Negócios

A visão do empresário argentino que planeja ter uma constelação de 300 satélites

Em entrevista à Bloomberg Línea, Emiliano Kargieman, CEO da Satellogic, fala sobre seus planos e os desafios de fazer com que a economia argentina volte a atrair investimentos

Empresa foi fundada por Emiliano Kargieman em 2010
29 de Janeiro, 2023 | 07:38 AM

Leia esta notícia em

Espanhol

Bloomberg Línea — O CEO da Satellogic (SATL), Emiliano Kargieman, considera que a Argentina precisa de “15 anos de estabilidade” em questões econômicas, industriais, jurídicas e educacionais para que empresas de produção tecnológica como a sua voltem a “investir pesado” no país.

“É um problema comum em grande parte da região, e o Uruguai é uma exceção muito interessante”, disse ele em uma entrevista à Bloomberg Línea, referindo-se à decisão de levar a produção de sua empresa para o país vizinho.

Empreendedor desde 1990, Kargieman fundou a Satellogic, que coleta imagens de alta resolução usando nanosatélites, em 2010.

Não basta distribuir o valor gerado pelos pampas. Temos que gerar muita riqueza.

Emiliano Kargieman, CEO e fundador da Satellogic
LEIA +
Moeda comum da América do Sul pode ser perigosa... ou irrelevante

Caminho para o break-even

Com relação às perspectivas da Satellogic, Kargieman disse que foram feitos os ajustes necessários para lidar com o contexto atual e que a empresa tem fundos suficientes para alcançar o break-even do Ebitda ajustado em 2024.

PUBLICIDADE

Somos financiados para executar nosso plano e colocar a empresa com Ebitda positivo com o capital que temos no banco”, disse ele à Bloomberg Línea, argumentando que a empresa tem “visibilidade no cenário para os próximos 18-24 meses”.

Após a fusão com a SPAC do ex-Secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, em janeiro de 2022, e com a assinatura de um novo acordo com a SpaceX, de Elon Musk, as ações da Satellogic caíram duas vezes mais do que as da Nasdaq no ano passado.

“Não damos muita importância pois entendemos que, no valor atual, a empresa é claramente muito subvalorizada com base no projeto que estamos executando, nas perspectivas que temos, nas perspectivas de crescimento”, disse Kargieman sobre o assunto.

PUBLICIDADE

Mercado em potencial e ajustes

Com a expectativa de que o mercado de observação da Terra chegue a valer US$ 120 bilhões ou mais no futuro próximo, acima dos US$ 4 bilhões a US$ 5 bilhões atuais, Kargieman não está angustiado com a volatilidade do mercado.

No entanto, o contexto levou a Satellogic a dar passos mais firmes em direção à rentabilidade. No final do ano passado, a empresa reduziu sua força de trabalho em quase 20%, ajustou a implantação de sua infraestrutura e lançou um novo negócio: a venda de satélites.

LEIA +
Brasil quer financiar importadores argentinos após perder espaço para a China
Emiliano Kargieman, CEO e fundador da Satellogicdfd
LEIA +
Os salários mínimos na América Latina em 2023 e quais ganharam da inflação

A entrevista a seguir foi editada para fins de extensão e clareza.

Qual é o cenário básico da Satellogic para as próximas decisões do Fed e o ambiente de crédito em geral? Como acredita que seu negócio será afetado?

Obviamente, estamos em um estágio diferente em termos de taxas de juros. Isso vai ter um impacto em geral na disponibilidade de capital para projetos de crescimento e afeta o apetite dos investidores por projetos mais arriscados. É natural. O interessante da Satellogic é que somos financiados para executar nosso plano e proporcionar à empresa um Ebitda positivo com o capital que temos no banco.

Não estamos hoje em uma situação em que temos que sair e levantar capital e temos visibilidade sobre nosso cenário para os próximos 18 ou 24 meses. E isso nos coloca em um lugar onde o impacto de curto prazo atualmente é menor do que o de outras empresas de crescimento ou em fase inicial – em que obviamente ainda estamos – que vão precisar levantar capital nos próximos meses.

De certa forma, o ramo de fornecer informações sobre o que está acontecendo no planeta, e especialmente neste momento em que fornecemos informações aos governos para inteligência, defesa, controle de fronteiras, gestão ambiental, são coisas bastante anticíclicas. Portanto, sentimos que estamos em uma boa posição para navegar em um mercado de capitais que é obviamente muito mais apertado para projetos de crescimento.

PUBLICIDADE

Estamos vendo empresas de tecnologia fazendo vários ajustes em diferentes estágios. Você vê necessidade de ajustes em termos de quadro de funcionários ou em outras linhas do balanço?

Fizemos isso há quase dois trimestres. Anunciamos isso em nossa última divulgação de resultados. Mudamos a velocidade de lançamento e fizemos um ajuste de quase 20% em nosso quadro de funcionários durante o terceiro trimestre do ano passado.

Com um pouco de compreensão da situação do mercado e a necessidade de ter dinheiro para poder executar o projeto sem ter que sair à procura de capital. Estamos crescendo e os principais indicadores de crescimento de nossa linha principal para este ano e no próximo nos fazem entender que estamos em uma boa situação para enfrentar este contexto.

Temos que esperar para entender se estamos entrando em uma recessão ou em uma recessão com inflação. É normal que muitas empresas estejam priorizando a manutenção de caixa, a geração de fluxo de caixa livre e outros tipos de investimentos. É natural do processo do mercado. Fazer isso antes é o que permitiu que não precisássemos fazer um grande ajuste, e que tivéssemos a possibilidade de executar nosso plano sem ter que sair à procura de capital.

PUBLICIDADE
LEIA +
Conheça as startups da América Latina que deram a largada nas rodadas no ano

O Nasdaq caiu 33% no ano passado e as ações da Satellogic caíram cerca de 60%. Qual é a lógica por trás dessa diferença?

A queda média no setor de SPACs de tecnologia foi mais que o dobro da queda do Nasdaq. Tem a ver com o estágio das empresas, o apetite dos investidores em seu equilíbrio entre crescimento e valor. Não damos muita importância pois entendemos que, no valor atual, a empresa é claramente muito subvalorizada com base no projeto que estamos executando, nas perspectivas que temos, nas perspectivas de crescimento.

Não damos muita importância porque entendemos que faz parte do ajuste do mercado, e de como o mercado está entendendo as SPACs e as empresas de crescimento. E obviamente somos uma empresa que ainda está em uma fase inicial, dentro das empresas do Nasdaq.

Na verdade, isso não tira meu foco de olhar para o valor das ações porque, mais uma vez, não estamos em uma situação em que temos que buscar capital imediatamente e podemos focar na execução. Ao executarmos nosso projeto, o valor das ações acabará refletindo o valor intrínseco da empresa. Somos também uma empresa com um volume de negócios bastante pequeno, digamos, com um pequeno volume comercial, e esperamos uma alta volatilidade até que esse volume cresça.

PUBLICIDADE

No caminho da Satellogic rumo à rentabilidade, nos últimos três anos as perdas anuais aumentaram. Como foi 2022 para vocês nesse sentido e o que espera para os próximos anos? O Ebitda ajustado para 2024 ainda está no caminho certo?

Sim, essa é a orientação que fizemos, um break-even do Ebitda ajustado para 2024, e esse é o plano que estamos executando. Como disse antes, temos bons indicadores e sinais de atratividade comercial, que é o que importa no momento. Há duas coisas que estamos analisando.

PUBLICIDADE

Uma delas é a implantação de nossa infraestrutura, ou seja, o número de satélites que estamos colocando em órbita. Estamos operando a maior constelação de satélites de observação da Terra de alta resolução do mundo, com mais capacidade do que todos os nossos pares juntos. Isso nos coloca em um lugar muito interessante.

Acabamos de lançar quatro satélites em janeiro e planejamos lançar entre 18 e 20 este ano. E, por outro lado, vimos o crescimento dos oleodutos ao longo do último ano e esperamos que isso se transforme nas vendas esperadas para este ano. E como parte das mudanças no modelo de negócios no ano passado, além de ajustar um pouco nossas despesas, abrimos uma nova linha de negócios, a Space Systems, na qual aproveitamos nossa unit economics, que é bem diferenciada dentro de nosso setor e centenas de vezes melhor que a de nossos pares.

Em alguns casos, quando nossos clientes exigem, vendemos satélites e sistemas em órbita. Isso também nos proporciona outra ferramenta para garantir que tenhamos esse break-even até 2024 e nos colocar no caminho para continuar ampliando nossa constelação, que deve alimentar o modelo de negócios no longo prazo.

PUBLICIDADE
Operarios construyen un satélite de Satellogic.dfd

A meta de 300 satélites em órbita até 2025 continua vigente?

O plano continua o mesmo no sentido de que nosso objetivo é mapear toda a superfície da Terra em alta resolução uma vez por dia. Quando falamos sobre isto publicamente no início de 2022, tratava-se de uma constelação de 300 satélites. Então, algumas mudanças e melhorias em nossa tecnologia nos permitiram pensar que precisamos apenas de pouco mais de 200 satélites para refazer a Terra inteira uma vez por dia em alta resolução.

Continuamos com a visão de alcançar esse marco, mas antes disso, estaremos refazendo o mapeamento uma vez por mês, uma vez a cada duas semanas no início de 2024, e uma vez por semana. À medida que incorporarmos mais satélites, poderemos expandir o mercado que temos e o mercado que podemos visar, com base nos tempos de mapeamento que nos permitem distribuir dados a um custo marginal muito baixo, praticamente zero.

PUBLICIDADE

Assim, podemos começar a abrir o mercado de observação da Terra. Hoje é um mercado de US$ 4-5 bilhões, mas pode chegar a ser 30, 40 vezes maior. Não sei se posso dizer hoje que vamos mapear a Terra toda uma vez por dia até 2025, mas o objetivo é chegar lá o mais rápido possível. Dependerá um pouco da atratividade comercial e de nossa rapidez. É uma das alavancas que temos para ajustar as despesas de capital: o crescimento da receita.

E é também o que nos permite operar uma empresa no break-even ou fluxo de caixa positivo sem ter que sair e procurar capital, para ser o primeiro a fazer crescer a constelação e depois gerar negócios.

LEIA +
Americanas deve R$ 210 milhões a Apple, Google, Facebook e outras big techs

Estamos vendo uma tendência de empresas de tecnologia buscando linhas de crédito de bancos. Por que esta tendência está acontecendo em geral?

PUBLICIDADE

É uma situação de mercado em que as empresas buscam ter uma reserva financeira. Elas desejam ter a possibilidade de executar. Há também oportunidades que surgem nestas situações que um empreendedor pode querer aproveitar. Com valuations tão baixos e empresas provavelmente subvalorizadas, há a possibilidade de levantar dívida, mesmo com termos mais rígidos do que eram há um ano ou 18 meses. É uma boa opção em comparação com o custo de capital de uma oferta de ações em um mercado que tão deprimido. Por isso, nesse sentido, considero isso como uma coisa natural. Em nosso caso, não é algo que estejamos avaliando hoje.

Onde são produzidos seus satélites e como são suas operações na Argentina atualmente?

Temos uma grande equipe de pesquisa e desenvolvimento na Argentina. Hoje temos a planta piloto onde estamos produzindo os satélites. Ela fica no Uruguai, em Zonamérica, uma zona franca localizada nos arredores de Montevidéu. Então é lá que temos a equipe de fabricação.

Então as atuais restrições à importação na Argentina afeta a empresa?

Isso mesmo, e essa é realmente a principal razão pela qual o fizemos dessa forma, para não termos que lidar com a situação da importação e exportação na Argentina, que está e constante mudança.

Caso essa situação se normalize, seria mais competitivo para você produzir aqui?

Independentemente do governo e das inclinações políticas do governo, a Argentina precisa de 15 anos de estabilidade jurídica, de um plano econômico e de algumas estratégias na área de educação e de desenvolvimento industrial para que empresas como a nossa comecem a pensar em investir pesado, em trazer ou trazer a produção de volta para o país, infelizmente.

LEIA +
Startups mais preparadas podem ir às compras em 2023, dizem investidores

Originalmente, o plano era fabricar na Argentina...

Sim, exatamente. Os três primeiros satélites que lançamos para o espaço foram feitos na Argentina. Tomamos a decisão de instalar nossa fábrica fora do país independentemente da vontade do governo de nos ajudar, porque todos os governos argentinos sempre tiveram a melhor vontade de trabalhar conosco. Foi devido à volatilidade e à dificuldade de prever o futuro. Isso faz parte das coisas que a Argentina tem de resolver.

Ter algumas políticas de governo que sejam mantidas ao longo do tempo, que nos permitam abrir o caminho para o crescimento de empresas como a nossa no país. De qualquer forma, continuamos comprometidos com o investimento no país. Mais da metade de nossos funcionários fica na Argentina. Nosso DNA é argentino e vocação para continuar trabalhando e investindo no país. Hoje, a produção de hardware na Argentina é muito complexa.

Um exemplo dessa estabilidade pode ser a política de zonas francas no Uruguai?

Esse é um excelente exemplo e um dos motivos pelos quais estamos no país. Acredito que é um problema comum grande parte da região, e o Uruguai é uma exceção muito interessante. Essa estabilidade facilita para que hoje existam cada vez mais empresas entrando no país, nas zonas francas do Uruguai, para gerar tecnologia de alto nível. No setor espacial, em particular, houve outras empresas que nos acompanharam.

Avaliando empreendedores que deixaram a Argentina, você acredita que eles precisam ver estabilidade por 15 anos antes de pensar em voltar?

Eu abri minha primeira empresa na Argentina em 1990. Tive empresas durante muitos governos e vicissitudes, e penso que, de certa forma, foi sempre necessário. Não é algo novo, que repentinamente percebemos que faz falta. Tenho a impressão de que se você falar com empresários argentinos ou com aqueles que começaram na Argentina e que estão em outras partes do mundo, você vai ouvir algo semelhante.

A Argentina é um país com enorme potencial devido ao talento que possui, a capacidade de pensar fora da caixa, a enorme vontade de empreender. Ao mesmo tempo, é um país em que onde as normas não são claras, elas mudam muito, e há grandes altos e baixos que dificultam muito pensar em projetos de longo prazo. Há grandes problemas de segurança jurídica, de estabilidade política e econômica e muitos outros.

Mas a Argentina está em uma situação geopolítica muito privilegiada para o mundo nos próximos 20-30 anos e espero que com boa liderança política e certo consenso em algumas direções básicas no médio prazo, possamos trazer muito mais empresas, mais investimento e valor, que é o que a Argentina precisa Não basta distribuir o valor gerado pelos pampas. Temos que gerar muita riqueza.

Leia também

Marcelo Claure e Apollo negociam compra de empresa de telecom, segundo FT

Francisco Aldaya

Francisco Aldaya (BR)

Jornalista argentino com 10 anos de experiência. Francisco cobriu o setor financeiro da América Latina na S&P Global Market Intelligence e também trabalhou nas seções de economia e política do Buenos Aires Herald. Ele também contribuiu para o Buenos Aires Times.