Negócios

IPO da Porsche, competição com Tesla e EVs: os desafios do novo CEO da Volkswagen

Oliver Blume entra no lugar de Herbert Diess, em meio a grandes desafios para a montadora alemã, incluindo o desenvolvimento de novas tecnologias

VW
Por Christoph Rauwald
25 de Julho, 2022 | 09:40 am
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — Como grande parte da Volkswagen fará uma pausa de verão nas próximas semanas, Oliver Blume, o novo diretor executivo da montadora, estará analisando uma extensa lista de tarefas.

Um conjunto diversificado de questões aguarda o executivo de 53 anos que substituirá Herbert Diess no cargo de CEO da montadora. O principal deles será listar a Porsche – o ativo mais valioso do grupo – em meio ao pior clima para ofertas públicas iniciais em anos, além de corrigir problemas prolongados na divisão de software, que fizeram os novos Porsches e Audis elétricos serem adiados.

As estratégias agressivas de Diess para EVs, software e ofertas de nova mobilidade colocaram a VW em um caminho que os proprietários bilionários da empresa elogiaram, mesmo quando o expulsaram do cargo de CEO. Agora cabe a Blume seguir em frente na transformação da segunda maior montadora do mundo para enfrentar a promissora Tesla (TSLA) e as empresas tradicionais Toyota e Stellantis.

Aqui estão alguns dos desafios que aguardam Blume:

PUBLICIDADE

Como fazer o IPO da Porsche

A lógica industrial por trás da listagem de uma participação minoritária na marca mais lucrativa do grupo VW é sólida. O IPO, que pode ser o maior de todos os tempos na Europa, deve ter sucesso para finalmente aumentar a avaliação da VW.

Mas, além das preocupações com a governança, há um medo crescente de que os riscos de recessão, o aumento dos custos de energia e a tensão geopolítica arrastem a avaliação da Porsche. Em 2019, a listagem da VW de sua unidade de caminhões Traton foi uma decepção.

Softwares

Os esforços da VW para construir sua própria operação de software tem sido uma experiência contundente de mudanças de estratégia e atrasos de produtos.

A Tesla está muito à frente na implantação de atualizações wireless que adicionam recursos e melhoram o desempenho de seus EVs depois que eles saem do showroom, e as tentativas de rivais tradicionais como a Toyota de replicar isso foram menos confusas. Aproveitar as oportunidades que o software traz, incluindo novas formas de receita, será a próxima fronteira do setor.

PUBLICIDADE

Mantendo o crescimento dos EUA

A VW finalmente parou de perder dinheiro nos Estados Unidos, mas a empresa ainda está longe de fechar a lacuna para Toyota, General Motors ou Ford Motor revivendo a marca off-road Scout que oferecerá uma picape elétrica e um SUV robusto.

Quanto ao segmento de luxo, a Audi há muito procura enfrentar a Mercedes-Benz e a BMW em escala global, mas não tem presença de produção nos EUA.

Transformando a China

A VW vem perdendo participação em seu maior mercado devido ao mau manuseio da escassez de chips e à escassez de recursos digitais que os motoristas experientes em tecnologia da China esperam cada vez mais.

A nova fábrica da Tesla em Xangai não é o único espinho no pé da VW. A montadora não pode arcar com os lucros cada vez menores dos empreendimentos chineses com os quais está contando para financiar suas ambições de veículos elétricos.

O desafio da Tesla

Enquanto a VW falhou durante a crise dos chips e lutou para manter as linhas de produção funcionando, a fabricante de carros elétricos dos EUA manteve um crescimento constante através da turbulência na cadeia de suprimentos.

Depois de transformar rapidamente a fábrica de Xangai em sua mais produtiva globalmente, o CEO Elon Musk também construiu fábricas em Austin, Texas, e perto de Berlim este ano. A expansão agressiva da Tesla está tornando o projeto de carros elétricos da VW, Trinity, que inclui uma fábrica alemã de 2 bilhões de euros (US$ 2 bilhões) parecer ainda mais crítico.

PUBLICIDADE

Contendo as controvérsias

Poucos dias depois de ser nomeado o novo CEO, Blume pediu desculpas por comentários que fez durante um evento interno no mês passado sobre Christian Lindner, ministro das Finanças da Alemanha.

Blume se gabou de estar constantemente trocando mensagens com Lindner meses atrás, quando o governo estava negociando um acordo de coalizão permitindo que novos veículos nos próximos anos fossem movidos a combustíveis sintéticos, que não são tão limpos quanto os EVs. Blume se desculpou no fim de semana, dizendo que simplificou demais a troca e não tentou influenciar Lindner.

Leia também

Mercados oscilam em semana de Fed, FMI e balanços de pesos-pesados

PUBLICIDADE