Cripto

Mercado cripto cresce na América Latina na contramão global. Entenda

Cerca de 5% dos pagamentos aceitos por trabalhadores remotos foram feitos em criptomoedas nos primeiros seis meses do ano

Criptomoedas continuam populares nas economias instáveis da América Latina, como Brasil, Argentina e Venezuela
Por Matthew Boyle
21 de Julho, 2022 | 03:22 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Apesar do colapso das criptomoedas, trabalhadores remotos na América Latina ainda querem ser pagos em ativos digitais.

Cerca de 5% de todos os pagamentos aceitos por trabalhadores remotos foram feitos em criptomoedas nos primeiros seis meses do ano, acima dos 2% nos últimos seis meses de 2021, de acordo com mais de 100.000 contratos analisados pela Deel, que ajuda empresas a contratar e pagar pessoas em mais de 150 países. Mais de dois terços dos pagamentos em criptomoedas aconteceram na América Latina.

Apesar de uma liquidação de US$ 2 trilhões dos ativos digitais, que eliminou alguns dos maiores nomes do setor e expôs centenas de milhares de investidores individuais a grandes perdas, as criptomoedas continuam populares nas economias instáveis da América Latina, como Brasil, Argentina e Venezuela.

Na Argentina - com um número grande de trabalhadores remotos - é comum receber em criptomoedas para contornar os controles de câmbio e se proteger da inflação galopante. A Argentina tem uma proporção maior de trabalhadores sendo pagos em criptomoeda do que em qualquer outro lugar, de acordo com a Deel. Mas o colapso das chamadas stablecoins infligiu pesadas perdas aos argentinos.

PUBLICIDADE

Em um país com crises cambiais recorrentes e inflação em torno de 60% ao ano, dois terços dos argentinos que investem em criptomoedas dizem que o fazem para proteger suas economias, de acordo com um estudo de Wunderman Thompson, de Buenos Aires.

Em outras partes do mundo, cerca de um quarto dos pagamentos vieram da Europa, Oriente Médio e África, segundo a Deel. O bitcoin (BTUSD) foi responsável por pouco menos da metade de todos os pagamentos em criptomoedas em todo o mundo, abaixo dos dois terços na metade do ano passado. O conjunto de dados da Deel é voltado para trabalhadores mais jovens em tecnologia e finanças. Três em cada quatro contratos da Deel são com trabalhadores com menos de 35 anos.

Na América do Norte - onde vários jogadores de futebol americano e os prefeitos de Nova York e Miami tomaram contracheques em bitcoin - a participação geral dos pagamentos em criptomoedas foi de 7%, um pouco acima do ano passado, segundo a Deel. A volatilidade das criptomoedas significa que alguns trabalhadores correm o risco de impostos cobrados com base em pagamentos que posteriormente caíram de valor.

O relatório da Deel também descobriu que trabalhadores remotos na Itália tiveram o maior aumento salarial médio. Os trabalhadores de lá tiveram um aumento de 175% nos salários, seguidos por Brasil, Índia e Nigéria. As principais cidades em geral para trabalhadores remotos, com base na quantidade de funcionários contratados, foram Londres, Toronto e Buenos Aires.

PUBLICIDADE

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Ex-Coinbase é preso por suspeita inédita de insider trading com criptos