Apple faz suas primeiras demissões desde o anúncio para ‘apertar o cinto’

Não está claro quantas posições serão eliminadas, mas a mudança representa parte do esforço de reduzir custos para melhorar a eficiência das operações

Empresa fabricante dos iPhones se junta a outras big techs em cortes de funcionários diante da desaceleração das vendas
Por Mark Gurman
04 de Abril, 2023 | 05:32 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — Como parte do plano de apertar o cinto para melhorar a eficiência, a Apple (AAPL) está eliminando empregados das equipes corporativas de varejo, segundo fontes a par do assunto. As demissões, que representam os primeiros cortes de empregos internos desde o anúncio de redução de custos no ano passado, estão focadas em uma área conhecida por desenvolvimento e preservação, que supervisiona a construção e a manutenção das lojas de varejo Apple em todo o mundo.

Embora se espere que o número de cortes de empregos nestas áreas seja pequeno, marca um novo passo para a empresa mais valiosa do mundo. Diferentemente de seus pares no setor, a Apple tem procurado evitar demissões internas massivas, esforçando-se por racionalizar seus recursos humanos, mais do que eliminá-los, neste cenário de economia instável e moderação de gastos dos consumidores.

Não está claro quantas posições estão sendo eliminadas, mas a mudança é vista como parte do esforço mais amplo da Apple de reduzir custos para melhorar em eficiência e produtividade.

A fabricante do iPhone tem evitado em grande parte as demissões corporativas, ainda que reduza seu orçamento e grande parte de sua força de trabalho terceirizada, incluindo engenheiros contratados, recrutadores e guardas de segurança. A empresa reduziu empregos corporativos antes da pandemia, quando eliminou algumas centenas de membros de sua divisão de carros autônomos.

PUBLICIDADE
A empresa evitou o aumento das contratações durante a pandemia, como o fizeram alguns de seus pares do setor tech

Algumas funções de gerenciamento também estariam sendo eliminadas. A Apple disse aos funcionários desses grupos que eles teriam a capacidade de se candidatar novamente a várias funções semelhantes às de seus empregos anteriores. Embora esses funcionários possam ser recontratados como colaboradores, podem não ter a mesma remuneração. Aqueles que não assumirem um novo cargo receberão até quatro meses de pagamento, disseram as fontes da Bloomberg. Representantes da Apple, com sede em Cupertino, Califórnia, se recusaram a comentar.

A Apple tinha 164.000 funcionários em setembro, quando terminou seu último ano fiscal. A empresa não expandiu sua força de trabalho tão rapidamente quanto muitas grandes empresas de tecnologia durante a pandemia, diminuindo a necessidade de grandes demissões. Seus pares, incluindo a Amazon Inc. e o Google, da Alphabet Inc., cortaram dezenas de milhares de empregos.

A empresa tem investido fortemente em pesquisa e desenvolvimento, expandindo suas linhas de produtos e entrando em novos mercados, tais como saúde e veículos autônomos. Apesar destes planos ambiciosos, a empresa continua focada em seu negócio principal, que inclui a venda de produtos eletrônicos e software de consumo.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Apple lança serviço de ‘crediário’ para acelerar vendas

Mais um executivo deve deixar a Apple, ampliando onda de saídas recentes