UBS quer recomprar bônus vendidos dias antes de fechar acordo com o Credit Suisse

Plano de recompra engloba US$ 2,96 bilhões em títulos emitidos na sexta-feira, poucos dias antes de o banco ofertar US$ 3,25 bilhões pelo rival Credit Suisse

A medida, segundo o UBS, vem “à luz das excepcionais ações corporativas anunciadas em 19 de março de 2023, logo após a data de emissão”, disse a instituição no comunicado
Por Harry Suhartono
22 de Março, 2023 | 04:59 AM

Leia esta notícia em

Espanhol
Últimas cotações

Bloomberg — O gigante bancário suíço UBS Group AG (UBS) anunciou a intenção de comprar de volta 2,75 bilhões de euros (US$ 2,96 bilhões) de títulos emitidos na última sexta-feira, poucos dias antes de o banco fazer uma oferta para resgatar o rival Credit Suisse Group (CS).

A oferta de recompra se aplica a títulos sênior sem garantia com vencimento em março de 2028 e março de 2032, e é feita ao preço de recompra em dinheiro, de acordo com um comunicado do UBS enviado esta manhã.

LEIA +
Os escândalos e a desconfiança que acabaram com o Credit Suisse após 166 anos

A medida, segundo o UBS, vem “à luz das excepcionais ações corporativas anunciadas em 19 de março de 2023, logo após a data de emissão”, disse a instituição no comunicado, sem dar mais detalhes sobre o motivo da operação. O banco se limitou a dizer que se trata de uma “avaliação prudente” dos acontecimentos recentes e resulta de seu “compromisso com os investidores de crédito”.

A operação de recompra de títulos anunciada hoje será aberta em 22 de março, com vencimento antecipado em 28 de março e prazo final em 4 de abril, de acordo com a declaração.

Depois de apenas três dias de negociações, o UBS acertou a compra de seu principal rival por 3 bilhões de francos suíços (US$ 3,5 bilhões). O acordo histórico, respaldado pelo banco central da Suíça com amplas garantias governamentais e provisões de liquidez, é visto como uma aposta ousada no futuro da indústria bancária suíça, que vem enfrentando uma maior concorrência e pressões regulatórias nos últimos anos.

LEIA +
Recrutadores globais recebem enxurrada de ligações de executivos do Credit Suisse