Demissões nas big techs comprometem metas de diversidade e inclusão

Cortes de custos e pessoal no setor de tecnologia estão ameaçando as promessas das empresas de impulsionar grupos sub-representados

Porta-voz da varejista disse que as prioridades de DEI da empresa não mudaram
Por Kelsey Butler
11 de Fevereiro, 2023 | 05:40 PM

Bloomberg — No Twitter, a equipe de diversidade, equidade e inclusão (DEI) foi reduzida de 30 para apenas duas pessoas, segundo um ex-funcionário.

Um colaborador da mesma área que foi demitido de uma famosa empresa de caronas disse que a busca por emprego estagnou enquanto outras companhias de tecnologia avaliam suas finanças. E pouco antes de serem cortados de gigantes da tecnologia, dois especialistas da área de diversidade disseram que a liderança havia parado totalmente de estabelecer metas de longo prazo para os departamentos.

As demissões que varrem o setor de tecnologia estão destruindo os setores de diversidade e inclusão, ameaçando as promessas das empresas de impulsionar grupos sub-representados.

As listas de cargos de DEI caíram 19% no ano passado – uma queda maior do que a vista em empregos jurídicos ou gerais de recursos humanos, de acordo com a Textio, que ajuda as empresas a criar anúncios de empregos imparciais. Apenas cargos de engenharia de software e ciência de dados tiveram quedas maiores, de 24% e 27%, respectivamente.

PUBLICIDADE

A Bloomberg News identificou profissionais de DEI que perderam seus empregos nas últimas semanas na Amazon (AMZN), Meta (META), Twitter e Redfin que muitas vezes não são compensados por esse trabalho.

Um porta-voz da Amazon disse que as prioridades de DEI da empresa não mudaram e que a companhia continua comprometida com os objetivos. Um porta-voz da Redfin disse que a empresa tem investido no crescimento de sua equipe DEI desde 2021 e, apesar de uma recente demissão, o grupo é maior do que no início de 2022. Já um representante da Meta se recusou a comentar.

Mudança no número global de novas vagas de janeiro a dezembro de 2022dfd

“Estou cautelosamente preocupado – não que essas funções cheguem a zero, mas que haverá um aumento nas funções do tipo ‘canivete suíço’”, o que significa que mais profissionais de DEI serão espalhados à medida que assumem funções de trabalho adicionais, disse o CEO da Textio, Kieran Snyder. O fenômeno provavelmente também não se limita à tecnologia, já que as demissões atingem outras partes da economia.

Nos últimos anos, houve um boom de contratações de diversidade e inclusão. Após os protestos do Black Lives Matter em 2020, organizações de todos os tipos fizeram promessas de aumentar a diversidade racial e de gênero no quadro de funcionários.

Dezenas de companhias contrataram os primeiros diretores de diversidade e inclusão. Nos três meses após o assassinato de George Floyd, as ofertas de emprego da DEI aumentaram 123%, segundo dados do site Indeed.

Agora, contudo, as companhias estão reduzindo essas equipes antes de atingir totalmente as metas iniciais. A diretora de diversidade da Meta, Maxine Williams, alertou em outubro passado que o corte de custos retardaria os esforços de contratação de diversidade.

“Cortar funcionários orientados para o DEI agora, a menos que você tenha realmente progredido e possa dizer ‘missão cumprida’, não é uma boa ideia”, disse Angie Kamath, reitora da Escola de Estudos Profissionais da NYU, que se concentra no desenvolvimento da força de trabalho. “Existem alguns riscos reais.”

PUBLICIDADE

Em alguns casos, as empresas podem até retroceder, disse Monne Williams, sócio da McKinsey & Company, em Atlanta.

Os trabalhadores são mais propensos a deixar as empresas onde os esforços de equidade não são uma prioridade.

Quase uma em cada cinco líderes femininas deixou o emprego nos últimos dois anos devido à falta de compromisso da empresa com o DEI, de acordo com um relatório de outubro da McKinsey e LeanIn.org.

Em uma pesquisa de 2019 com 2.000 trabalhadores, a McKinsey descobriu que 39% decidiram não buscar ou aceitar um emprego devido à percepção de falta de inclusão em uma empresa.

“Diversidade, equidade e inclusão não podem ser coisas que você só faz quando os tempos estão bons”, disse Williams.

Em parte, a questão é que as empresas tendem a se apoiar em uma abordagem de “último a entrar, primeiro a sair” para demissões, disse Brooks Scott, fundador e CEO da empresa de coaching executivo Merging Path Coaching. “As empresas correm para pensar no resultado final, mas sempre que tentamos otimizar a velocidade, provavelmente pulamos diversidade, equidade e inclusão.”

Em vez disso, ele defende que as empresas devem considerar raça, gênero e etnia ao decidir quem demitir.

Além disso, as organizações que enfrentam departamentos de DEI reduzidos não precisam abandonar completamente as metas, disse Julie Coffman, diretora de diversidade da empresa de consultoria Bain & Co. As decisões de contratar, promover e promover pessoas talentosas estão em todos os departamentos.

“O trabalho de fornecer progresso real nos resultados do DEI não reside apenas em um diretor central de diversidade ou em uma pequena equipe de DEI”, disse ela.

-- Com a colaboração de Olívia Sólon

Veja mais em bloomberg.com

Leia também:

CEO do Google diz que demissões foram forma de evitar problemas ‘muito maiores’

Por que as demissões em massa normalmente são prejudiciais para as empresas

Bastidores do colapso da Americanas envolvem rombo, brigas e perplexidade