Mercados

S&P 500 cai mais de 20% desde pico em janeiro com temores de recessão

Wall Street operava em forte queda nesta segunda, com investidores prevendo aperto mais agressivo do Federal Reserve para conter a inflação

Aversão ao risco contribuiu para a queda das criptomoedas, levando o bitcoin a cair abaixo de US$ 24 mil
Por Rita Nazareth
13 de Junho, 2022 | 11:06 am
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — Uma forte liquidação nas ações globais nesta segunda-feira (13) fez com que o índice S&P 500 caísse mais de 20% em relação ao recorde de janeiro, com os traders prevendo uma política mais agressiva do Federal Reserve para combater a inflação. Os rendimentos do Tesouro dos Estados Unidos subiram para o maior patamar em anos e o dólar se fortaleceu em relação aos principais pares.

Em mais uma sessão negativa para as Bolsas, o movimento é de forte onda vendedora. O Índice de Volatilidade Cboe, conhecido como medidor de medo de Wall Street, está precificando mais incerteza no momento atual do que em três meses, após uma rara inversão da curva de juros futuros.

A aversão ao risco contribuiu para a queda das criptomoedas, levando o bitcoin a cair abaixo de US$ 24 mil. Os rendimentos do Tesouro de 10 anos subiram para o maior nível desde 2011, enquanto as taxas de dois anos saltaram para níveis vistos pela última vez antes da crise de 2008. Já o dólar teve seu maior rali de quatro dias desde o início da pandemia.

O fluxo de saída de ações e de títulos tem ganhado força, com inversões na curva do Tesouro apontando para temores de que o Fed não consiga evitar um pouso forçado. Os traders agora estão precificando 175 pontos-base do aperto do Fed até setembro, o que implica dois aumentos de 50 e um de 75 pontos-base.

PUBLICIDADE

Se isso acontecer, será a primeira vez desde 1994 que o Fed recorrerá a uma medida tão severa. Para estrategistas do Morgan Stanley (MS) e do Goldman Sachs (GS), as ações ainda não refletem totalmente os grandes riscos enfrentados pelos lucros corporativos e a demanda mais fraca do consumidor.

“Vai ficar um pouco mais feio”, disse Victoria Greene, diretora de investimentos da G Squared Private Wealth. “Vai ser muito difícil para as ações se recuperarem quando o Fed continuar exercendo pressão agressiva. Não há como eles pisarem no freio com inflação sem pisar no freio economicamente falando. É engraçado que ainda temos negadores da recessão.”

Confira o desempenho dos mercados:

Ações

  • O S&P caía 2,46% por volta das 10h50 (horário de Brasília);
  • O Nasdaq recuava 2,99%;
  • O Dow Jones caía 1,90%;

Títulos

  • O rendimento do Tesouro de 10 anos avançava 13 pontos-base, a 3.29%;

Commodities

  • O petróleo West Texas Intermediate (WTI) caía 0.9%, para US$119,64 o barril;
  • O contrato futuro de ouro caía 2%, a US$1.838,40 a onça.

-- Com a colaboração de Sunil Jagtiani, Denitsa Tsekova, Robert Brand, Vildana Hajric, Peyton Forte e Lu Wang.

PUBLICIDADE

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também:

Bitcoin toca mínima em 18 meses pressionado por inflação nos EUA