Negócios

Os maiores riscos na carteira de empréstimos do Santander

Atrasos de pagamento de pessoas físicas e pequenas empresas se destacam entre os devedores do banco

Santander Brasil pretende abrir 70 agências em 2022, principalmente nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste
28 de Julho, 2022 | 01:42 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

São Paulo — Primeiro banco a divulgar o resultado financeiro do segundo trimestre na B3, o Santander Brasil (SANB11) apresentou tendências negativas no período, segundo analistas, que citaram o aumento das despesas com provisões e o ambiente econômico com maior risco de calote. O comando do banco considerou, no entanto, que a inadimplência está sob controle, e as perspectivas são positivas, prevendo a abertura de 70 novas agências no ano e lançamento de novos produtos.

Em teleconferência, o CEO do Santander Brasil, Mário Leão, disse que, desde setembro do ano passado, o banco toma precauções para evitar uma deterioração da qualidade das carteiras de crédito e que portfólios voltados para pessoas físicas e pequenas empresas apresentam inadimplência maior do que os de clientes do segmento corporate, empresas de médio porte e companhias globais.

A instituição financeira registrou um lucro líquido de R$ 4,1 bilhões de abril e junho, um aumento de 2% na variação trimestral e uma queda de 2,1% na variação anual.

“Em nossa opinião, o Santander Brasil apresentou tendências principalmente negativas no 2T22, uma vez que a ligeira expansão trimestral foi impulsionada principalmente pelos impactos de decisões judiciais, reversão de provisões cíveis/trabalhistas e uma baixa alíquota efetiva no trimestre”, comentou o Bradesco BBI em relatório sobre o balanço.

PUBLICIDADE

Essa leitura também ecoou em outros relatórios. “O lucro líquido foi puramente não-operacional”, avaliou o Itaú BBA, também em alusão à reversão de provisões com processos judiciais.

O CFO do Santander, Angel Santodomingo, acrescentou que o banco tem feito renegociações com devedores e comunicado ao mercado, reforçando que os níveis de inadimplência ficaram estáveis e que o cenário macroeconômico dá sinais de melhora.

“A economia brasileira está se comportando melhor do que o esperado”, disse Santodomingo, lembrando que o banco trabalha com uma previsão de crescimento do PIB do país de 2% para 2022, com a taxa Selic encerrando o período em 14,25% ao ano, acima dos atuais 13,25%.

Analistas destacaram o “nível elevado” de renegociações do Santander no período, de aproximadamente R$ 4 bilhões, anotou o relatório do Itaú BBA.

PUBLICIDADE

“As provisões tiveram um crescimento significativo no trimestre, apesar dos NPLs – taxa de inadimplência - estáveis, o que poderia sugerir que o índice de NPL e a formação estão distorcidos por renegociações significativas, em nossa visão”, citou o Bradesco BBI.

O CEO do Santander comentou que não espera uma deterioração adicional nos índices de inadimplência, porque há uma gestão contínua dos portfólios e que, em algumas carteiras de menor risco, a previsão é de crescimento. “Continuamos expandindo nossos negócios com garantias”.

Um das novidades em estudo pela matriz espanhola é a aposta na oferta de criptoativos. “Estamos debatendo isso bastante. Temos a intenção de nos posicionar nessas transações. É um mercado que veio para ficar. Em poucos meses, podemos ter definições”, afirmou Leão.

Leia também

Anatel: impasse sobre tarifas de roaming cria guerra jurídica e ameaça 5G

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.