Barcelona busca crédito de US$ 1,6 bi nos EUA para reformar estádio Camp Nou

Time catalão tem planos de reformar sua sede histórica e desenvolver novas instalações em um projeto mais amplo conhecido como ‘Espai Barca’

O time de futebol já testou o mercado americano de colocação privada no passado
Por Silas Brown e Irene Garcia Perez
11 de Fevereiro, 2023 | 09:25 AM

Bloomberg — O Barcelona está tentando levantar 1,5 bilhão de euros (ou cerca de US$ 1,6 bilhão) com investidores para financiar a reforma de seu icônico estádio Camp Nou.

O clube está cortejando investidores no mercado americano de títulos privados para obter financiamento de longo prazo, segundo pessoas com conhecimento direto do assunto. Um porta-voz do Barcelona confirmou as negociações.

Os bancos Goldman Sachs (GS) e JPMorgan (JPM) estão organizando a oferta, de acordo com pessoas familiarizadas. Representantes de ambos os bancos se recusaram a comentar.

O time catalão tem planos de reformar sua sede histórica e desenvolver novas instalações em um projeto mais amplo conhecido como “Espai Barca”.

PUBLICIDADE

O plano de financiamento consiste em três parcelas de 500 milhões de euros em notas seniores com vencimento em 2032, 2045 e 2052, de acordo com a Kroll Bond Rating Agency, que tem perspectiva estável para o clube.

Os termos propostos incluem garantir a oferta contra receitas novas ou incrementais com o entendimento de que não haverá hipoteca sobre o estádio, de acordo com a Kroll.

A empresa de classificação de risco e pesquisa ESG Morningstar Sustainalytics certificou as notas que o clube emitirá no mercado americano como títulos verdes, segundo afirmou o presidente do Barcelona, Joan Laporta, em uma teleconferência na quinta-feira (9) “Estamos ampliando nosso mercado de potenciais investidores, bem como a possibilidade de obtenção de financiamento a um preço melhor”, disse.

PUBLICIDADE

Clubes de futebol de renome, como o Tottenham Hotspur, já usaram o mercado americano de colocação privada, que conta com grandes fundos de pensão e gestores de ativos como os principais investidores, para levantar dívidas de longo prazo.

A garantia do crédito é normalmente estabelecida no estádio que está sendo financiado, o que significa que os investidores podem se tornar os proprietários do local se o clube não pagar a dívida.

O Barcelona já testou o mercado americano de colocação privada no passado, quando levantou 525 milhões de euros com receitas de transmissão como garantia. Parte dessa dívida já foi paga como condição para fechar um acordo com o fundo US Sixth Street para vender uma fatia de seus direitos de TV por 25 anos.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Google demite no Brasil em nova rodada de cortes no setor tech

‘The Last of Us’ é a prova de que adaptações de videogame podem dar certo