Startups

Startup de aluguel de motos atrai hedge funds e capta US$ 40 milhões

Brasileira Mottu recebeu US$ 30 mi em rodada equity com participação da Tiger, e US$ 10 mi em dívida com a Verde Asset, de Luis Stuhlberger

Startup Mottu capta US$ 40 milhões em Série B e dívida
30 de Junho, 2022 | 07:08 pm
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — A startup Mottu, de aluguel de motos à combustão para entregadores de aplicativo, recebeu US$30 milhões em uma rodada de equity Série B liderada por fundos estrangeiros como a Base Partners, a Crankstart, Michael Moritz, sócio da Sequoia, com participação da Tiger Global Management. Todos já eram investidores da Série A de US$ 20 milhões em janeiro de 2021 e agora dobraram a aposta na startup.

O momento não é dos melhores para a Tiger, de Chase Coleman. Mas ainda assim, a empresa segue investindo em startups, mesmo com perdas que já atingiram 52% este ano. O fundo de hedge da empresa afundou 14,2% no mês passado, com perdas em várias ações e “marked downs” substanciais em seus ativos privados, de acordo com uma carta aos investidores vista pela Bloomberg News e uma pessoa com conhecimento do caso.

A Mottu também recebeu US$ 10 milhões em dívida com a Verde Asset Management, de Luis Stuhlberger, também já investidor.

Fundada por Rubens Zanelatto, a empresa começou a operar em janeiro de 2020. “Percebi que muita gente estava entregando delivery com bicicleta porque não tinha crédito para comprar sua própria moto”, disse, em entrevista com a Bloomberg Línea.

PUBLICIDADE

Zanelatto desenhou um modelo de negócio em que ele compra as motos e aluga para esses entregadores conseguirem trabalhar com entregas por aplicativo como iFood e Rappi.

“No começo todo mundo falava que seria muito risco de inadimplência, que roubariam as motos, mas criamos um sistema de segurança para que a moto não fosse roubada, ou que se as pessoas não passagem o aluguel conseguíssemos bloquear as motos, e isso se provou muito bem”, disse o executivo.

Os entregadores pagam cerca de R$ 30 reais por dia para fazer a locação das motos e os pagamentos devem ser feitos semanalmente. A Mottu cobre qualquer gasto com manutenção e serviço de apoio em caso de acidentes.

No primeiro ano de operação, com 60 pessoas na equipe, a Mottu faturou US$ 2 milhões em receita recorrente anual (ARR). No fim do ano passado, a receita recorrente anual foi de US$ 10 milhões.

PUBLICIDADE

Hoje, Zanelatto diz que a Mottu tem 10 mil motos alugadas em oito cidades no Brasil e a Cidade do México, além de 400 pessoas no time. Com a nova rodada, a startup está contratando, na contramão das demissões de outras empresas de tecnologia, que já somam mais de 2 mil cortes no Brasil, segundo o site LayoffsBrasil.com.

“Empresas que estão crescendo bastante com unit economics positivo não estão sentido tanto esse desafio [dificuldade de captação] como outras empresas que ainda não conseguiram provar seus negócios. No nosso caso, os investidores acreditam muito no que a gente está construindo.

O negócio da Mottu demanda capital intensivo, já que é necessário comprar as motos para alugar para os entregadores. ”A rodada irá para a aquisição de motos e aumentar o time de tecnologia para trabalhar na automação todos os processos”, contou.

Zanelatto tem a meta de atingir 50 mil motos alugadas até o final do ano.

Leia também:

GetNinjas: qual o piso para as ações? Monashees reduz posição para 2,15%

Isabela  Fleischmann

Isabela Fleischmann BR

Jornalista brasileira especializada na cobertura de tecnologia, inovação e startups

PUBLICIDADE