PUBLICIDADE
PUBLICIDADE
Green

Cafu vira garoto-propaganda do meio ambiente na Copa do Qatar

Ex-capitão da Seleção Brasileira será embaixador da UPL em projeto com a Fundação FIFA que quer usar o agronegócio para limpar a atmosfera

Cafu, ex-capitão da Seleção Brasileira de futebol, vai ser embaixador em ações ambientais na Copa do Qatar
25 de Maio, 2022 | 08:01 am
Tempo de leitura: 2 minutos

Bloomberg Línea — Em outubro do ano passado, a indiana UPL e a FIFA Foundation anunciaram um projeto que pretende tirar da atmosfera um gigaton (1 bilhão de toneladas) de gás carbônico até 2040, usando a agricultura como vetor de captação dos gases do efeito estufa.

PUBLICIDADE

A empresa, que é a quinta maior indústria de defensivos químicos do mundo, anunciou que seu garoto-propaganda será o último jogador da Seleção Brasileira a levantar a taça da copa do mundo como campeão, o ex-capitão Cafu.

A UPL é uma das patrocinadoras da Copa do Mundo FIFA Qatar para a América Latina. “Como apoiadora oficial, na América Latina, da Copa do Mundo FIFA Catar 2022, sabemos da importância de termos um embaixador legítimo, incontestável, que tivesse uma ligação especial com o evento e, obviamente, que trouxesse uma identificação forte com o público brasileiro”, disse em comunicado Rogério Castro, CEO da UPL Brasil.

PUBLICIDADE

Com contrato até o fim da Copa do Qatar, o ex-jogador vai participar de uma série de ações organizadas pela UPL. O valor do contrato não foi revelado. “Dá muito orgulho ser embaixador dessa jornada com a UPL. O futebol transformou minha história e pode mudar para melhor a vida de mais pessoas. Estou super motivado com esse projeto e pronto para mostrar a força dos produtores rurais e do agronegócio brasileiro para o mundo”, disse Cafu, que jogou 148 partidas pela Seleção Brasileira e participou de três Copas do Mundo.

A contratação de Cafu como garoto-propaganda é apenas mais uma peça na estratégia da UPS para popularizar a questão da emissão de carbono e atrair agricultores para seu projeto, que tem o futebol como plataforma principal.

A ideia é que o projeto como um todo movimente US$ 15 bilhões em créditos de carbono até sua conclusão, em 2040. Entre 60% e 70% desse valor será revertido em remuneração adicional aos agricultores, que serão os responsáveis pela geração desses créditos, ficando o restante dividido entre custos de certificação, operação e remuneração dos investimentos antecipados nas fases iniciais.

Os créditos serão gerados em 100 milhões de hectares utilizados para agricultura e pecuária no mundo nas próximas duas décadas. A ideia é que essa área passe a adotar uma metodologia de sequestro de carbono desenvolvida pela equipe de cientistas da UPL em parceria com a Universidade do Colorado, nos Estados Unidos. Desse total, 20 milhões de hectares estão no Brasil.

Leia também

PUBLICIDADE

Conselheiro vê risco zero para política de preços da Petrobras

Wall Street volta a comprar títulos da dívida americana em aposta que pior passou

Índia proíbe exportação de açúcar e mercado se volta para o Brasil

Alexandre Inacio

Alexandre Inacio

Jornalista brasileiro, com mais de 20 anos de carreira, editor da Bloomberg Línea. Com passagens pela Gazeta Mercantil, Broadcast (Agência Estado) e Valor Econômico, também atuou como chefe de comunicação de multinacionais, órgãos públicos e como consultor de inteligência de mercado de commodities.