Saúde

Única fabricante de vacina da varíola dos macacos avalia produção emergencial

Dinamarquesa Bavarian Nordic diz estar pronta para iniciar turnos noturnos para dar conta da crescente demanda do imunizante

A decisão da OMS “aumenta a perspectiva de mais pedidos governamentais para Imvanex, a única vacina atualmente disponível”
Por Christian Wienberg
25 de Julho, 2022 | 10:05 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — A Bavarian Nordic, a única empresa com uma vacina aprovada contra a varíola dos macacos, disse que está se preparando para produzir durante a noite para atender à crescente demanda depois que o surto de vírus foi declarado uma emergência global.

O surto de varíola, que se espalhou para cerca de 16.000 pessoas em mais de 70 países em apenas alguns meses, foi declarado uma emergência de saúde pública de interesse internacional pelo chefe da Organização Mundial da Saúde no fim de semana. Este é o nível mais alto de alerta que visa mobilizar mais recursos globalmente para conter o surto e é a primeira decisão desse tipo desde que o coronavírus começou a varrer o mundo.

“Qualquer que seja a demanda que enfrentaremos, esperamos atendê-la com nossos próprios recursos”, disse Rolf Sass Sorensen, chefe de relações com investidores da Baviera, por telefone. “Uma solução muito simples é operar nossa unidade de produção durante a noite e colocar mais pessoas nos turnos de trabalho.”

A fabricante de vacinas dinamarquesa pode produzir 30 milhões de doses por ano e até agora não recusou nenhum pedido de governos que buscam proteger suas populações. Sorensen disse que a empresa farmacêutica já está trabalhando mais horas agora, e os turnos noturnos e outros ajustes elevariam a produção acima de 30 milhões, mas se recusou a fornecer um número específico.

PUBLICIDADE

A Bavarian disse na segunda-feira (25) que sua vacina Imvanex agora tem permissão para ser rotulada para varíola e outra doença causada pelo vírus na Europa. A extensão do rótulo vem após autorizações semelhantes no Canadá e nos EUA. As ações subiram até 10% no início do pregão em Copenhague e saltaram mais de 150% desde o surto.

A decisão da OMS “aumenta a perspectiva de mais pedidos governamentais para Imvanex, a única vacina atualmente disponível”, escreveu Peter Verdult, analista do Citigroup, em nota. Ele estimou que pelo menos 50% da capacidade de produção da Bavarian poderia ser alocada para a injeção e disse que a Bavarian pode receber cerca de US$ 100 por dose, em média.

A Bavarian tem a capacidade de contratar outros produtores para fazer a vacina, mas “levaria muito tempo e seria caro, então estamos tentando evitar isso”, disse Sorensen. Ele também disse que é altamente improvável que os governos emitam licenças compulsórias para permitir que outros fabricantes produzam a vacina por meio de seus próprios canais.

“O produto não é algo que possa ser facilmente copiado, então é altamente improvável que alguém além de nós consiga aumentar rapidamente a produção da vacina”, disse ele. “Não é um tipo padrão de produto que pode ser copiado; você precisa de muita experiência para fazer a vacina funcionar. Eu diria que é uma forma de arte.”

PUBLICIDADE

--Com a colaboração de James Cone

Leia também

IPO da Porsche, competição com Tesla e EVs: os desafios do novo CEO da Volkswagen

PUBLICIDADE