Mercados

Economia e balanços ditam cautela ao mercado, que espera ansioso pelo Fed

Volatilidade permeia os negócios em semana decisiva, com balanços de pesos-pesados, decisão sobre juros nos EUA e uma série de indicadores

Conheça os eventos que vão orientar os investidores nesta terça-feira, 5 de julho
26 de Julho, 2022 | 08:03 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Barcelona, Espanha — (Esta é a versão atualizada da nota publicada originalmente às 6h40)

A expectativa de um Federal Reserve (Fed) mais agressivo em sua política monetária, aliada à divulgação de alguns balanços decepcionantes, tensiona os mercados. A volatilidade é o fio condutor dos negócios em uma semana decisiva e com várias referências macro (inflação, PIB) e microeconômicas (o ápice da safra de balanços).

Na Europa, as ações de energia e mineração se uniram ao petróleo e metais num movimento de alta, refletindo o temor de desabastecimento de matéria-prima energética, enquanto os varejistas e bancos caíam, afetados pelos balanços decepcionantes do Walmart Inc. e do UBS Group AG. O Stoxx 600 oscilaba entre os campos positivo e negativo. Já nos EUA prevalece a queda entre os futuros de índices.

O UBS perdia mais de 6% esta manhã, após relatar lucros mais fracos do que o esperado no segundo trimestre, já que a venda no mercado global manteve os clientes ricos à margem e os investidores institucionais optaram pelos fundos. Já o Walmart recuou quase 10% nas operações que antecedem a abertura das bolsas.

PUBLICIDADE

Os títulos do Tesouro operavam com ligeira recuperação. Os comerciantes se preparam para se desfazer de seus papéis quando, na próxima quarta-feira, o Fed decida o rumo dos juros - a expectativa mais aceita é de um aumento de 75 pontos-base.

→ Estes são alguns dos fatores que guiarão os mercados:

🔢 A verdade dos números. Os investidores terão hoje uma boa mostra de como a inflação galopante e a política monetária mais austera vem afetando as economias. Uma bateria de balanços corporativos, indicadores macroeconômicos e a atualização das projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) para as economias mundiais pintarão o retrato do que esperar daqui para frente. Nos Estados Unidos, se espera que os dados sobre a confiança do consumidor e as vendas de casas novas saiam enfraquecidos.

⚠️ Impasse na Europa. A Rússia está, de novo, reduzindo drasticamente o fluxo de gás canalizado para a Alemanha, incitando o temor de que a Europa não consiga acumular suficiente estoque de gás antes do inverno. A partir de amanhã, a Gazprom PSJC cortará os embarques no gasoduto Nord Stream 1 -- o principal canal para a União Europeia -- para cerca de 20% de sua capacidade. O gigante russo atribuiu a restrição aos problemas de manutenção com uma turbina que ajuda a bombear o gás. Uma limitação na oferta de gás ao continente trará duras consequências aos já disparados preços de energia, deixando o panorama econômico ainda mais sombrio.

Os países da UE concordaram na terça-feira em reduzir seu consumo de gás em 15% até o próximo inverno, já que a perspectiva de um corte total nos suprimentos russos se torna cada vez mais provável.

PUBLICIDADE

⛈️ Nuvens no horizonte. A temporada de balanços tem enunciado a preocupação de algumas empresas com o horizonte econômico. Ontem, a varejista Walmart divulgou uma projeção de lucro que decepcionou os investidores e acende o alerta em torno das perspectivas empresariais. Philips, o banco de investimento UBS, a GE e a General Motors também acenaram para um futuro menos alentador. Hoje, o calendário de balanços inclui empresas tão potentes como Microsoft, Alphabet, Visa, Coca-Cola e McDonald’s. É grande, portanto, a inquietação no mercado financeiro.

• Leia o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Dr. Apocalipse alerta sobre economia dos EUA

Um panorama da manhãdfd
🟢 As bolsas ontem: Dow Jones Industrials (+0,28%), S&P 500 (+0,13%), Nasdaq Composite (-0,43%), Stoxx 600 (+0,13%), Ibovespa (+1,36%)

As bolsas de valores dos EUA fecharam majoritariamente positivas, em uma sessão na qual os investidores tentavam se posicionar antes de uma bateria de dados macroeconômicos durante a semana. O mercado aguarda as previsões de crescimento do FMI na terça-feira, bem como a decisão de política monetária do Fed amanhã. Também acompanham os resultados trimestrais de titãs do mercado como Apple, Alphabet e Amazon, além dos balanços de empresas como General Motors, General Electric e 3M.

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

EUA: Atualização das perspectivas econômicas mundiais do FMI. Índice Redbook, Índice de Preços de Imóveis/Mai, Confiança do Consumidor CB/Jul, Venda de Casas Novas/Jun, Índice de Manufatura Fed Richmond/Jul, Estoques de Petróleo Bruto Semanal API

Europa: Reunião de emergência dos ministros de energia da UE. Reino Unido (Pesquisa CBI de Varejo e Distribuição/Jul); Espanha (IPP)

Ásia: Japão (IPC); China (Investimento Estrangeiro Direto/Jun, Lucro Industrial/Jun)

PUBLICIDADE

América Latina: Brasil (IPCA-15/Jul); Argentina (Vendas no Varejo)

Bancos centrais: Atas da Reunião de Política Monetária do Banco do Japão (BoJ)

Balanços do dia: Microsoft, Alphabet, Visa, LVMH, Coca-Cola, McDonald’s, UPS, Texas Instruments, Raytheon Technologies, Unilever, Mondelez, 3M, General Electric, UBS, General Motors, ADM, Chipotle, Telefônica Brasil

📌 Para a semana:

Balanços: Apple, Amazon, Meta, entre outros

PUBLICIDADE

Quarta: Decisão do Fed sobre os juros dos EUA

Quinta: PIB dos EUA

Sexta: CPI da Zona do Euro. EUA: Renda do Consumidor, indicador de sentimento de consumo da Universidade de Michigan

(Com informações da Bloomberg News)

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.

PUBLICIDADE