Bloomberg Green

Mundo observa preocupado relação do Brasil com meio ambiente, diz Theresa May

Emergentes podem adotar uma economia verde, mudando a mentalidade para a inovação e com um crescimento econômico diferente, apontou

Theresa May, ex-premiê britânica
04 de Agosto, 2022 | 06:39 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

São Paulo — A ex-primeira-ministra do Reino Unido Theresa May disse que o mundo está preocupado com a Floresta Amazônica e espera que o Brasil siga o compromisso de impedir o desmatamento assinado na COP 26, a Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, realizada em Glasgow no ano passado.

“O mundo está assistindo e queremos ver o futuro governo brasileiro [quem ganhar as eleições de outubro] levando esse compromisso adiante”, disse May em uma videochamada no evento da XP, Expert nesta quinta-feira (4).

“Posso entender completamente os países menos desenvolvidos olhando para os países desenvolvidos dizendo ‘você usou combustíveis fósseis, você criou o problema. Então, por que os países menos desenvolvidos devem ser retidos?’. Não quero que os países sejam retidos”, disse May, explicando que as nações não devem olhar para o crescimento econômico como era no passado. Segundo ela, os mercados emergentes podem adotar uma economia verde, mudando a mentalidade para a inovação e migrando para diferentes tipos de economia no futuro.

May defende que os mais desenvolvidos devem financiar os menos desenvolvidos para lidar com as mudanças climáticas. “Os países menos desenvolvidos não precisam passar pelo mesmo processo de evolução econômica que os países desenvolvidos passaram. Eles podem ir mais rapidamente para uma economia verde. Não apenas as emissões de gases, mas também deter a degradação da natureza. Todos nós precisamos ter certeza de que estamos fazendo o que dissemos que faríamos”, disse ela, enfatizando o compromisso do Brasil.

PUBLICIDADE

“Cuidar das mudanças climáticas e do crescimento econômico não são opostos. Não se trata de como fizemos no passado, mas de como faremos de maneira diferente no futuro.”

Leia também:

Recessão é inevitável e juro alto ficará por mais tempo, diz Lawrence Summers

Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann BR

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups

PUBLICIDADE