Internacional

Trump tentou desviar volante do carro para ir ao Capitólio durante invasão, diz ex-estagiária

Cassidy Hutchinson testemunha nesta terça com detalhes dos bastidores dos últimos dias da presidência de Trump

Ex-estagiária da Casa Branca é testemunha-chave sobre invasão do Capitólio
Por Billy House e Mike Dorning
28 de Junho, 2022 | 03:26 pm
Tempo de leitura: 5 minutos

Bloomberg — Uma ex-assessora do último chefe de gabinete do então presidente americano Donald Trump, Mark Meadows, emergiu como testemunha principal na investigação da Câmara sobre a insurreição no Capitólio dos Estados Unidos em 6 de janeiro.

Cassidy Hutchinson, assessora do último chefe de gabinete do presidente Donald Trump, Mark Meadows, testemunha nesta terça. Ela prestou depoimentos gravados em vídeo, trechos dos quais foram reproduzidos em audiências anteriores. Sua aparição foi mantida em sigilo pelo comitê, citando uma urgência ligada a novas evidências e preocupações de segurança.

Segundo ela, Trump teria tido uma briga física com um de seus seguranças ao tentar desviar um carro em movimento para ir até o Capitólio acompanhar os manifestantes.

Trump teve briga com a equipe de segurança (15h)

Trump continuou insistindo em ir ao Capitólio e até agarrou o volante e teve uma briga física com seus seguranças, disse Hutchinson.

PUBLICIDADE

“Eu sou o maldito presidente, me leve até o Capitólio agora”, disse Hutchinson acerca do que Trump teria falado a Bobby Engel, o líder de sua equipe de segurança. Trump estendeu a mão para pegar o volante do carro, foi informado de que estava voltando para a Casa Branca e, em seguida, se lançou para clavícula de Engel.

Hutchinson disse que conversou com o líder da minoria na Câmara, Kevin McCarthy, durante o discurso de Trump, e ele ficou alarmado.

Trump, disse Hutchinson, pressionou sua equipe para permitir que ele fizesse outro discurso fora do Capitólio e também para entrar na câmara da Câmara, onde a contagem eleitoral estava acontecendo.

Advogados de Trump advertidos contra marcha ao Capitólio (12h49)

O conselheiro da Casa Branca Pat Cipollone e o advogado sênior Eric Herschmann pediram para não incluir a linguagem que Trump queria usar em seu discurso, como “lutar por Trump” e “estarei lá com você”, disse Hutchinson.

PUBLICIDADE

Cipollone também instou Trump a não se juntar à multidão rumo ao Capitólio.

“Seremos acusados de todos os crimes imagináveis” se Trump acompanhasse os participantes do comício ao Capitólio, disse Cipollone a ela. Ela estava particularmente preocupado em crimes como obstruir a justiça e fraudar a Lei Eleitoral.

Apoiadores armados ‘não estão aqui para me machucar’, disse Trump (12h40)

Trump estava zangado porque o Serviço Secreto não estava deixando as pessoas entrarem no comício de 6 de janeiro perto da Casa Branca, embora eles se recusassem a passar pela segurança.

“Eles não estão aqui para me machucar”, ela se lembra de ouvir Trump dizer. “Deixe-os marchar para o Capitólio daqui”, disse ele.

Trump, disse ela, exigiu que os detectores de metal fossem retirados para que as pessoas com armas pudessem se aproximar do palco do rali.

“O presidente Trump estava ciente de que vários indivíduos na multidão tinham armas e usavam coletes à prova de balas”, disse a republicana Liz Cheney, vice-presidente do painel. “A multidão, como sabemos, seguiu para o Capitólio”, acrescentou Cheney.

PUBLICIDADE

Hutchinson disse que ela estava tentando dar a Meadows informações sobre a violência no Capitólio, e duas vezes ele a excluiu.

‘As coisas podem ficar reais, muito ruins’, avisou Meadows (12h20)

Hutchinson disse que conversou com Rudy Giuliani em 2 de janeiro e ele disse que eles iriam ao Capitólio em 6 de janeiro e que seria “um ótimo dia”. Hutchinson trouxe isso para Meadows mais tarde, e ele a avisou: “as coisas podem ficar muito, muito ruins em 6 de janeiro”.

Hutchinson lembrou que o diretor de Inteligência Nacional, John Ratcliffe, disse a ela separadamente que as ações de Trump durante o período pós-eleitoral “podem sair do controle e ser potencialmente perigosas”.

Hutchinson disse que naquela noite após as conversas foi a primeira vez que ela sentiu “medo” sobre o que poderia acontecer em 6 de janeiro.

PUBLICIDADE

Hutchinson era uma presença constante ao lado de Meadows quando o então chefe da Casa Branca viajava ao Capitólio em 2020 para negociações com líderes do Congresso sobre um pacote de ajuda à covid, de acordo com a pessoa familiarizada com a situação. Meadows insistia que ela estivesse nas reuniões com ele, não importa quão pequenas fossem.

Menos de quatro anos atrás, Hutchinson, então aluna do último ano da faculdade, se emocionou em uma entrevista publicada por sua antiga universidade, a Christopher Newport, na Virgínia, sobre sua recente experiência como estagiária na Casa Branca. Meses depois, ela retornaria como funcionária.

Depoimentos em vídeo que Hutchinson deu anteriormente ao comitê forneceram algumas das informações mais surpreendentes, como sobre a reação de Trump às ameaças da multidão do Capitólio de enforcar o vice-presidente Mike Pence até os pedidos de legisladores republicanos por possíveis indultos presidenciais.

O público viu trechos desses depoimentos em algumas das audiências anteriores do painel. Mas o primeiro vislumbre extenso sairá na terça-feira, que até agora não fez entrevistas de transmissão em sua conta de 6 de janeiro.

PUBLICIDADE

O comitê citou evidências e testemunhos recém-obtidos para convocar a audiência em curto prazo, apesar de ter anunciado na semana passada que pausaria as sessões até julho.

Nem Hutchinson nem seu advogado responderam antecipadamente aos pedidos de comentários sobre seu testemunho.

PUBLICIDADE

Hutchinson chegou a Washington em um caminho testado e comprovado para entusiastas políticos em idade universitária, como estagiária no Congresso. Ela trabalhou nos escritórios de dois defensores republicanos conservadores, o senador Ted Cruz, do Texas, e o deputado Steve Scalise, da Louisiana, antes de ir para a Casa Branca.

Da primeira geração da família que chegou à universidade, ela disse na entrevista à Christopher Newport que “chorou” ao ler o e-mail que lhe oferecia um estágio na Casa Branca de Trump.

O estágio levou a um emprego na Casa Branca. Ela então se tornou assistente executiva de Meadows em março de 2020 e assistente especial do presidente no Gabinete do Chefe de Gabinete de maio de 2020 a janeiro de 2021.

PUBLICIDADE

Com essa visão interna, Hutchinson prestou pelo menos três depoimentos a portas fechadas perante o comitê e tem sido amplamente esperada para emergir como uma de suas testemunhas mais importantes a comparecer pessoalmente durante uma audiência.

Entre as questões discutidas pelo comitê está se Trump, Meadows e outros sabiam que um plano para que Pence apresentasse as chapas alternativas de eleitores presidenciais de sete estados era ilegal.

De acordo com uma transcrição de sua entrevista no comitê, Hutchinson disse que Meadows e outros foram informados diretamente pelo então conselheiro da Casa Branca Pat Cipollone em uma reunião no início de dezembro de 2020 que o plano não era legalmente sólido.

PUBLICIDADE

O testemunho de Hutchinson vem logo depois que ela trocou seu advogado de Stefan Passantino, ex-adjunto da Casa Branca no início do governo Trump, para Jody Hunt, que era chefe de gabinete do então procurador-geral Jeff Sessions.

Leia também

Goldman diz que mercados nos EUA subestimam risco de recessão

PUBLICIDADE