Mercados

Futuros operam mistos na Ásia com tarifas americanas sobre a China no radar

Governo Biden pode anunciar a reversão de algumas taxas sobre produtos chineses nesta semana, em uma tentativa de combater a inflação

As especulações se intensificaram de que o presidente Joe Biden pode reduzir as tarifas da era Trump sobre US$ 300 bilhões em importações chinesas
Por Sunil Jagtiani
04 de Julho, 2022 | 08:18 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — As ações asiáticas apontam para uma abertura mista na terça-feira, com os investidores avaliando a possível eliminação de algumas tarifas dos Estados Unidos sobre bens de consumo chineses.

Os futuros subiam no Japão e Hong Kong e rondavam a estabilidade na Austrália. O governo Biden pode anunciar a reversão de algumas taxas ainda nesta semana, em uma tentativa de combater a alta inflação.

Os contratos S&P 500 e Nasdaq 100 oscilavam. As ações europeias subiram na segunda-feira (4), enquanto Wall Street estava fechada para o feriado do Dia da Independência.

O dólar australiano estava próximo do zero a zero antes da decisão de juros do banco central. A autoridade monetária - entre mais de 80 que aumentaram as taxas este ano - deve implementar aumentos consecutivos de meio ponto percentual nas taxas de juros pela primeira vez.

PUBLICIDADE

Os futuros do Tesouro caíram após um recuo nos títulos europeus. Um índice do dólar avançava. O petróleo bruto subiu para US$ 111 o barril. O bitcoin (BTUSD) tentava retomar o nível de US$ 20.000.

As especulações se intensificaram de que o presidente Joe Biden pode reduzir as tarifas da era Trump sobre US$ 300 bilhões em importações chinesas. Os formuladores de políticas em todo o mundo estão sob pressão para combater a inflação, que elevou as taxas de juros, minou a expansão econômica e contribuiu para perdas acentuadas em ações e renda fixa este ano.

“A inflação dos EUA continua excepcionalmente alta e exigirá mais do que uma política fiscal para conter as pressões de preços”, escreveu Carol Kong, estrategista do Commonwealth Bank of Australia, em nota. “Esperamos que o FOMC continue com os aumentos das taxas, apesar dos crescentes temores de recessão.”

Veja mais em Bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

As ações preferidas dos analistas em julho

Ex-bilionários: conheça os brasileiros que perderam esse status em 2022

PUBLICIDADE