Mercados

Fusões e aquisições globais esfriam após ano recorde

Volume global de fusões e aquisições caiu 17% em relação ao primeiro semestre de 2021, para US$ 2,1 trilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg

Os negócios caíram em todas as principais regiões e na maioria dos setores, com um número crescente de transações empacadas ou abandonadas
Por Aaron Kirchfeld e Michelle Davis
30 de Junho, 2022 | 04:04 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Seis meses depois do ano mais movimentado de todos os tempos para fusões e aquisições, começa a ficar claro que a desaceleração pode ser mais do que uma retração passageira.

O volume global de fusões e aquisições caiu 17% em relação ao primeiro semestre de 2021, para US$ 2,1 trilhões, segundo dados compilados pela Bloomberg. Inflação desenfreada, aperto monetário, guerra na Ucrânia e cadeias de suprimentos espremidas convergiram para esfriar rapidamente o recorde de compras visto no ano passado.

Os bancos também começam a recuar do financiamento de grandes transações em um aperto para as empresas de private equity que alimentaram o boom. Os negócios caíram em todas as principais regiões e na maioria dos setores, com um número crescente de transações empacadas ou abandonadas.

Embora os banqueiros ressaltem que a atividade permanece bem acima das médias históricas, as fusões e aquisições costumam demorar alguns meses para acompanhar os mercados de capitais - e os principais índices de ações estão no vermelho há algum tempo, com as ofertas de ações agora próximas de uma mínima de duas décadas. Sem contar o fim abrupto da onda das empresas de propósito específico para aquisições nos EUA, conhecidas como SPACs.

PUBLICIDADE

“Sabemos que o ciclo de M&A está sempre atrasado”, disse Oliver Lutkens, co-chefe de consultoria para Europa, Oriente Médio e África no BNP Paribas. “Compradores e vendedores geralmente fazem fusões e aquisições robustas até que a economia realmente mude, porque eles querem fechar negócios antes que seja tarde demais.”

É improvável que a busca por grandes aquisições estratégicas seja uma prioridade para muitos conselhos de empresas nos próximos meses à medida que se concentram em preparar seus negócios para o impacto de uma possível recessão. O aumento do custo dos bens que atingiu os gastos do consumidor em todo o mundo e a necessidade de certeza sobre a resposta dos bancos centrais a isso continuam a pesar sobre os preços das ação e o sentimento.

“O segundo semestre começa com volatilidade”, disse Michael Santini, presidente executivo global do UBS. “Provavelmente caminhamos para um mercado mais ativo de fusões e aquisições e IPOs em 2023, dado que o ciclo de alta de juros do Fed pode já ter sido concluído quando sairmos de 2022, e teremos mais visibilidade sobre as perspectivas econômicas.”

Tech no topo: o setor de tecnologia continua a ser um dos únicos resistentes às pausas nos M&Asdfd

Veja mais em bloomberg.com

PUBLICIDADE

Leia também

Cenário pede juros mais altos por mais tempo, dizem estrategistas brasileiros

PUBLICIDADE