Campos Neto: podemos exportar o Pix para a América Latina

Presidente do Banco Central disse que se encontrará com BC colombiano para compartilhar informações sobre o sistema de pagamentos instantâneos do país

Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, vê espaço para internacionalizar o Pix
12 de Agosto, 2022 | 06:54 AM

Leia esta notícia em

Inglês ou emEspanhol

Bloomberg Línea — O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, vai se encontrar com o presidente do banco central da Colômbia, Leonardo Villar, para que o país andino “copie” o Pix, o modelo de pagamentos instantâneo brasileiro que se tornou um caso de sucesso de digitalização das finanças.

“Tenho falado com o presidente do banco central da Colômbia, que quer fazer exatamente igual o Pix”, disse Campos Neto em evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) na quinta-feira (11). Ele afirmou que vê espaço para internacionalizar o sistema de pagamentos brasileiro.

“Acho que a gente começa internacionalizar o Pix na América Latina. Muitos bancos brasileiros têm filiais na América Latina”, afirmou.

O Pix, lançado pelo BC em novembro de 2020, teve uma adoção rápida pelos brasileiros. Até 31 de julho de 2022, o Brasil tinha mais de 478 milhões de chaves cadastradas. As chaves são identificadores de cada usuário, e cada um pode ter até três chaves.

PUBLICIDADE

Tornou-se em menos de dois anos o principal meio de pagamentos e transferências da população brasileira, superando cartões de débito e crédito e ferramentas como TED e DOC. Duas de suas principais vantagens são a ausência de taxas até certos valores e o funcionamento 24/7 (24 horas por dia, sete dias por semana), solucionando uma das queixas de usuários antes de sua chegada.

Gráfico mostra a quantidade de chaves - identificadores para transações Pix - no Brasil desde a implementação do sistema de pagamentos. Fonte: Banco Central do Brasildfd

Na Colômbia, a fintech Minka e a ACH Colombia criaram o sistema Transfiya, com a proposta de ser uma forma de pagamento 24/7 em tempo real, como é o Pix.

Na região, o Banco del Crédito de Perú lançou um braço de pagamentos instantâneos, a Yape, em 2016. Também de uma iniciativa privada, o PLIN, peruano, surgiu em 2020 como uma proposta de pagamentos em tempo real.

PUBLICIDADE

No México, o banco central local tentou implementar um sistema de pagamentos similar, o CoDi, que não teve a mesma adoção do Pix no Brasil. E, na Argentina, o Transferencias 3.0 é um sistema de interoperabilidade para pagamentos com débitos instantâneos.

“Eu nunca conseguiria fazer o Pix no Brasil se os bancos não colaborassem”, disse Campos Neto. “Os bancos colaboraram porque é um modelo em que todo mundo ganha, gera inclusão financeira e menos dinheiro físico em circulação.”

Leia também:

O copo meio vazio do resultado - elogiado pelo mercado - do Banco do Brasil

Isabela  Fleischmann

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups