Mercados

Goldman diz que mercados nos EUA subestimam risco de recessão

Estrategistas liderados por Praveen Korapaty disseram que precificação para 2024 provavelmente está subestimando o risco de recessão

Goldman diz que mercados nos EUA subestimam risco de recessão
Por Edward Bolingbroke
28 de Junho, 2022 | 10:36 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Estrategistas de taxas de juros do Goldman Sachs (GS) disseram que os mercados nos EUA subestimam o risco de uma recessão em 2024 e se juntaram ao recente aumento nas apostas de uma virada dovish na política do Federal Reserve.

Embora as expectativas implícitas no mercado para a taxa básica de juros do Fed tenham caído nas últimas semanas para níveis que no início de 2023 “limitaram os riscos de perda, a precificação para 2024 provavelmente está subestimando o risco de recessão”, estrategistas liderados por Praveen Korapaty disseram em nota. O risco de que a inflação permaneça alta complica como os temores de recessão afetam a inclinação da curva de juros, disseram.

Para lucrar com o erro de precificação, eles recomendam uma aposta no achatamento da curva do eurodólar envolvendo os contratos de março de 2023 e março de 2024. A venda de opções de compra em março de 2023 contra uma posição comprada em março de 2024 monetiza a volatilidade implícita atualmente alta, disseram.

O que está precificado agora: Mercado de swaps dos EUA foi reprecificado para um cenário de taxas menoresdfd

“Acreditamos que essa estrutura deve funcionar sob uma série de cenários de início de recessão, com riscos provenientes de uma recessão imediata ou de um ciclo de alta muito prolongado”, escreveram.

PUBLICIDADE

As expectativas implícitas nos swaps de taxa de juros são de que a taxa básica do Fed atinja um pico de cerca de 3,6% em março de 2023, um aumento de cerca de 2 pontos percentuais em relação ao nível atual. Isso se compara com cerca de 4% há algumas semanas. Desde então, houve uma proliferação de atividades de opções de taxas de curto prazo, antecipando cortes acentuados nas taxas do Fed em 2023 e 2024.

Veja mais em bloomberg.com

Leia também

Bancos de investimento sentem pressão global e perdem receita no Brasil

PUBLICIDADE