Brasileiros gastam US$ 1,6 bilhão comprando casas nos EUA, diz associação

Cidadãos brasileiros estão entre os cinco maiores compradores estrangeiros de casas nos EUA, segundo Associação de Corretores de Imóveis do país

Bloomberg Línea
Por Paulina Cachero
30 de Julho, 2022 | 04:38 PM

Leia esta notícia em

Inglês ou emEspanhol

Bloomberg — Os compradores estrangeiros voltaram ao mercado imobiliário dos Estados Unidos.

Não cidadãos dos EUA responderam por US$ 59 bilhões em compras de imóveis nos 12 meses até março, alta de 9% em relação aos 12 meses anteriores e o primeiro aumento em três anos, segundo relatório da Associação Nacional de Corretores de Imóveis (NAR, na sigla em inglês).

O preço médio das casas compradas por estrangeiros saltou 18%, para quase US$ 600 mil, o que aumentou o volume de dinheiro arrecadado pelo setor, mesmo com a queda no número de casas vendidas ao menor nível desde 2009, segundo o NAR.

Os compradores brasileiros ficaram em quarto lugar no ranking da associação. Gastaram US$ 1,6 bilhão no período, ou 3% do total. O valor médio de compra por brasileiros foi de US$ 434,8 mil. Os canadenses foram os não americanos que mais compraram casas no período: responderam por 11% do total gasto, ou US$ 5,5 bilhões - compra média de US$ 416,1 mil.

PUBLICIDADE
Brasileiros estão entre os cinco que mais gastaram dinheiro na compra de casas nos Esados Unidos, segundo Associação Nacional de Corretores de Imóveisdfd

De acordo com a associação, 44% dos compradores estrangeiros pagaram à vista, contra 24% da média geral.

Os preços das casas nos EUA disparam na pandemia. A escassez de imóveis à venda e as baixas taxas de hipotecas alimentaram as disputas em leilões ao redor do país. Ultimamente, a economia vacilante e os altos custos dos empréstimos têm mantido potenciais compradores afastados, o que é um sinal de que o mercado vai desaquecer.

“Em retrospecto, a ausência dos compradores internacionais nos últimos dois anos, quando o mercado cresceu, foi boa”, diz Lawrence Yun, economista-chefe da NAR. “A concorrência extra teria levado a uma dificuldade ainda maior na compra de potenciais compradores de casas nos EUA.”

É interessante explicar como a NAR define o que é um comprador estrangeiro. Segundo o relatório, 57% são imigrantes que moram nos EUA há menos de dois anos ou portadores de visto de residência que não são cidadãos do país.

A Flórida foi o principal destino dos compradores internacionais, respondendo por 24% de todas as transações residenciais internacionais.

Leia mais em bloomberg.com