Tech

Tesla deve apresentar em alguns meses um robô que parece humano e faz compras

O Optimus é um robô de tamanho humano que deve poder realizar tarefas mundanas, afirmou Elon Musk

Robô será controlado pelos mesmos sistemas de inteligência artificial que a Tesla está desenvolvendo para uso em seus veículos elétricos
Por Katrina Nicholas
03 de Junho, 2022 | 07:11 pm
Tempo de leitura: 1 minuto

Bloomberg — A Tesla (TSLA) pode ter um robô humanoide funcionando dentro de meses, disse o CEO Elon Musk no Twitter, ao adiar um evento de tecnologia da montadora para 30 de setembro para ter tempo hábil para apresentar o novo produto.

O Optimus, apresentado pela primeira vez em agosto de 2021 durante o dia inaugural do evento de inteligência artificial da Tesla, é um robô de tamanho humano que Musk imagina que será capaz de realizar tarefas mundanas, como fazer compras no supermercado.

Também conhecido como Tesla Bot, o robô humanóide um dia terá “o potencial de ser mais significativo do que o negócio de veículos ao longo do tempo”, disse Musk.

De acordo com uma apresentação feita durante o evento AI 2021, o Optimus terá cerca de 1,73 metro de altura, peso de cerca de 57kg e uma capacidade de carregar 20kg. Ele será controlado pelos mesmos sistemas de inteligência artificial que a Tesla está desenvolvendo para uso em seus veículos elétricos.

PUBLICIDADE

Essencialmente, no futuro, “o esforço físico será uma escolha”, disse Musk na época. “A Tesla é indiscutivelmente a maior empresa de robótica do mundo. Nossos carros são basicamente robôs semi-sensíveis sobre rodas.”

Musk tem um histórico de revelar produtos que são meros protótipos, essencialmente vendendo uma visão antes que ela exista na realidade. Independentemente disso, seu tweet de que um protótipo de robô humanoide pode estar funcionando até o final de setembro gerou interesse imediato, acumulando quase 18.000 curtidas em questão de minutos.

Veja mais em Bloomberg.com

Leia também

PUBLICIDADE

Musk diz que demissões devem atingir somente funcionários diretos

Por que CEOs americanos mudaram tom e passaram a alertar sobre a economia

PUBLICIDADE