Gigante de mineração cripto se livra da maioria de seus Bitcoins

Core Scientific, uma das maiores do setor, cortou 79% da participações em Bitcoin em seu balanço, mostra relatório da empresa

Setor foi abalado pelos colapsos de várias criptomoedas, e isso puxou para baixo a maior delas, que caiu abaixo de US$ 20.000 no mês passado pela primeira vez desde 2020.
Por David Pan
06 de Julho, 2022 | 08:18 AM

Bloomberg — A Core Scientific, uma das mais importantes mineradoras de criptomoedas, vendeu a maior parte de seus Bitcoins em junho após uma queda acentuada nos ativos digitais apertar as finanças até mesmo de líderes do setor.

A mineradora vendeu 7.202 moedas a US$ 167 milhões no mês passado, levando a uma queda de 79% nas participações de Bitcoin em seu balanço, de acordo com um relatório da empresa. Com sede em Austin, no Texas, ela agora detém 1.959 moedas.

As mineradoras de criptomoedas lutam para pagar dívidas e fechar grandes pedidos de máquinas de mineração caras que fizeram durante o rali de vários meses atrás. Para algumas, os custos operacionais excedem a receita de mineração, após o Bitcoin registrar seu pior trimestre em mais de uma década.

O setor foi abalado pelos colapsos de várias criptomoedas, e isso puxou para baixo a maior delas, que caiu abaixo de US$ 20.000 no mês passado pela primeira vez desde 2020.

PUBLICIDADE

“Nosso setor está passando por um tremendo estresse, pois os mercados de capitais enfraqueceram, as taxas de juros estão subindo e a economia enfrenta uma inflação histórica”, disse Mike Levitt, CEO da Core Scientific.

Fundada em 2017, a Core Scientific é uma das maiores mineradoras de Bitcoin do mundo, com 180.000 servidores e quase 10% do poder de computação atual que sustenta toda a rede de blockchain de Bitcoin.

As empresas de mineração de capital aberto geralmente guardam a grande maioria de seus Bitcoins minerados para que suas ações sirvam como exposição ao ativo digital sem que os investidores precisem deter os tokens diretamente. Algumas empresas apostam que grandes participações em Bitcoin aumentarão seu balanço a longo prazo, à medida que o token se valoriza ao longo do tempo.

PUBLICIDADE

Enquanto algumas mineradoras que acumulam Bitcoin, como a Marathon Digital Holdings e a Hut 8 Mining Corp. não venderam nenhum Bitcoin até agora, outras iniciaram grandes vendas para conseguirem pagar as contas.

A canadense Bitfarms vendeu cerca de metade de suas moedas em junho e usou parte dos recursos para pagar um empréstimo, enquanto a Riot Blockchain fez sua primeira venda no início deste ano.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Loft, uma das startups mais valiosas da América Latina, corta 12% das vagas

Por que a BTG Asset reduziu a aposta em Brasil e elevou no México