Estilo de vida

Estrangeiros voltam a comprar imóveis de luxo em Londres. O que isso significa

Por toda cidade há sinais de recuperação em setores que são particularmente dependentes de turistas e de investidores internacionais

Ainda assim, as propriedades em outros distritos têm visto menos atividade de investidores estrangeiros
Por Jack Sidders
03 de Agosto, 2022 | 03:28 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Investidores estrangeiros estão de volta ao mercado imobiliário de luxo de Londres.

Os compradores internacionais foram responsáveis por 48% das casas vendidas nos bairros mais caros da cidade no primeiro semestre deste ano, segundo dados compilados pela Hamptons. Esse é um salto de 13 pontos percentuais em relação ao ano anterior, quando as restrições de viagem ainda estavam em vigor, e um aumento de 45% nas casas compradas em 2019, um ano antes da pandemia, segundo os dados da corretora.

Por toda Londres há sinais de recuperação em setores que são particularmente dependentes de turistas e de investidores internacionais, mesmo com temores se acumulando sobre a economia doméstica. Na terça-feira (2), o proprietário de Covent Garden Capital & Counties Properties relatou aumentos nos valores e aluguéis à medida em que mais viajantes vêm visitando a cidade e fazendo compras em lojas de luxo.

“Um comprador que adquire com dólares uma casa de 1 milhão de libras (US$ 1,2 milhão) provavelmente economizará 66.000 libras em comparação com o ano passado, puramente devido à variação na moeda”, disse Aneisha Beveridge, chefe de pesquisa na Hamptons.

PUBLICIDADE

Ainda assim, enquanto os interessados internacionais voltam a comprar as casas mais caras de Londres, as propriedades em outros distritos têm visto menos atividade de investidores estrangeiros, de acordo com Hamptons. Os compradores domésticos responderam por 79% dos negócios na Grande Londres no semestre encerrado em junho, acima dos 77% de 2021 e 73% em 2019, ano anterior à pandemia.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Supercarros da Ferrari estão prestes a ficar ainda mais caros

Iguatemi e Multiplan contam como planejam ampliar receitas até o fim do ano

PUBLICIDADE