Novo CEO? Elon Musk diz que deve seguir à frente do Twitter até o fim do ano

Permanência no cargo pode ampliar as preocupações de que o bilionário não esteja dedicando suficiente atenção à fabricante de veículos elétricos Tesla

Elon Musk tem sofrido críticas de acionistas da Tesla pelo tempo e energia dedicados ao Twitter (Marlena Sloss/Bloomberg)
Por Angus Whitley - Abeer Abu Omar - Zainab Fattah
15 de Fevereiro, 2023 | 05:58 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg — Elon Musk disse que pode precisar do resto deste ano para colocar o Twitter em ordem antes de passar o comando a um novo diretor executivo, o que pode prolongar as preocupações de que o bilionário está se distraindo da liderança da Tesla (TSLA).

“Preciso estabilizar a organização e garantir que ela esteja financeiramente saudável e que o roteiro do produto esteja claramente definido”, disse Musk em uma conversa em vídeo durante a Cúpula do Governo Mundial em Dubai nesta quarta-feira.

“Acho que no final deste ano deve ser um bom momento para encontrar outra pessoa para administrar a empresa”, disse o empresário de 51 anos. “Acho que deve estar em condição estável no final deste ano.”

Desde que assumiu em outubro, Musk disse que planeja se afastar do cargo em algum momento, mas nunca especificou quando. O executivo bilionário embarcou em uma busca por um novo CEO para o Twitter em dezembro, disse uma pessoa familiarizada com a busca na época. Enquanto isso, sua falta de presença na Tesla atraiu a ira de alguns investidores, que pediram que ele prestasse mais atenção à fabricante de veículos elétricos.

PUBLICIDADE

O CEO da Tesla, do Twitter e da Space Exploration Technologies Corp. disse que as duas empresas de manufatura estão melhor posicionadas agora do que antes. A SpaceX é “capaz de progredir muito mesmo que eu passe menos tempo lá”, disse ele, enquanto a Tesla exige menos tempo agora do que há alguns anos, comentou.

“A Tesla passou por momentos muito difíceis em que estava no limite da sobrevivência”, disse Musk. “Exige muito menos trabalho para operar a Tesla agora, em comparação com o período de 2017 a 2019″.

Musk se comprometeu a passar as rédeas para o Twitter depois de fazer uma pesquisa com seus seguidores em dezembro. Quase 60% eram a favor de sua renúncia, motivados em parte pela preocupação de ele se distrair da Tesla. Na época, ele disse que era uma questão de encontrar “alguém tolo o suficiente para aceitar o cargo”.

PUBLICIDADE

Ainda assim, Musk tem um histórico de perder seus próprios prazos e prazos de entrega prometidos, inclusive para novos produtos, como o Cybertruck, ou recursos de software, como direção totalmente autônoma.

Musk foi entrevistado virtualmente por Mohammad Abdullah Al Gergawi, ministro de gabinete dos Emirados Árabes Unidos e presidente da cúpula. Musk, que levou o Twitter mediante um acordo de US$ 44 bilhões, fechado em outubro do ano passado, é o segundo homem mais rico do mundo, com uma fortuna pessoal de US$ 187 bilhões, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

Na cúpula, Musk descreveu o Twitter como “ainda uma espécie de startup ao contrário”. Muito trabalho é necessário para levar o Twitter a uma “posição estável”, disse ele.

Musk, que é conhecido por ter dormido na fábrica da Tesla durante períodos particularmente difíceis, disse que trabalha sete dias por semana e dorme seis horas por noite. O trabalho normalmente o ocupa desde o momento em que acorda até ir para a cama, afirmou. “Não é minha intenção trabalhar como um louco”, disse ele. “Uma semana de trabalho de apenas 80 horas seria suficiente. Isso é o que eu aspiraria.”

Musk falou amplamente sobre sua visão para o Twitter e seus esforços para livrar a plataforma da desinformação. Ele disse que queria que o Twitter fosse uma fonte de verdade e incentivou empresas, outros CEOs e ministros a falar com autenticidade, mesmo que isso atraia ataques. “Ter algumas críticas é bom”, disse ele. “Não é tão ruim assim. Sou constantemente atacado no Twitter. Eu não me importo.

Questionado se ele limitava o uso de mídia social para seus filhos, Musk disse: “Não tentei restringir a mídia social de meus filhos, mas isso pode ter sido um erro”. Momentos após a entrevista, Musk voltou a “twittar” para seus quase 130 milhões de seguidores.

- Com a colaboração de Mayumi Negishi

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Demissões nas big techs comprometem metas de diversidade e inclusão