Mercados

Inflação dá trégua e outros 4 assuntos do Brasil e do mundo

Confira os principais tópicos que vão marcar o sentimento dos mercados nesta terça-feira (26)

O IPCA-15 registrou alta de 0,13%, a menor desde julho de 2020, no auge da pandemia
26 de Julho, 2022 | 09:39 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Línea — A terça-feira (26) começa seguindo o tom de cautela dos investidores diante de uma semana que promete continuar sendo volátil, com decisões e números importantes programados para os próximos dias. O Federal Reserve dá início hoje ao primeiro de dois dias da reunião de definição de política monetária, o que manterá maior cautela entre os investidores. No cenário local, destaque para a prévia oficial da inflação, que recuou em relação ao mês anterior.

1. Antecipar dividendos

O Ibovespa futuro subia nesta manhã, alta de 1,15%, acima dos 101 mil pontos. O dólar americano subia 0,39% ante o real, a R$ 5,37. Ontem, segunda-feira (25), Esteves Colnago, secretário especial do Tesouro e Orçamento do Ministério da Economia, afirmou que o governo enviou ofícios para a Caixa, Banco do Brasil (BBAS3), Petrobras (PETR3, PETR4) e BNDES, pedindo o pagamento trimestral de dividendos - costumeiramente semestrais. Com isso, a Petrobras disse que estuda repetir o feito do ano passado e antecipar o pagamento de dividendos aos acionistas.

A intenção do governo é usar os recursos para bancar gastos extras da conhecida como PEC das Bondades, que abriu espaço no Orçamento para o pagamento de R$ 600 no Auxílio Brasil, além de benefícios a taxistas e caminhoneiros.

2. Trégua da inflação

Por aqui, o destaque da manhã foi a prévia da inflação oficial, que veio abaixo da expectativa do mercado. O IPCA-15 registrou alta de 0,13%, a menor desde julho de 2020, auge da pandemia. Conforme divulgação do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no ano, o índice acumula alta de 5,79% e, em 12 meses, de 11,39%, abaixo dos 12,04% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

PUBLICIDADE

3. Mercados à espera do Fed

Lá fora, os futuros americanos caíam depois que o Walmart (WMT) cortou suas previsões de lucro, afetando as ações de varejo no pré-mercado. Na segunda-feira (25), a varejista disse que cortou suas estimativas de lucro seguindo o aumento da inflação de alimentos. O cenário atual, de acordo com o Walmart, também tem estimulado os consumidores a diminuírem seus gastos como um todo, sobretudo com vestuário. Por volta das 8h30 do horário de Brasília, os futuros do Dow Jones, S&P e Nasdaq caíam 0,38%, 0,36% e 0,47%, respectivamente.

Na Europa, os mercados operavam com maior cautela à espera da decisão de política monetária do Federal Reserve, na quarta-feira (27), e também digerindo os lucros corporativos da manhã de hoje, com destaque para os resultados do UBS, que frustrou as expectativas de lucro dos analistas no último trimestre. Com isso, as ações do banco chegaram a cair 7,30% no mercado futuro americano nesta manhã. Os analistas esperavam lucro de US$ 2,40 bilhões ante os US$ 2,11 bilhões registrados no período. O Stoxx600 subia 0,04%, enquanto o FTSE tinha alta de 0,52% perto das 8h35.

4. Manchetes do dia

  • Estadão: Maior grupo armado do País, CACs lançam 34 candidaturas ao Congresso e organizam partido político
  • Folha de S. Paulo: Número de pistolas liberadas pela PF dobra no país após flexibilizações de Bolsonaro
  • O Globo: PT discute impasses em seis estados e vota rompimento de aliança com Freixo no Rio
  • Valor: Covid piora mercado de trabalho para menos escolarizados

5. Agenda

No cenário local, destaque para os números do IPCA-15, prévia da inflação, divulgados às 9h00, registrando alta de 0,13% em junho porém com recuo em relação aos 0,69% registrados no mês anterior. Nos resultados corporativos do dia, destaque para resultados de empresas locais e do exterior, com Microsoft, Alphabet, Visa, LVMH, Coca-Cola, McDonald’s, UPS, Texas Instruments, Raytheon Technologies, Unilever, Mondelez, 3M, General Electric, General Motors, ADM, Chipotle, Carrefour Brasil, Vivo e Neoenergia.

Já nos Estados Unidos, é esperada a atualização das perspectivas econômicas mundiais do FMI. Também saem dos números do Índice Redbook, Índice de Preços de Imóveis de maio, Confiança do Consumidor de julho, Venda de Casas Novas de junho, Índice de Manufatura Fed Richmond de julho, e números dos estoques de Petróleo Bruto Semanal API. Na Europa, destaque para a reunião de emergência dos ministros de energia da União Europeia. No Reino Unido, saem os números da Pesquisa CBI de Varejo e Distribuição referentes ao mês de julho.

PUBLICIDADE

E também...

As commodities ligadas ao setor de energia subiam nesta manhã, com o petróleo WTI registrando alta de 1,88%, e o tipo Brent subindo 1,85%. Já o ouro caía 0,18%, enquanto os contratos negociados em Nova York de café, milho e trigo avançavam 1,09%, 2,31% e 2,03%, respectivamente.

Enquanto isso, o bitcoin acelerou queda, voltando a ser negociado abaixo do patamar dos US$ 22 mil. Às 9h, a principal criptomoeda era negociada a US$ 21.147,76, queda de 2,54%. O ethereum também recuava, queda de 4,25%.

--Com informações da Bloomberg News

Leia também

As apostas dos bancos de Wall Street para a decisão do Fed

Petróleo sobe com sinais de oferta apertada nos EUA, apesar de temores de recessão

Melina Flynn

Melina Flynn

Melina Flynn é jornalista naturalizada brasileira, estudou Artes Cênicas e Comunicação Social, e passou por veículos como G1, RBS TV e TC, plataforma de inteligência de mercado, onde se especializou em política e economia, e hoje coordena a operação multimídia da Bloomberg Linea no Brasil.

PUBLICIDADE