País da América do Norte é o maior mercado da Nike
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg Opinion — A queda no faturamento da Nike (NKE) na China vem chamando a atenção. Mas é a desaceleração na América do Norte que deve preocupar os investidores.

Na segunda-feira (27), a maior empresa de artigos esportivos do mundo registrou queda de 20% no faturamento (excluindo os movimentos cambiais) da Grande China no trimestre encerrado em 31 de maio, já que as interrupções relacionadas à covid afetaram 60% de seus negócios no país.

PUBLICIDADE

Mesmo quando a Nike anunciou um novo programa de recompra de ações no valor de US$ 18 bilhões por quatro anos, a empresa disse que esperava que o faturamento aumentasse em um percentual de dois dígitos este ano e que sua margem bruta ficasse estável a 0,5 ponto percentual, refletindo o impacto das restrições na China.

A receita proveniente da América do Norte caiu inesperadamente em 5% no quarto trimestre fiscal da empresa. As vendas de calçados caíram 6%, e as de vestuário caíram 5%. Embora isto se compare com o período de um ano atrás em que o faturamento de vestuário esportivo estava lento, a queda é preocupante, principalmente porque a América do Norte é o maior mercado da Nike – o faturamento representa cerca de 40% da receita total no ano fiscal de 2022.

PUBLICIDADE

A queda poderia refletir os orçamentos dos clientes limitados por preços mais altos de alimentos e combustíveis, bem como a ausência dos pagamentos de estímulo econômico que impulsionaram os gastos há um ano. A mudança de vestuário casual esportivo – chamado athleisure – para as roupas mais formais para a volta aos escritórios também não ajudou.

Os estoques de produtos da Nike também cresceram em 23%, chegando a US$ 8,4 bilhões no final de maio, elevados por mercadorias que ainda estavam em trânsito. A empresa espera mais descontos neste ano fiscal – voltando as promoções ao normal depois de chegar a níveis muito baixos no ano passado. Mas também está se preparando para aumentar os preços.

PUBLICIDADE

Analistas da GlobalData sugerem que alguns dos fatores que impulsionaram a demanda de tênis entre os consumidores mais jovens, como ganhos com criptomoedas e tokens não fungíveis (NFTS), podem estar começando a desandar. E a estratégia da Nike de se tornar uma gigante de artigos para ostentação através da venda mais direta aos consumidores e menos através de varejistas, também pode estar agravando a situação.

No entanto, seguir a estratégia de luxo é o mais correto. Quando os produtos estão disponíveis apenas nas lojas, site ou aplicativo da Nike, não há nenhum risco de que estejam disponíveis com desconto em outros locais. A Nike disse que sua estratégia de venda direta ao consumidor estava aumentando sua margem bruta, embora isso fosse compensado por custos de transporte elevados e mais descontos.

PUBLICIDADE

Contudo, vale a pena monitorar alguns riscos. Algumas varejistas que tiveram fornecimento reduzido pela Nike podem ter de preencher suas prateleiras com produtos de outras marcas. A loja de calçados Foot Locker receberá acesso exclusivo à coleção de calçados de basquete da Reebok e anunciou recentemente uma parceria de longo prazo com a rival da Nike, a Adidas. Isso é uma ameaça para as vendas da Nike, principalmente à medida que o momento fica mais difícil e os consumidores se preparam para buscar preços melhores.

Ações caíram cerca de um terço neste anodfd

As ações da Nike acumulam queda de cerca de 34% este ano. Para interromper a queda, é preciso mostrar que a China, que representou 16% da receita de 2022, está voltando à ativa. Com Pequim e Xangai relatando a inexistência de novas infecções locais de covid no início da semana e o país reduzindo pela metade o tempo de quarentena para os viajantes que chegam ao país, há esperança de um melhor desempenho dos negócios chineses no final deste ano civil.

Mas o gigante de artigos esportivos também precisa demonstrar que a demanda nos Estados Unidos está se mantendo com a aproximação das épocas de volta às aulas e de compras de fim de ano. À medida que os consumidores cortam o que não é essencial, isso parece ser um desafio muito maior.

Esta coluna não reflete necessariamente a opinião do conselho editorial ou da Bloomberg LP e de seus proprietários.

Andrea Felsted é colunista da Bloomberg Opinion e escreve sobre os setores de varejo e bens de consumo. Anteriormente, escrevia para o Financial Times.

--Este texto foi traduzido por Bianca Carlos, localization specialist da Bloomberg Línea.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

Volume de IPOs afunda nos EUA após boom da pandemia

Piratas cibernéticos são a mais nova ameaça a suprimentos globais