PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Internacional

Powell deve escolher entre inflação e recessão nos EUA

Economistas apostam que uma contração econômica pode ser necessária para reduzir a inflação a níveis mais toleráveis

Banco central dos EUA deve aumentar taxa de juros em meio ponto percentual esta semana
Por Richard Miller
13 de Junho, 2022 | 12:36 pm
Tempo de leitura: 3 minutos

Bloomberg — O Presidente do Federal Reserve Jerome Powell está enfrentando um cálculo cada vez mais sombrio após mais dados que indicam aumento da inflação na semana passada: ele provavelmente deverá levar a economia para a recessão a fim de recuperar o controle dos preços.

Depois de passar boa parte do ano passado parecendo o ex-presidente do banco central Arthur Burns, tolerante à inflação, Powell vem assumindo cada vez mais o posto do destruidor da inflação (e ícone do Fed) Paul Volcker. Esse é um papel que ele provavelmente abraçará com prazer na quarta-feira (15), quando ele falar à imprensa após uma decisão amplamente esperada do Fed de aumentar as taxas de juros em mais meio ponto percentual.

Mas pelo menos até agora, ele se esquivou de apoiar a difícil decisão monetária e o castigo da recessão necessários para que Volcker contivesse a inflação há quatro décadas. Embora Powell tenha recentemente reconhecido que controlar as pressões sobre os preços poderia exigir certo sacrifício – talvez até mesmo um aumento no desemprego – ele se absteve de falar sobre uma recessão.

Inflação e núcleo nos EUA aumentaram mais que o esperado em maiodfd

Isso talvez seja compreensível, considerando a tensão política do momento, principalmente especialmente para o Partido Democrata do presidente Joe Biden antes das eleições de meio de mandato em novembro.

PUBLICIDADE

O presidente do Fed não quer falar em recessão de forma positiva – afirmar que precisamos dela”, disse Alan Blinder, ex-funcionário do banco central americano. “Mas há muitos eufemismos e ele certamente os usará”.

Um número cada vez maior de economistas – incluindo o ex-vice-presidente do Fed, Blinder – afirma que pode ser necessária uma contração e um aumento no desemprego para reduzir a inflação a níveis mais toleráveis.

“Fiquei mais pessimista sobre a oportunidade de estabilizar a inflação a um nível aceitável sem uma recessão”, disse o economista-chefe do JPMorgan Chase (JPM) Bruce Kasman. Ele vê um acontecimento dinâmico no qual um período prolongado de alta inflação e um mercado de trabalho apertado leva a demandas salariais elevadas e mais custos para as empresas.

Em pesquisa publicada em 6 de junho, a economista-chefe da Bloomberg Economics, Anna Wong, e seus colegas estimaram as chances de uma recessão este ano em 1:4 e de uma no próximo ano em 3:4. “Uma recessão em 2022 é improvável, mas em 2023 será difícil evitá-la”, escreveram.

PUBLICIDADE

Os investidores estão tomando nota. Os rendimentos dos títulos saltaram e os preços das ações caíram na sexta-feira (10) com a preocupação de que o Fed irá apertar mais a política monetária após a preços ao consumidor subiram a uma nova alta de 40 anos em maio – 8,6% em relação ao ano anterior. Os investidores aumentaram as apostas de que o Fed continuaria fazendo aumentos de meio ponto percentual em suas reuniões em julho e setembro, com alguns economistas argumentando que um aumento maior de 75 pontos-base era possível.

Os rendimentos dos títulos do Tesouro dos Estados Unidos de 10 anos atingiram 3,28% na segunda-feira (13), superando um pico de 2018 para chegar no maior nível desde 2011, e os futuros de taxas de juros sinalizaram 175 pontos-base de aperto até setembro, implicando aumento de 75 pontos-base em uma das próximas três reuniões do Fed.

O índice de preços de gastos pessoais de consumo – indicador de inflação favorecido pelo Fed – aumentou 6,3% em abril em relação ao ano anterior, mais de três vezes a meta de 2% do banco central. Excluindo os custos voláteis de alimentos e energia, os preços principais aumentaram 4,9%.

Ethan Harris, chefe de pesquisa econômica global do Bank of America (BAC), disse que o Fed provavelmente estaria disposto a comprometer e aceitar um patamar de inflação de 3%, com a ideia de reduzir gradualmente o excesso da meta ao longo do tempo. Isso permitiria evitar que os EUA entrassem em recessão.

Confiança do consumidor nos EUA despenca enquanto inflação corrói as finançasdfd

Equívoco

O economista do Deutsche Bank, Peter Hooper, que foi um dos primeiros em Wall Street a prever uma recessão, disse que seria um “erro de Burns” se o Fed recuasse de sua meta de 2%. E isso é um erro que ele disse que Powell não quer cometer.

Pelo menos por enquanto, Powell tem algo que Burns não tinha: apoio político para tomar medidas para combater a inflação.

PUBLICIDADE

Biden, que realizou um raro encontro com Powell no mês passado, reafirmou repetidamente a independência do Fed para fazer o que achar necessário para combater a alta dos preços. E o presidente também deixou claro que considera a alta inflação a principal questão econômica enfrentada pelos EUA.

“A inflação é a ruína de nossa existência”, disse Biden ao apresentador Jimmy Kimmel em entrevista de 8 de junho.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Bitcoin toca mínima em 18 meses pressionado por inflação nos EUA

Dólar avança e supera os R$ 5 com investidores em busca de proteção