Negócios

Como o Goldman Sachs pode ser útil para a marca de luxo Tom Ford?

Marca fundada por ex-diretor criativo da Gucci está estudando um acordo de venda que pode avaliá-la em bilhões de dólares

Tom Ford começou como marca de vestuário, mas atualmente licencia óculos, itens de beleza e acessórios
Por Crystal Tse, Ruth David e Ed Hammond
10 de Julho, 2022 | 02:42 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Tom Ford, a marca de luxo fundada pelo ex-diretor criativo de longa data da Gucci, está explorando um potencial de venda, segundo pessoas familiarizadas com o assunto.

A Tom Ford está trabalhando com o banco de investimentos Goldman Sachs (GS) na questão, disseram as fontes, que pediram anonimato porque o assunto não é público.

Um acordo poderia avaliar a empresa em vários bilhões de dólares e poderia incluir uma opção que proporcionaria a qualquer novo proprietário da Tom Ford o direito de trabalhar com seu fundador após a venda, disse uma das pessoas.

Nenhuma decisão final foi tomada e a Tom Ford ainda poderia optar por continuar independente.

PUBLICIDADE

Um representante da Tom Ford não foi imediatamente encontrado para comentários. Um porta-voz do Goldman não quis comentar.

Ford, nativo de Austin, estado americano do Texas, abriu sua empresa homônima em 2005, um ano após deixar a Gucci, que ele revitalizou durante uma década como diretor criativo.

A Tom Ford começou como uma marca de vestuário com foco em roupas masculinas de luxo. Todos os seus ternos foram licenciados e produzidos pela Ermenegildo Zegna, empresa que recentemente abriu seu capital, até a coleção Outono-Inverno de 2022, quando os direitos exclusivos expiram, segundo o relatório anual da Zegna. A Zegna continuará produzindo alguns produtos Tom Ford a partir da próxima temporada.

Tom Ford vende óculos produzidos e distribuídos pela Marcolin, assim como itens de beleza e fragrâncias licenciados para a Estée Lauder. As ofertas da marca também incluem acessórios como relógios e pequenos artigos de couro.

PUBLICIDADE

Domenico de Sole, ex-presidente e CEO da Gucci, foi um dos primeiros sócios de Ford e atua como presidente da empresa.

Ford estreou como cineasta em 2009 com o filme Direito de Amar, estrelado por Colin Firth e Julianne Moore.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Se não abraçarmos o carbono zero, vamos perder negócios, diz CEO do BofA no país

PUBLICIDADE