Finanças pessoais

BlackRock lança portfólios voltados para mulheres investidoras

Maior gestora de ativos do mundo criou portfólios que consideram discrepâncias de gênero em torno da expectativa de vida, tempo na força de trabalho e renda

Comparado a um modelo neutro em relação a gênero, o portfólio para mulheres coloca mais peso em ativos de crescimento com uma alocação de cerca de 1% maior aos 40 anos e até 9% a mais aos 55, de acordo com a BlackRock.
Por Silla Brush e Amelia Pollard
31 de Julho, 2022 | 12:57 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A BlackRock (BLK) lançou produtos de investimento projetados para investidoras do sexo feminino.

A maior gestora de ativos do mundo criou “portfólios modelo” que consideram as discrepâncias de gênero em torno da expectativa de vida, tempo na força de trabalho e renda, segundo comunicado.

A BlackRock disse que sua pesquisa descobriu que as investidoras podem se beneficiar ao serem expostas a mais riscos durante certos períodos críticos de suas vidas. Uma grande diferença para as mulheres é que, em média, elas vivem cinco anos a mais que os homens e passam cerca de um ano fora do mercado de trabalho para cuidar da família.

Comparado a um modelo neutro em relação a gênero, o portfólio para mulheres coloca mais peso em ativos de crescimento com uma alocação de cerca de 1% maior aos 40 anos e até 9% a mais aos 55, de acordo com a BlackRock.

PUBLICIDADE

Para mitigar os efeitos da inflação, o modelo também inclui participações em commodities, títulos do Tesouro dos Estados Unidos indexados à inflação e imóveis.

Lisa O’Connor, diretora e chefe global de soluções de portfólios modelo, disse que o modelo combina investimentos passivos ligados a índices e títulos escolhidos por gestores ativos.

Os portfólios ajudarão as clientes do sexo feminino a “alcançar seus objetivos financeiros”, disse Carrie Schroen, outra diretora da BlackRock.

“Isso é especialmente relevante porque as mulheres detêm uma parcela cada vez maior da riqueza global”, disse ela.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Por que cada vez mais fintechs estão comprando bancos na América Latina

PUBLICIDADE