerberg está procurando apelo no mainstream, chamando o metaverso de “o próximo capítulo da internet”. Após gastar cerca de US$ 36 bilhões no metaverso desde 2019, ele também pode estar disseminando uma falácia de custos irrecuperáveis.

LEIA +
MWC: Feira mostra como a tecnologia pode criar experiências sensoriais

No entanto, embora os aplicativos como o Horizon Worlds se pareçam muito com as antigas salas de bate-papo, o lento progresso do metaverso está fazendo com que a paciência dos investidores da Meta se esgote – e Zuckerberg não pode continuar enrolando com a recompra de ações.

O CEO também parece mal orientado em seu grande impulso de vender headsets a usuários corporativos para reuniões virtuais com o Quest Pro, que custa US$ 1.000, em vez de focar nos gamers, grupo mais disposto a abraçar a realidade virtual.

PUBLICIDADE

A Accenture (ACN), consultoria britânica que o Facebook paga para ajudar a eliminar conteúdo tóxico, comprou 60 mil headsets Quest em 2021, mas a empresa não quis dizer se comprou mais unidades desde então.

A Meta também não quis nomear nenhuma empresa que comprou um Quest ou utilizou o Horizon Workrooms, aplicativo de sala de conferências virtual da Meta para reuniões corporativas.

Uma porta-voz da Meta disse que a empresa estava “comprometida com a visão que estabelecemos para o metaverso”.

PUBLICIDADE

“Ficou claro que este é um investimento de longo prazo, e continuamos progredindo no metaverso através de uma variedade de áreas, incluindo a Quest, a realidade mista e a próxima geração de experiências sociais”, afirmou.

Ironicamente, o lento progresso da Meta no metaverso também pode ser um problema para a Apple (AAPL), que vai lançar seu fone de ouvido de realidade mista em junho.

LEIA +
Além do ChatGPT: como empresas planejam usar inteligência artificial nos negócios

A Apple é conhecida por revigorar novos mercados com um produto mais bem projetado. Ela entrou no ramo de smartphones quando outros telefones com touchscreen da Nokia e da Sony Ericsson não tinham tração. Seus AirPods e o Apple Watch também redefiniram os padrões para esses dispositivos.

Mas neste momento não está claro como e por que as pessoas devem visitar o metaverso. Os headsets ainda são muito grandes e desconfortáveis para serem uma alternativa viável ao Zoom. E, ironicamente, socializar no metaverso ainda é uma experiência de isolamento.

Esses problemas poderiam ser resolvidas nos próximos dois anos se a Meta conseguir lançar fones de ouvido mais leves e rápidos que tornem a entrada no mundo virtual mais rápida e impecável, algo em que a empresa parece estar trabalhando.

Mas Zuckerberg provavelmente deveria abandonar o foco em usuários corporativos e voltar seus esforços a um metaverso divertido para socializar e jogar, áreas em que parece haver um avanço decente. Perseguir muitas estratégias vai atrasar ainda mais as coisas, e os investidores podem simplesmente perder a paciência.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Parmy Olson é colunista da Bloomberg Opinion e escreve sobre tecnologia. Já escreveu para o Wall Street Journal e a Forbes e é autora de “We Are Anonymous.”

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

WhatsApp: O que muda com o novo serviço de pagamentos a empresas no Brasil