PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Estilo de vida

As cidades mais caras do mundo inclusive para os super-ricos

Cidades asiáticas ficaram no topo da lista dos lugares mais caros para se viver inclusive para os mais ricos

Visitantes sentados do lado de fora do shopping Ion Orchard na Orchard Road, em Singapura
Por Yoojung Lee
20 de Junho, 2022 | 08:59 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg — Para os ultra-ricos que vivem em algumas das cidades mais caras do mundo, como Xangai e Hong Kong, o aumento dos preços dos bens de luxo no ano passado afetou seu amplo poder de compra.

PUBLICIDADE

Para os que vivem em Londres e Nova York, por outro lado, o aumento no custo de bolsas, sapatos, ternos e relógios de grife não corresponde às taxas gerais de inflação em seus países.

A divergência global no crescimento dos preços e na política monetária é o pano de fundo do Relatório Global de Riqueza e Estilo de Vida 2022 do Julius Baer Group, que classifica as cidades mais caras do mundo analisando o custo de residências imobiliárias, carros, passagens aéreas, escolas de negócios e outros luxos. Xangai novamente liderou a lista, enquanto Londres arrebatou o segundo lugar de Tóquio, que foi a cidade que mais caiu, para o oitavo lugar. Nova York ficou em 11º lugar, uma posição abaixo da pesquisa do ano passado.

PUBLICIDADE

Os resultados mostram que os ricos não estão imunes à inflação, que atingiu 8,6% nos EUA e 9% no Reino Unido, embora sejam mais capazes de resistir a ela do que os menos abastados.

Além disso, as pessoas ricas têm uma probabilidade desproporcional de possuir ações, que caíram à medida que os bancos centrais aumentam as taxas de juros para lidar com o crescimento dos preços. Apenas as 500 pessoas mais ricas do mundo viram coletivamente US$ 1,4 trilhão de suas fortunas acumuladas serem eliminadas este ano, de acordo com o Bloomberg Billionaires Index.

“Embora a situação financeira de muitos indivíduos de alta renda tenha realmente melhorado no último ano, o aumento simultâneo da cesta de bens e serviços que compõem nosso índice de estilo de vida significa que a ‘ilusão monetária’ dos anos anteriores ainda persiste“, de acordo com o relatório Julius Baer, divulgado na última quarta-feira (15).

No entanto, “nossa pesquisa revela um quadro ligeiramente otimista após a pandemia”, afirma o relatório. “Os ricos estão gastando normalmente novamente.”

O custo de itens de tecnologia como laptops e smartphones aumentou mais globalmente, 41%, impulsionado pela mudança para trabalhar em casa e pela escassez global de chips. Contratar um advogado ficou 33% mais caro, enquanto o preço das bicicletas subiu 30%. Em contrapartida, o custo do vinho caiu 26%, mais do que qualquer outra categoria.

PUBLICIDADE

O relatório analisou os preços de cerca de vinte bens e serviços que costumam ser adquiridos por pessoas físicas com patrimônio de uma família bancária de US$ 1 milhão ou mais em 24 cidades de todas as regiões, com os dados coletados em duas rodadas entre novembro e abril. Moscou foi removida da lista.

“A atual incerteza global, causada pela pandemia e sustentada pelo aumento da inflação e da tensão geopolítica, só fez aumentar a necessidade de os investidores protegerem o seu poder de compra e, a longo prazo, planearem ativamente a conservação das suas riquezas”, afirmou Nicolas de Skowronski, gerente de fortunas do Banco Julius Baer.

Leia também

Janet Yellen diz que inflação permanecerá alta até o fim do ano