Negócios

Citi contraria tendência de Wall Street e tem lucro acima do esperado. Entenda

Banco de investimento é o primeiro a reportar ganho superior às projeções; resultado foi puxado por operações internacionais

A empresa obtém uma parcela maior de receita do exterior do que qualquer um de seus pares nos EUA
Por Jenny Surane
15 de Julho, 2022 | 10:18 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — O Citigroup (C) apresentou lucros inesperados de mercados internacionais tumultuados, mesmo com as perspectivas econômicas cada vez mais fracas e a invasão da Ucrânia pela Rússia representando bilhões de dólares em riscos.

O lucro do banco no segundo trimestre ultrapassou as estimativas dos analistas, impulsionado por inesperados grandes volumes de moedas, commodities e negociação de taxas de juros de transações internacionais. O lucro líquido foi de US$ 4,5 bilhões, superando os US$ 3,6 bilhões previstos pelos analistas.

A empresa, que obtém uma parcela maior de receita do exterior do que qualquer um de seus pares nos EUA, anunciou resultados um dia depois que os rivais JPMorgan (JPM) e Morgan Stanley (MS) divulgaram lucros que decepcionaram os investidores.

“Em um ambiente macro e geopolítico desafiador, nossa equipe apresentou resultados sólidos e estamos em uma posição forte para enfrentar tempos incertos, dada nossa liquidez, qualidade de crédito e nível de reserva”, disse a CEO Jane Fraser em comunicado.

PUBLICIDADE
  • As ações do banco com sede em Nova York, que acumulavam queda de 27% este ano até quinta-feira, subiam 4,4% às 10h23 no início do pregão em Nova York.

A receita total do Citi subiu 11%, para US$ 19,6 bilhões, superando a estimativa média de analistas de US$ 18,4 bilhões compilada pela Bloomberg.

A receita foi impulsionada por resultados melhores do que o esperado da divisão de negociação do Citigroup, com o banco citando o forte desempenho de produtos de renda fixa e derivativos de ações. Isso ajudou a compensar uma queda de 46% na receita de banco de investimento, já que o mercado de ofertas públicas iniciais e empresas de aquisição de propósito específico secou em meio à incerteza macroeconômica.

A receita do negócio de soluções de tesouraria e comércio da empresa, que movimenta US$ 4 trilhões por dia para clientes corporativos em 140 moedas, subiu 33%, ajudando a divisão a alcançar seu melhor trimestre em uma década. O Citigroup disse que os resultados da unidade foram ajudados por taxas de juros mais altas e maiores depósitos.

O banco reservou quase US$ 1,3 bilhão para cobrir empréstimos contraídos enquanto se prepara para uma possível desaceleração econômica, e divulgou novas dores de cabeça das operações na Rússia, onde a empresa tem lutado para vender suas divisões de banco comercial e de consumo.

PUBLICIDADE

Exposição à Rússia

O Citigroup passou grande parte do trimestre reduzindo sua exposição à Rússia enquanto o presidente Vladimir Putin pressionava com a invasão à Ucrânia. O banco projeta que poderia perder US$ 2 bilhões em um cenário de estresse severo, abaixo dos US$ 3 bilhões anteriores.

Mesmo assim, a empresa viu o valor em dólar de sua exposição à Rússia saltar para US$ 8,4 bilhões no trimestre, que a empresa atribuiu à valorização do rublo. O valor do rublo subiu 50% em relação ao dólar americano no período, revertendo dois trimestres seguidos de queda.

O Citigroup disse que terá que gastar mais à medida que renova muitas de suas tecnologias e infraestrutura subjacentes – um esforço de um ano que o banco diz que o ajudará a se tornar mais moderno e atenderá alguns pedidos de reguladores de 2020. Ao todo, os custos do trimestre aumentaram 8%, para US$ 12,4 bilhões, um pouco melhor do que o aumento de 9,3% que os analistas esperavam.

Leia também

Itaú e Bradesco vs. Nubank: o que esperar do impacto da crise nos balanços

PUBLICIDADE