PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Mercados

Mercados no azul em dia de feriado para os negócios à vista em NY

Bolsas europeias e contratos futuros de índices dos EUA sobem; agenda macroeconômica do dia será tranquila e, para a semana, destaque é o testemunho de Powell ao Congresso

As variáveis que orientarão os mercados
20 de Junho, 2022 | 06:45 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Barcelona, Espanha — Hoje os mercados à vista nos Estados Unidos estarão fechados por feriado e, para a semana, a agenda macroeconômica não tem previstos indicadores “bombásticos”. O destaque da agenda dos mercados será o comparecimento do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell, ante o Congresso (quarta e quinta-feira).

🗣️ Efeito-Powell. Ele dará aos congressistas explicações sobre suas ações à frente do banco central norte-americano e sobre a situação econômica, algo que deve inspirar cautela aos mercados. Qualquer declaração do mandatário do Fed será ouvida com máxima atenção. O Fed está determinado em frear a inflação com o uso das taxas de juros. Na semana passada, aplicou ao custo do dinheiro o maior aumento de taxas nos EUA desde 1994.

🚨 O dilema. Ainda que a determinação em conter a inflação galopante seja bem-vinda pelo mercado, acende o sinal de alerta porque subidas muito intensas dos juros desferem um golpe para bolsas e bônus e podem esfriar a economia excessivamente rápido, provocando eventualmente uma recessão.

💶 A dívida europeia no foco. Na Europa, as bolsas acompanham hoje o pronunciamento da presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, que terá de responder ao Parlamento Europeu perguntas sobre os mecanismos da autoridade monetária para evitar a fragmentação no mercado de dívida do bloco.

PUBLICIDADE

O BCE articula medidas para compensar o aumento do prêmio de risco dos países mais vulneráveis a um encarecimento da dívida europeia, como Itália, Grécia e Espanha, ou inclusive para amortecer o efeito de uma eventual venda maciça de títulos.

→ Leia o Breakfast, uma newsletter da Bloomberg Línea: Petrobras na mira do poder

Um panorama da manhãdfd
🟢 As bolsas na sexta-feiraDow Jones Industrial (-0,13%), S&P 500 (+0,22%), Nasdaq Composite (+1,43%), Stoxx 600 (+0,09%), Ibovespa (-2,90%)

Os mercados acionários dos EUA tomaram um respiro no fechamento em meio a uma sessão volátil, pois os investidores continuaram a pesar a possibilidade de uma recessão na maior economia do mundo. O S&P 500 oscilou entre perdas e ganhos durante a sessão e, apesar de terminar o dia no azul, encerrou a semana em seu nível mais baixo desde janeiro de 2021 e terminou com o maior declínio semanal desde março de 2020. Também pesou na sessão o vencimento de opções no evento trimestral conhecido como “Triple Witching”, quando três classes de ativos expiram simultaneamente.

➡ Leia também: Ata do Copom e Powell no Congresso: 5 eventos para o mercado na próxima semana

PUBLICIDADE

Na agenda

Esta é a agenda prevista para hoje:

Feriados: Estados Unidos (Juneteenth), Argentina, Colômbia

Europa: Zona do Euro (Produção do Setor de Construção/Abr); Alemanha (IPP/Mai)

América Latina: Brasil (Boletim Focus); México (Gastos Privados, Demanda Agregada/1T22)

Bancos centrais: Discursos de Christine Lagarde (presidente do BCE), James Bullard (FOMC/Fed), Joachim Nagel (presidente do Bundesbank, o banco central da Alemanha), Philip Lane (BCE), Fabio Panetta (BCE). Relatório mensal do Bundesbank

📌 Para a semana:

Quarta-feira: Testemunho semestral do presidente do Fed Jerome Powell no Senado. Minuta de política monetária do Banco do Japão (BoJ)

Quinta-feira: Powell se pronuncia ante a Câmara dos Representantes. Pedidos Iniciais de Seguro-Desemprego. PMIs para a Zona Euro, França, Alemanha, Reino Unido e Austrália. Boletim econômico do BCE

Sexta-feira: Confiança do consumidor dos EUA medido pela Universidade de Michigan dos EUA

Michelly Teixeira

Michelly Teixeira

Jornalista com mais de 20 anos como editora e repórter. Em seus 12 anos de Espanha, trabalhou na Radio Nacional de España/RNE e colaborou com a agência REDD Intelligence. No Brasil, passou pelas redações do Valor, Agência Estado e Gazeta Mercantil. Tem um MBA em Finanças, é pós-graduada em Marketing e cursa um mestrado em Digital Business na Esade.