Negócios

Auxílio, Copa e Oxxo: como o Carrefour pretende crescer até o fim do ano

Injeção de recursos com benefícios sociais e hábito de trocar TV antes do Mundial devem ajudar no faturamento, segundo CFO, David Murciano

Grupo teve um GMV (volume bruto de mercadorias) de R$ 1,5 bilhão no segundo trimestre, impulsionado pela categoria de alimentos
27 de Julho, 2022 | 05:46 am
Tempo de leitura: 3 minutos

São Paulo — O varejo de supermercados do Brasil deve ter as vendas impulsionadas no segundo semestre com um contexto mais favorável ao consumo, como o início do pagamento do Auxílio Brasil de R$ 600, previsto para mês de agosto, e o hábito das famílias brasileiras de trocar a TV às vésperas da Copa do Mundo para ver os jogos de futebol, a partir do dia 21 de novembro no Catar. A avaliação foi feita, no fim do dia na terça-feira (26), pelo CFO (executivo-chefe financeiro) do Carrefour Brasil (CRFB3), David Murciano, ao comentar os resultados financeiros do segundo trimestre em teleconferência.

Nas últimas semanas, vimos uma melhora progressiva em eletrodomésticos. Vamos ter a Copa do Mundo e esse é um momento forte de consumo”, afirmou o executivo, sem citar números.

Ele lembrou que o segmento de eletrodomésticos teve um crescimento muito forte de vendas nos dois primeiros anos da pandemia, um reflexo da adoção do home office pelas empresas e da maior permanência das pessoas em suas residências devido às restrições de mobilidade.

Mas no contexto complicado do consumo para o brasileiro, com a inflação, esse setor está sofrendo muito”, ressalvou Murciano, acrescentando que, apesar da recuperação das últimas semanas, a companhia ainda não pode confirmar que o movimento será suficiente para uma melhora do resultado anual do segmento de eletrodomésticos.

PUBLICIDADE

De abril a junho, as vendas de eletrodomésticos do Carrefour recuaram 7,4% na comparação com igual período do ano passado, somando R$ 958 milhões.

Além do efeito Copa do Mundo, o grupo varejista de origem francesa aposta no impacto positivo da nova rodada de programas de transferência de renda, como o Auxílio Brasil, para sustentar o ritmo de crescimento de vendas no Brasil.

Quando tivemos o auxílio emergencial nos períodos anteriores, isso ajudou. Não temos um número agora, mas isso terá um efeito positivo para o consumidor”, garantiu o CFO.

A estratégia de crescimento do grupo é continuar ampliando a oferta de produtos mais baratos, de marcas próprias, que já possuem uma penetração de 20% no mercado brasileiro. Na Europa, esse percentual chega a 30%, sinalizando, segundo o executivo, espaço para a participação de marcas próprias crescer ainda mais no país.

PUBLICIDADE

Oxxo

Além da captura de ganhos de sinergias com a integração do Grupo Big, iniciada em junho e que amplia a presença do Carrefour nas regiões Sul e Nordeste, a operação brasileira do Carrefour pretende abrir mais lojas menores no formato express até o fim do ano, um modelo amplamente adotado pela Oxxo, da mexicana Femsa, que se multiplicam por capitais como São Paulo.

“Consideramos o Oxxo como um competidor, porque vendem alimentos. Temos nosso modelo de lojas express. Estamos seguindo com a expansão de lojas express tanto no formato de rua como no formato de lojas autônomas em condomínios”, comentou o executivo.

Ele disse que a abertura de mais lojas menores, nos bairros, é uma resposta à expansão do formato do Oxxo. “Ainda é um modelo novo para nós. Temos que testar, que melhorar muitas coisas, antes da expansão acelerada do modelo de lojas autônomas”, afirmou o CFO.

Murciano disse que outra resposta ao modelo do Oxxo é o reforço da operação digital, com tempo menor de entrega das compras fechadas pelos canais de delivery, além do foco na expansão dos atacarejos (Atacadão) e do formato de clube de compras do Sam’s Club, adquirido com o pacote de marcas do grupo Big, como Bompreço e Maxxi Atacado.

“Vamos seguir abrindo lojas orgânicas. Temos 20 novas unidades previstas”, previu o executivo.

Integração

A integração dos ativos do Big prevê a conversão de 13 lojas em Atacadão e outras 3 em Carrefour nos próximos meses. Cortes de pessoal não foram descartados, mas essa será uma decisão que ainda dependerá de um anúncio oficial pelo grupo.

PUBLICIDADE

No segundo trimestre, o Carrefour Brasil registrou um lucro líquido ajustado de R$ 600 milhões, com crescimento de 1,3% na comparação anual. O Ebitda (indicador de geração de caixa operacional) ajustado atingiu R$ 1,7 bilhão, com aumento de 24,5% na base anual, e as vendas brutas somaram R$ 26,5 bilhões (+35,6%). A margem bruta caiu de 20,4% para 19% no segundo trimestre na comparação com igual período do ano passado.

Leia também:

Petz aposta em plano de saúde e serviços para fidelizar clientes, conta CEO

Multiplan tem venda recorde, mas crescer portfólio só após ‘tempestade’, diz CEO

Sérgio Ripardo

Sérgio Ripardo

Jornalista brasileiro com mais de 25 anos de experiência, com passagem por sites de alcance nacional como Folha e R7, cobrindo indicadores econômicos, mercado financeiro e companhias abertas.

PUBLICIDADE