Bitcoin: após atingir os US$ 25 mil, cripto tem a maior queda em uma semana

Maior token digital do mundo em valor de mercado chegou a cair quase 5% nesta sexta-feira (17), e era negociado abaixo de US$ 24 mil

Moeda digital cai com cautela nos mercados globais
Por Joanna Ossinger
17 de Fevereiro, 2023 | 09:52 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — O Bitcoin (BTC) tem a maior queda em cerca de uma semana nesta sexta-feira (17), com a retórica agressiva dos funcionários do Federal Reserve e outros sinais de uma repressão regulatória agressiva dos Estados Unidos provocando cautela.

O maior token digital do mundo em valor de mercado chegou a cair quase 5% nesta sexta, e era negociado abaixo de US$ 24 mil por volta das 9h45 (horário de Brasília). Tokens menores, como Ethereum (ETH), Avalanche (AVAX) e Binance Coin (BNB) também recuavam.

A comissão de valores mobiliários dos EUA, a SEC, processou a empresa por trás do projeto TerraUSD (UST) na última etapa regulatória nos EUA. A TerraUSD era uma stablecoin cujo colapso em 2022 deu início a uma crise no setor e a uma série de grandes falências.

Enquanto isso, dois dos formuladores de políticas monetárias mais radicais do Federal Reserve sinalizaram que podem favorecer aumentos maiores das taxas de juros no futuro. Os comentários minaram o apetite por risco nos mercados globais.

PUBLICIDADE

A troca entre risco e recompensa no Bitcoin, cuja cotação ultrapassou brevemente os US$ 25 mil na quinta-feira (16), é “desfavorável” agora, disse Katie Stockton, fundadora da Fairlead Strategies LLC, uma empresa de pesquisa focada em análise técnica.

O Bitcoin se recuperou mais de 40% este ano de uma derrota em 2022. Os céticos afirmam que a recuperação é vulnerável ao risco de taxas mais altas por mais tempo.

-- Com a colaboração de Akshay Chinchalkar.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

Bank of America se une a outros gigantes de Wall Street e planeja demissões

Dólar apaga perdas no ano com apostas em maiores aumentos de juros nos EUA

Na Eve, de carros voadores, parceria com a Porsche e uma startup que foge à regra